TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

DESENVOLVIMENTO DE MATRIZES DIETÉTICAS FLEXÍVEIS PARA USO NO TRATAMENTO DA SÍNDROME DA DEFICIÊNCIA ENERGÉTICA RELATIVA NO ESPORTE

Por:   •  9/2/2019  •  Artigo  •  3.562 Palavras (15 Páginas)  •  10 Visualizações

Página 1 de 15

[pic 1]        [pic 2]        [pic 3]        [pic 4]

CURSO DE NUTRIÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE MATRIZES DIETÉTICAS FLEXÍVEIS PARA USO NO TRATAMENTO DA SÍNDROME DA DEFICIÊNCIA ENERGÉTICA RELATIVA NO ESPORTE

ITAÚNA

2018

        [pic 6]        [pic 7]        [pic 5][pic 8]

DESENVOLVIMENTO DE MATRIZES DIETÉTICAS FLEXÍVEIS PARA USO NO TRATAMENTO DA SÍNDROME DA DEFICIÊNCIA ENERGÉTICA RELATIVA NO ESPORTE

FLEXIBLE DIETARY MODELS DEVELOOMENT TO TREAT RELATIVE ENERGY DEFICIENCY INS SPORTS

Modelos dietéticos flexíveis

Universidade de Itaúna

Rodovia MG 431-Trevo Itaúna/Pará de Minas-Campus Verde-Cep 35680-142-Caixa Postal 100-Itaúna-MG

NOVEMBRO/2018

RESUMO

Modelos dietéticos flexíveis

Sabe-se que hoje vários atletas se desempenham em exercer um nível de atividade física superior a sua capacidade suportada; e nem sempre mantém um alimentação adequada para o seus gastos energéticos. Certamente, ele entra em um quadro de baixa disponibilidade energética o que relaciona ao desenvolvimento da síndrome de baixa disponibilidade energética. O planejamento dietético é a forma mais prática e rápida de tratamento dessa síndrome para o atleta de alto rendimento. Dentro desse contexto, o da ACSM e dos Consumos Dietéticos De Referência (DRI’s) de 2005, relacionados a estimativa de percentual de gordura (G%) e gasto da atividade física (GEAF), para normatizar os modelos. No presente estudo será utilizado porte físico com peso corporal de 40kg,60kg,80kg e 100kg; todos os 4 modelos terão percentual de gordura e gasto de atividade física iguais Dentro dos modelos existe a divisão de macronutrientes e calorias de cada refeição, trabalhando pré, pós e intra-treino.

Palavras-chave: Disponibilidade energética, Consumo calórico e desempenho físico


1 INTRODUÇÃO

A síndrome de deficiência energética relativa no esporte é um fator muito crescente, isso devido ao aumento do número de praticantes de diversas atividades físicas; desde então surgiu uma grande aptidão pelo excesso de treinos, visando maior performance e resultado. Correlacionando esse fator a alimentação, sabemos que o atleta de alto rendimento precisa de uma ingestão adequada para obter resultados positivos. Um fator que que irá influenciar no seu consumo calórico (CC), é sua periodização de treino e ciclo de treinamento levando em consideração a

de ossos e hormônios quando a energia gasta em exercício for subtraído da admissão total de energia. (Loucks et al., 2011).

Diante de diversos fatores que podem gerar a síndrome de baixa disponibilidade), que por sua vez consiste na soma da taxa metabólica basal (TMB), o efeito térmico de alimentos (TEF) e o efeito térmico da atividade física (TEA). (Louise M. Burke., et al, 2016).

Nessa situação é fácil identificar que a síndrome de baixa disponibilidade energética ocorre pois a do que consumo calórico.

Perante os riscos que o atleta pode ter, um dos que ocorre com frequência é a síndrome de overtraining, que em últimos anos vem se destacando pelo aumento em atletas de elite e causando diminuição no seu desempenho. O overtraining vem sido estudado com frequência por pesquisadores que buscam os possíveis mecanismos que podem causar a síndrome.

Segundo Smith (2005), inúmeros estudiosos têm se dedicado exaustivamente a elucidar mecanismos responsáveis pelo desenvolvimento dessa síndrome para que as medidas preventivas possam ser elaboradas, afinal, a recuperação de um atleta acometido por essa síndrome pode demorar cerca de seis meses, o que pode encerrar precocemente, carreiras, consideradas promissoras. (Mountjoy et al, 2005)

Tanto a baixa disponibilidade energética quanto a síndrome do overtraining podem ser desenvolvidas por diversos fatores, estudos mostram que a maior causa ocorre através dos treinos intensos que pode desencadear o stress tanto físico tanto psicológico, e ainda destacam a questão da ativação constante do sistema nervoso autônomo e do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal como consequência da síndrome e não necessariamente sua causa.

Surge também problemas como osteoporose, o que pode afetar o atleta em ambos os gêneros porém, são mais frequentes nas atletas femininas, por apresentarem menor densidade óssea que os homens. Ocorre também mais frequente na mulher atleta transtornos alimentares, como anorexia, bulimia e ortorexia. Mas se trata de uma questão muito séria por envolver a atividade física; isso acontece pelo excesso de treinamentos e baixa ingestão calórica, tanto de macronutrientes quanto de micronutrientes.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (25.5 Kb)   pdf (453.2 Kb)   docx (222.6 Kb)  
Continuar por mais 14 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com