TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Aborto: Manutenção da Vida ou Liberdade de Escolha?

Por:   •  31/10/2017  •  Artigo  •  5.447 Palavras (22 Páginas)  •  150 Visualizações

Página 1 de 22

Aborto: Manutenção da vida ou Liberdade de escolha?

Ewla Paula de Sousa Santos

Karen Luana Tonkelski

Luana Kappaun*

Resumo

Não é de hoje que o tema tratado neste artigo é considerado polêmico e difícil de ser discutido, devido a isso fizemos alguns apontamentos e abordagens calcados em dois paradigmas, o paradigma do sujeito e o paradigma da vida, essa mesma abordagem leva em conta a criminalização e estigmatização das mulheres, feitas não só pelas leis, mas pela própria sociedade, em conjunto com as instituições religiosas que debatem com grupos de apoio a legalização do aborto, como o grupo feminista.

Para além disso, trazemos dados estatísticos da situação atual no Brasil, e os métodos contraceptivos masculinos que não são tão cobrados quantos os métodos de contracepção femininos, no viés político, a postura do estado perante o aborto, que deveria ser tratado com urgência por representar um problema grave de saúde pública, mas que se vê barrado quando tratamos da laicidade, questionável na tomada de decisões e criação de projetos que visem garantir a liberdade pessoal das mulheres.

Palavras-chave: Aborto, estigmatização, laicidade, paradigmas, saúde pública.

___________________________________________________________________

*Graduandas do curso de Direito da UFPR.

Introdução

Falar sobre o aborto é uma tarefa difícil, pois tende a mexer em estruturas fortes da sociedade, saberes e ideologias de vida sustentadas através de séculos e que são tidas atualmente como naturais. Em suma, devemos buscar entender esse tema sob diferentes óticas - éticas ou filosóficas, religiosas, científicas e jurídicas - para não cairmos na linguagem de senso comum, reproduzindo discursos cheios de vícios.

O debate deve abranger as diferentes visões e considerar todos os argumentos, sejam eles contrários ou favoráveis. Até mesmo, para chegarmos a uma maior certeza do que aqui será defendido, propiciando uma suposta mudança de posição a partir da leitura deste material.

A discussão se torna ainda mais difícil quando se trata do território brasileiro, no qual há pregação de um estado laico, mas que nos discursos a respeito do tema utiliza fundamentos de fundo religioso trajados de ética. Se utilizando até mesmo de previsões legais para fortalecer os dogmas religiosos. No Brasil se pune o aborto, inclusive com reclusão e a pena para os profissionais que o realizam são também bastante severas.

Para melhor compreensão e reflexão do tema, faremos uso de dois paradigmas filosóficos, que acredito serem úteis para o debate, que são os: paradigma do sujeito e paradigma da vida.

A partir da década de 70, alguns autores admitem que a linguagem não é suficiente, já que a vida vem antes da linguagem, sem ela se tornam impossíveis às demais aspirações e realizações humanas, para as quais até mesmo a liberdade, não negando sua importância, encontra limites para que seja possível o convívio social. Sem vida não existe liberdade. É justamente sob esse enfoque filosófico, conferindo-lhes maior ou menor prioridade que se determina a posição contrária ou favorável ao Aborto.

O primeiro sistema adotado para análise traz o enfoque para a vida e a liberdade da mulher, a possibilidade de escolha sobre seu próprio corpo. Se analisarmos à partir dessa ótica, o embrião seria mero prolongamento do corpo da mãe, portanto não possui liberdade, e nem o status de pessoa, ficando à disposição da mulher a escolha de manter ou não uma gravidez.

O segundo, mais abrangente e divisor de opiniões, analisa também a vida do feto. Não considera apenas o fato de o desenvolvimento se dar no útero da mãe, mas também a forma que se verifica. Defende que a partir do momento da concepção, o feto já se torna dotado de vida, com uma genética própria, dando origem a um novo ser humano. Com fundamentos biológicos, confere autonomia ao feto, por se tratar de uma pessoa e não de uma coisa.

Podemos observar de forma clara que há um conflito paradigmático, sob as formas de entendimento das prioridades a serem levadas em consideração. O que é mais importante? Salvaguardar direitos constituídos da vida do feto? Ou priorizar a vida e liberdade de escolha da mãe?

Ao longo do presente artigo iremos entender como se dá esse debate no território brasileiro, os argumentos utilizados

...

Baixar como (para membros premium)  txt (35.6 Kb)   pdf (189.6 Kb)   docx (29.5 Kb)  
Continuar por mais 21 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com