TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

ORIGENS DA TEORIA ESTRUTURALISTA

Por:   •  10/1/2016  •  Resenha  •  2.251 Palavras (10 Páginas)  •  931 Visualizações

Página 1 de 10

ORIGENS DA TEORIA ESTRUTURALISTA

Oposição surgida entre a Teoria Tradicional e a Teoria das relações Humanas. A teoria estruturalista pretende ser uma síntese da teoria Clássica e da Teoria das Relações Humanas.

A necessidade de visualizar a organização como uma unidade social grande e complexa, ode interagem grupos sócias que compartilham alguns objetivos da organização, mas que podem incompatibilizar com outros.

A influencia do estruturalismo nas ciências sociais e sua repercussão no estudo das organizações.

Novo conceito de estrutura. É a estrutura que permite reconhecer o mesmo rio, embora suas águas jamais sejam as mesmas devido á continua mudança das coisas. O estruturalismo estar voltado para o todo e para o relacionamento das partes na constituição do todo.

SOCIEDADE DE ORGANIZAÇÕES

Da mesma forma como os grupos sociais interagem entre si, também interagem entre si as organizações, e elas passaram por um processo de desenvolvimento ao longo de quatro etapas das quais podemos citar a Etapa da Natureza que é a etapa inicial na qual os elementos da natureza constituíam a base única de subsistência da humanidade. A Etapa do Trabalho no qual os elementos da natureza passam a ser transformados por meio do trabalho passando a condicionar as formas de organização na sociedade. A Etapa do Capital é a fase onde o dinheiro se torna um dos fatores básicos da vida social. E por último a Etapa da Organização caracteriza o período no qual a natureza, o trabalho e o capital se submetem à uma organização.

Ainda dentro da Etapa da Organização, a sociedade passou por varias sub-etapas para poder atingir um alto grau de industrialização, o Universalismo da Idade Média caracterizada pela predominância do espírito religioso, o Liberalismo Econômico caracterizado pelo desenvolvimento do capitalismo e a baixa influência estatal, o Socialismo obrigando que o capitalismo siga pelo caminho do máximo desenvolvimento possível e a Atualidade caracterizada por uma sociedade de organizações. Cada uma dessas quatro fases revela inúmeras características políticas e filosóficas marcantes.

As organizações são manifestações de uma sociedade altamente especializada e interdependente caracterizada por um crescente padrão de vida e a eficiência dentro desse meio é obtida quando recursos são aplicados na alternativa que produz melhor resultado.

Enquanto a Teoria Clássica caracteriza os Homo econômicos e a Teoria das Relações Humanas o “Homem Social”, a Teoria Estruturalista focaliza o “Homem Organizacional”: onde é o homem que desempenha diferentes funções ou papeis em varias organizações.

ANÁLISE DAS ORGANIZAÇÕES

A análise organizacional dos estruturalistas se dá por meio de uma abordagem múltipla que junta os fundamentos da Teoria Clássica, da Teoria das Relações Humanas e da Teoria da Burocracia. Esta abordagem pode ser dividida em 6 itens:

Abordagem múltipla - Organização formal e informal: A Teoria Estruturalista estuda a relação entre as duas organizações (Teorias Clássica e das Relações Humanas), focalizando o problema dessa relação, que é a busca por um equilíbrio entre os elementos racionais e não racionais do comportamento humano. Por fim, produz uma síntese do conteúdo abordado, buscando aprimorar o desenvolvimento de um estudo que não seja nem a favor da administração e nem do empregado.

Abordagem múltipla –Recompensas materiais e sociais: Aqui, os estruturalistas combinam os estudos realizados na Teoria Clássica e das Relações Humanas. Como conclusão, reconhecem que as recompensas salariais e socias, não importa de que tipo sejam, são importantes para a empresa, pois motivam o funcionário a continuar realizando seu serviço, tornando-o ainda mais eficaz.

Abordagem múltipla – Os diferentes enfoques da organização: Os estruturalistas dividem as organizações em duas diferentes concepções: No modelo racional de organização, a organização é tida como um meio racional de alcançar metas, onde os objetivos são explicitados, por isso há ênfase no planejamento e controle da organização. A lógica de sistema fechado é usada neste modelo.

Já no modelo natural de organização, a organização é tida como um conjunto de partes que constituem o todo, e cada parte contribui para que o objetivo seja alcançado. O objetivo, neste caso, é a sobrevivência do sistema. A lógica de sistema aberto é utilizada neste modelo.

Abordagem múltipla – Os níveis da organização: As organizações caracteriza-se por níveis hierárquicos, diferenciando cargos de alta e baixa relevância. Dessa forma, podemos dividir as organizações em três níveis:

O primeiro, chamado de Nível Institucional, é o nível organizacional mais elevado. É composto dos dirigentes e altos funcionários. Este nível é responsável pela definição dos objetivos e estratégias da empresa, além de também estar responsável pelos assuntos relacionados à totalidade da organização.

O segundo nível é denominado Nível Gerencial. É o nível intermediário, onde as decisões provenientes do Nível Institucional são analisadas e transformadas em planos, para depois serem executadas pelo Nível Técnico. Além disso, este nível trata da análise e detalhamento dos problemas, da captação e distribuição de produtos e serviços na organização.

Por fim, o terceiro nível, denominado Nível Técnico, cuida da execução das tarefas, dos programas e das técnicas. É o nível mais baixo da organização e, por sua vez, está diretamente relacionado às rotinas e ordens do Nível Gerencial.

Abordagem múltipla – A diversidade de organizações: Esta abordagem abrange um campo de análise maior, indo além das fábricas, que foram focalizadas pela Escola das Relações Humanas e pela Administração Científica. Aqui, organizações de todos os tipos são analisadas: Organizações pequenas, médias e grandes, públicas e privadas, organizações filantrópicas, militares, comercias, entre outras.

Abordagem múltipla – Análise interorganizacional: Esta área aborda, principalmente, a crescente complexidade ambiental e a interdependência das organizações. O relacionamento entre a organização e o seu ambiente revela a dependência da organização em relação aos eventos externos. A organização funciona baseando-se nas transações com outras organizações, o que provoca a interdependência entre elas.

OBJETIVOS ORGANIZACIONAIS

As organizações podem ter, simultaneamente e legitimamente,

...

Baixar como (para membros premium)  txt (15.5 Kb)   pdf (98.7 Kb)   docx (15.5 Kb)  
Continuar por mais 9 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com