TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Antigo Testamento

Por:   •  4/11/2013  •  5.268 Palavras (22 Páginas)  •  285 Visualizações

Página 1 de 22

A terra da promessa

Os judeus não tinham um nome especial para seu país.Chamavam-no Eretz que significa ( a Terra ), Eretz Israel, Israel, Israel, Cana’an. O nome Palestina só se consolidou com os romanos. È uma corruptela de Filístia e originariamente significava apenas o literal sul daquilo que hoje chamamos de Palestina.

Não é possível para a mentalidade gentílica apreciar plenamente o sentido do judeu para com a sua terra santa. Para ele, significava o cenário divino para a execução da salvação. A terra do judaísmo era, na verdade, uma parte da religião do judaísmo: a terra por excelência, a dádiva especial de Deus a seu Israel eleito

O laço judeu com a terra de Israel data de mais de 3.7oo anos. De acordo com os textos das Escrituras hebraicas, Deus prometeu que os descendentes de Abraão herdariam a terra. A Bíblia conta que os hebreus foram escravizados no Egito, até que Deus os libertou. Após sua libertação do Egito, os hebreus foram libertados por Moisés, o maior profeta da historia Judaica, e levados á terra de Israel. No entanto, foi Josué quem conquistou a terra, iniciando a ocupação hebréia na região.

Os hebreus formaram a sua primeira monarquia constitucional por volta do ano 1000 a. C. O segundo rei judeus, Davi, estabeleceu Jerusalém como a capital do país, e seu filho Salomão liderou do templo de Jerusalém .

Nos anos da ocupação helênica, Israel estava restrito ao distrito de Iahud ( Judá), delimitado desde a época do Império persa. A capital de Iahud era Jerusalém, mas também pertenciam ao distrito Iahud era uma pálida lembrança da Eretz Israel dos tempos de Davi e Salomão.

Durante a guerra dos macabeus, Israel foi reconquistado seu território histórico. Sob o governo de Alexandre Janeus ( 102-72 a. C.) voltou a ocupar o máximo de sua extensão territorial. Essa Palestina histórica media, aproximadamente, 20 mil quilômetros quadrados de área. Ao norte, encontram-se os picos elevados do Líbano e do Antilíbano. A leste e ao sul, durante séculos, estiveram as habitações nômades dos beduínos ( árabes) e o reino dos nabateus. Esses vizinhos eram sinônimos de rixas permanentes. É importante notar que o conceito de limites não era preciso. Não havia uma fronteira legalmente estabelecida delimitando a Palestina ou separando seus vários distritos. Não podemos, por exemplo, falar com precisão de uma linha demarcatória entre a Judéia e a Samaria.

Os diferentes distritos eram separados por uma orla indefinida, com um ou vários quilômetros de larguras, reconhecida como terra de ninguém. A “região de Tiro e de sidom” ( Mt 15. 21) era a orla de terra entre a Galiléia e a Fenícia, ocupada tanto pelos judeus como pelos gentios. A “região de Cesaréia de Filipe” ( Mt 16.13) englobava as faixas dos domínios de Filipe.

A Judéia, tendo Jeruzalem como centro, era o verdadeiro coração daquela terra. Contudo, havia em torno da Palestina uma larga faixa territorial que o judaísmo considerava potencial e legitimamente a terra de Israel. Embora realmente não fosse assim.

A Palestina está localizada no grande distrito desértico da Ásia sudeste, e, por isso, seu clima deveria ser bem seco. Entretanto, sua vizinhança com o mar Mediterrâneo vem mitigar em grande parte da situação. Ali, o ano pode ser dividido em duas estações: a úmida e a seca. A estação úmida começa em outubro, e a seca, em abril. Daí segue que a maior parte da semeadura acontece nos meses de inverno, a fim de aproveitarem-se as chuvas, que em média são de apenas 50 a 60 centímetros por ano. Quanto á temperatura, o clima é temperado. A neve é rara, mesmo na Galileia, exceto nos pontos mais altos. A temperatura média é de 30ºC, subindo raramente acima de 42º C no verão, ou caindo abaixo dos 18º C no inverno.

A topografia da região define-se por quatro caracteres físicos distintos: a costa mediterrânea, as montanhas do Líbano, com sua extensão para o sul, o vale do Jordão e as montanhas do Antilíbano, também se estendendo para o sul. A costa da Palestina é regular. Em todo o cumprimento, a única baía de tamanho apreciável, é a do Aco (Acre). Ao sul do monte Carmelo, o contorno da costa é praticamente reto, não oferecendo um porto natural. Mas ao norte do Carmelo há numerosas projeções pequenas de terra, que foram amplamente utilizadas pelos fenícios. As montanhas do Líbano e Antilíbanos são divisões de uma longa cordilheira, que se ramifica desde as montanhas do Cáucaso.A cadeia do Líbano desce até a península sinaítica, com duas interrupções : uma na planície de Esdraelom; a outra no deserto de Parã. Do Hermom, os montes antilibaneses mergulham subitamente para a planice de basã, erguendo-se em seguida para o planalto de Gileade e Moabe, ponto em que a cadeia entra gradativamente em declive,

...

Baixar como (para membros premium)  txt (31.2 Kb)  
Continuar por mais 21 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com