TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Engenharia de Software Redes de Computadores

Por:   •  19/10/2018  •  Relatório de pesquisa  •  7.965 Palavras (32 Páginas)  •  119 Visualizações

Página 1 de 32

Universidade Tecnológica Federal do Paraná – Câmpus Cornélio Procópio

Engenharia de Software

ES63H – Redes de Computadores

Profa. Natássya B. F. da Silva

Detecção de Intrusão

Abel de Oliveira Dutra

Alexandre Kawamura Tanaka

Julio Cesario de Paiva Leão

Samuel Bordini Bolsanello

Cornélio Procópio, PR

01 de Setembro de 2018


RESUMO

Em nosso artigo iremos descrever sobre a Detecção de Intrusão nas redes de computadores. Começando com um contexto histórico do propósito no qual foi preciso o desenvolvimento de sistemas de segurança, seguido da história dos IDSs e uma breve definição. Na segunda parte do texto falaremos sobre os possíveis tipos de intrusos que são detectáveis, além disso o que torna uma ferramenta de detecção de intrusos eficiente e os tipos de IDSs, Baseada em Máquina Cliente, Distribuída Baseada em Máquina Cliente e Baseada em Rede. Para finalizar será discutido os padrões impostos para o funcionamento de um sistema de detecção em diferentes plataformas, e por último o surgimento dos honeypots e como eles funcionam.

Palavras-chave: Detecção de Intrusão. IDS. Baseada em Máquina Cliente. Distribuída Baseada em Máquina Cliente. Baseada em Rede. Honeypots. SNORT.


SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO        3

1.1 História        4

1.2 Definição        5

2 DESENVOLVIMENTO        6

2.1 Intrusos        6

2.2 Detecção de Intrusão        8

2.3 Detecção de Intrusão Baseada em Máquina Cliente        9

2.3.1 Detecção de anomalia        10

2.3.2 Detecção de assinatura        13

2.4 Detecção de Intrusão Distribuída Baseada em Máquina Cliente        15

2.5 Detecção de Intrusão Baseada em Rede        18

2.6 Detecção de Intrusão Adaptativa Distribuída        23

2.7 Formato de troca de detecção de Intrusão        24

2.8 Potes de mel (honeypots)        27

2.9 Sistema de exemplo: Snort        30

3 CONCLUSÃO        32

REFERÊNCIAS        34


1 INTRODUÇÃO

Com a criação da rede de telefonia dada por volta da década de 60, surgiu a preocupação de desenvolver um meio em que unisse, através do compartilhamento de informações, os vários microcomputadores de bom desempenho, que se situavam em várias localizações diferentes, ao invés de em uma determinada área. O tráfego gerado por estes usuários, ocorreria em uma seqüência de atividades, onde ao acionar um comando a um computador distante, este permaneceria por alguns instantes inativo, explorando e aguardando uma resposta. Com essa necessidade surge, o que chamamos hoje, a rede mundial de computadores, ou a Internet.

Com essa descoberta, onde vários computadores de diferentes localizações, pudessem se comunicar entre si, surgiu a preocupação quanto a segurança e de que usuários maliciosos prejudicasse um determinado sistema. Tanto sistemas operacionais, quanto a aplicações possuem falhas em segurança, além de que, desenvolver softwares e demais sistemas onde não tenha nenhuma vulnerabilidade, se torna algo inviável e de alto custo comercial. Sabendo disso, muitas corporações de desenvolvimento, adotam diversas formas de tornar suas aplicações mais seguras, fazendo então o uso de determinadas ferramentas, como:

  • Criptografia de Chaves Públicas
  • Firewalls
  • Redes Privadas Virtuais (VPN)
  • Segurança em Redes Sem Fios
  • Controle de roteamento
  • Sistemas de Detecção de Intrusões - IDS

Sendo esse último o nosso foco em apresentá-la.

1.1 História

        

Nas décadas de 50 e 60, alguns sistemas financeiros fizeram uso da prática da auditoria para inspecionar dados e verificar a existência de fraudes ou erros. Porém, algumas questões foram levantadas em caso de um intruso invadir seus sistemas:

O que deveria ser detectado?

Como analisar o que foi detectado?

E como proteger o sistema de vigilância e seus dados

Essas questões permanecem sendo as maiores prioridades das pesquisas na área de IDS (Intrusion Detection System).

Mais a frente nas décadas de 70 e 80, diversas iniciativas de segurança computacional foram criadas, os dados coletados das auditorias eram revisados manualmente à procura de informações que indicassem violações na segurança. Porém, conforme o volume de dados a serem revisados iam aumentando, tornava inviável sua análise uma vez que o tempo para verificação também aumentava de forma proporcional. Havia também o problema quanto a coleta de informações. Muitas vezes ocorriam pouca coleta de informações importantes e muitas coletas de informações irrelevantes e/ou repetidas, prejudicando ainda mais as análises.

Deste modo, foi proposto um método de redução da quantidade de dados a serem analisados através da comparação de dados estatísticos de comportamento de usuário e de grupo com observações resumidas.

A IDES (Intrusion Detection Expert System) da SRI (Stanford Research Institute), foi um dos maiores projetos de pesquisa nesse ramo. O modelo proposto pela SRI se tornou a base de sistemas de detecção de intrusão e se baseava no pressuposto de que o padrão de comportamento de um intruso é diferente o bastante de um usuário legítimo para ser detectado por análises de estatísticas de uso. Ele tenta criar um modelo de comportamento de usuários em relação a arquivos, programas ou dispositivos, tanto em longo quanto curto prazo para fazer a detecção, além de alimentar um sistema especialista que usa uma base de regras para representar violações conhecidas.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (52.5 Kb)   pdf (453.1 Kb)   docx (718.3 Kb)  
Continuar por mais 31 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com