TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

O Valor do Dinheiro no Tempo

Seminário: O Valor do Dinheiro no Tempo. Pesquise 792.000+ trabalhos acadêmicos

Por:   •  10/9/2013  •  Seminário  •  3.347 Palavras (14 Páginas)  •  843 Visualizações

Página 1 de 14

O Valor do Dinheiro no Tempo

O tempo é sem sombra de dúvidas um fator diretamente proporcional ao valor do dinheiro. Assim, podemos afirmar plenamente que quanto maior o período, maiores serão as influencias dos agentes externos, ou ainda, as influencias do macro-ambiente em relação ao poder de compra da moeda específica.

As decisões financeiras envolvem custos e benefícios que estão espalhados sobre o tempo. Tomadores de decisão financeira, na família e nas empresas, têm todos que avaliarem se investir o dinheiro hoje é justificado pelos benefícios esperados no futuro.

O valor do dinheiro no tempo (VDT) se refere ao fato que dinheiro (um dólar, um euro, um yen, ou um real) na mão hoje vale mais do que a esperança dessa mesma quantia ser recebida no futuro. Existem no mínimo três razões do por que isto é verdadeiro. Primeiro dinheiro na mão hoje pode ser investido, rendendo juros, de modo que você terminará com mais dinheiro no futuro. Em segundo lugar, o poder de compra do dinheiro pode mudar no tempo devido a inflação. Finalmente, a receita de dinheiro esperada no futuro é, em geral, incerta.

O valor do dinheiro no tempo engloba as finanças da empresa, como também as analises de investimentos, de carteira e finanças públicas e pessoais. Todas as transações e oportunidades financeiras. È todo o processo de se calcular o valor do ativo passado, para o presente ou futuro. È basicamente uma ponte entre o consumo e o investimento. Esse valor do dinheiro no tempo poderá ser um risco, que poderá perder um investimento ou parte, que será o retorno. Quanto maior melhor para o valor futuro. Cada administrador tem que ter conhecimento das suas entradas e saídas, seus valores presentes e futuros, seu fluxo de caixa. Para todas estas, é preciso conhecer a linha do tempo, onde é uma reta horizontal sobre qual se inicia do zero, colocando valor presente da esquerda para direita, onde a cada ano é acrescentado o valor futuro, analisando o total dos fluxos associados com o investimento.

O valor do ativo é o que representa em valor, onde o valor do dinheiro no tempo se encontra três ativos composto: valor presente, valor futuro e pagamentos (anuidades ou prestações).

Valor presente é o quanto você tem agora. Chamado valor presente ou atual, representado por VP, que será disponível em um determinado período, onde será acrescentada a taxa de juros e se transformara o seu valor futuro. O valor futuro é o quanto cresce o determinado valor que você tem agora, quando composto a uma data taxa, quanto terá em dinheiro futuro. Serão acrescentados todos os juros durante o período de tempo que foi aplicado. É representado VF que o valor final do período de uma determinada quantia, onde os juros já foram acrescentados e obteve seu valor final do investimento. Pagamentos são as prestações do principal ou do principal mais juro. É todo o valor original representado pelo principal, passando o tempo terá o principal mais os juros. O principal é a quantia de dinheiro emprestada ou investida hoje. Esses juros ganhos se tornam parte do principal, ou seja, o montante de dinheiro sobre o qual os juros são pagos.

Porem juros é a quantia ganha por ou quantia paga pelo o uso do dinheiro, sendo ganha ou pagando. Os juros podem ser calculados em diferentes períodos do tempo, depende de cada fato: juros por ano é uma porcentagem do principal, expressa por forma porcentual. Período é o tanto de tempo em que o juro é pago ou ganho. Períodos por ano é a freqüência em que o juro é calculado, sendo anualmente, semestralmente que é a capitalização de juros em dois períodos durante um ano, trimestralmente em que e dividido em quatro períodos durante o ano, mensalmente ou diariamente. Número de anos é o tanto de tempo em anos. E por fim o total de períodos que é a soma de todos os períodos.

O juro composto é pouco ou nada atrativo. Pois além de aumentar os o custo do recurso captado, o não pagamento de suas parcelas (amortização) faz com que a dívida cresça podendo chegar a valores infinitamente maiores que a quantia captada. Esta situação é ruim para o devedor, e por conseqüência para o credor, que deixa de receber a remuneração pelo uso de seu capital.

Apesar de em um primeiro momento o juro composto não apresentar grande vantagem em relação ao juro simples, ao longo do tempo essa primeira impressão se modifica.

Mesmo adicionando um custo maior na captação de recursos, é elevando de forma acentuada o valor de dívidas não amortizadas, o regime de juro composto traz uma grande compensação ao garantir segurança às operações financeiras e maiores rendimentos aos investidores.

Por garantir clareza e segurança às operações financeiras, o regime de juro composto está cada vez mais presente no dia-a-dia dos empresários.

Assim, a fim de evitar os efeitos negativos e utilizar a melhor forma os benefícios trazidos pelo regime composto, o ideal é sempre buscar investir e poupar capital.

Mas quando há a escassez de capital e empréstimos são necessários, a melhor saída é realizar seus pagamentos em dia e fugir da inadimplência.

Risco e Retorno

Uma das coisas mais importantes que um investidor deve saber é que não existe retorno sem risco, ou seja, quanto maior (menor) o risco de um determinado investimento, maior (menor) o retorno esperado.

Risco é a probabilidade de o retorno efetivamente ocorrido em um investimento ser diferente do retorno previamente esperado por este investimento.

A relação risco versus retorno pode ser considerada “o teste da noite bem dormida”. Dizemos isso porque a mais importante decisão de investimentos que você faz é escolher o nível de risco que você está disposto a correr estando confortável com as flutuações de curto prazo deste investimento.

O risco está associado ao grau de incerteza sobre o investimento no futuro. Quanto maior o grau de incerteza, maior o risco e maior o retorno esperado e vice-versa. Todo investidor deve escolher suas aplicações entre o menor risco possível e o maior retorno possível.

É importante que você saiba que nível de risco é o mais adequado a você. Uma regra geral é: caso você esteja tendo ataques de ansiedade toda vez que seus investimentos se movem para cima ou para baixo, então provavelmente você deve considerar reduzir o risco a que está exposto.

É possível diminuir o risco de seus investimentos através da diversificação. Diversificar significa combinar em uma mesma carteira de investimentos ativos com características diferentes, pois ativos com características

...

Baixar como (para membros premium)  txt (20.8 Kb)  
Continuar por mais 13 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com