TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Os Clássicos da Política – “Hobbes: o medo e a esperança”

Por:   •  6/3/2019  •  Resenha  •  727 Palavras (3 Páginas)  •  22 Visualizações

Página 1 de 3

Os Clássicos da Política – “Hobbes: o medo e a esperança”

O presente texto é uma resenha do primeiro volume do livro “Os Clássicos da Política” (2006), organizado por Francisco C. Weffort, cientista político brasileiro, na qual chamou vários professores para contribuir com o mesmo.

A obra resenhada se divide em sete partes, que irá explicar e apresentar a teoria de vários autores sobre a política, o Estado moderno, a nação, o estado de natureza, entre outros. A parte três desta obra: “Hobbes: o medo e a esperança”, principal tema desta resenha, foi escrita no decorrer de vinte e cinco páginas por Renato Janine Ribeiro. O autor que Ribeiro irá demonstrar é Thomas Hobbes (1588-1679), um filósofo e teórico político.

O tema inicia com o pensamento de Thomas Hobbes, um contratualista que afirma que o ínicio do Estado e da sociedade se deu a partir de um contrato de subordinação política, e que antes, as pessoas viviam em seu estado de natureza, sem nenhum poder acima deles. Contudo, muitas pessoas com um pensamento errôneo acham que o homem natural que Hobbes diz, é uma pessoa selvagem, mas este é o mesmo que vive em sociedade.

O homem natural é levado por suas próprias razões e paixões, ou seja, ele faz aquilo que lhe convém de melhor no momento, podendo causar uma “guerra” entre as pessoas, ou por competição, desconfiança ou até mesmo por reputação e glória. Se não existisse o Estado para reprimir e controlar os tais que isso fazem de modo explícito, o respeito entre os indivíduos não seria mantido. Por isso, existe a “lei de natureza”, que proíbe o homem de destruir a sua vida, e ordena todos a buscarem a paz entre si, para que não haja guerra.

Hobbes também fala sobre a igualdade e a liberdade, sendo a primeira, motivo de guerra por conta de competições, pois os homens podem desejar a mesma coisa, e a segunda, a ausência de oposições e a capacidade que um sujeito tem de fazer o que bem quiser. Portanto, os dois podem gerar muitos conflitos, sendo utilizado a partir daí as leis que o Estado constitui, para obrigarem os indivíduos a se respeitarem mutuamente.

O medo no Estado em que Hobbes cita, não está necessariamente no Estado, e sim no estado de natureza do homem, já que em qualquer momento alguém, por não saber como o outro irá agir a determinada ocasião, pode matá-lo por

“antecipação”. O temor que há no Estado faz com que as pessoas sejam controladas, para que haja maior paz e colaboração entre quem vive próximo, transformando em um lugar mais organizado.

Por estas coisas, Hobbes é considerado como um dos “pensadores malditos” no século XVII. Não apenas por considerar o Estado como algo “monstruoso”, mas também por dizer que o próprio homem é quem faz e cria o seu destino, e que ele pode ser capaz de

...

Baixar como (para membros premium)  txt (4.2 Kb)   pdf (35.9 Kb)   docx (8.5 Kb)  
Continuar por mais 2 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com