TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

ATPS DE FILOSOFIA APLICADA AO SERVIÇO SOCIAL

Por:   •  23/10/2013  •  3.166 Palavras (13 Páginas)  •  688 Visualizações

Página 1 de 13

ATPS de Filosofia Aplicada ao Serviço Social

1º RELATÓRIO PARCIAL – ETAPA I

De acordo com a reflexão do grupo cada ser humano tem uma finalidade de vida, para alguns a finalidade é ter um bom casamento, uma boa religião, para outros é ter um bom emprego ou uma boa casa, cada pessoa tem uma finalidade de pensamento. Falar de ser humano é falar de humanidade, é ter um bom conhecimento, buscar a realizações, o homem não pode realizar-se como homem se não pelo conhecimento de si próprio.

Vivemos em um mundo em que cada ser tem uma maneira diferente de ver o mundo se tentássemos compreender as diferenças talvez conseguissem entender e aprenderíamos a lidar com as diferenças das pessoas, com isso não teríamos, mas problemas.

Existem várias formas de problemas que o ser humano poderia pensar para soluciona-los de maneira adequada, pois para viver em sociedade as pessoas necessitam uma das outras para que a espécie continue a viver, todos os seres precisam buscar seus objetivos e realizar seus sonhos, mas vivemos em uma sociedade que infelizmente ainda é cheia de preconceitos, dentro destes podemos citar o racismo. O racismo é a tendência do pensamento, ou do modo de pensar, em que se dá grande importância a noção da existência de raças humanas, distintas e superiores uma das outras.

Cada indivíduo tem suas relações e características físicas hereditárias, muitas pessoas têm um pré-conceito em se relacionarem devido a cor da pele do indivíduo e com isso elas não se dão a chance de conhecerem a personalidade do próximo. Com essa idealização de vida, as pessoas se afastam e por muitas vezes deixam de conviver com indivíduos de bom caráter e de boa índole.

O pré-conceito racial traz para a vida de todos uma desestrutura social, onde por muitas vezes pessoas perdem grandes chances de serem felizes, por se importarem com coisas banais como, a cor da pele de uma pessoa. Por tanto iremos mostrar para a sociedade que por “debaixo” da pele e da cor que os indivíduos “carregam”, existem um ser, existem almas boas, que são capazes de fazerem o seu próximo feliz.

O profissional passa a defender um posicionamento político comprometido com a classe popular, com função libertadora (do homem oprimido) e transformadora da sociedade tendo, para tanto por objetivos a conscientização, a politização, a organização, a gestão e a mobilização popular.

2º RELATÓRIO PARCIAL – ETAPA I

Nos dias atuais as referências dialéticas estão mais presentes nas práticas humanas e nas práticas sociais, pois nela diz referência que a metafisica e a referência cientifica “andam” lado a lado, que para uma existir, dependerá da existência da outra.

O ser humano nasce com suas próprias características, porém ela se desenvolverá dentro de sua realidade de vida, dentro da cultura do ambiente em que vive, o homem aprende a sua própria cultura, dentro daquilo que ele vivencia, mas cada ser já tem um pré-requisito do que ele vê como cultura que

vem passando de pai para filho, ou seja, um se humano “cria” a sua cultura, dentro do lugar que vive, unindo-se a sua própria índole.

O sujeito obtém o conhecimento através do processo social e cultural, o homem tem o conhecimento natural através da sua pré-existência, mas só se desenvolve através do crescimento, do conhecimento e do estudo, mas de nada adianta o individuo ter um grande estudo e um grande conhecimento se o seu “eu” não tem uma grande qualidade de desenvolvimento, assim como de nada adianta o homem ter uma mente “brilhante” e não ter o crescimento e o estudo para se evoluir.

3º RELATÓRIO PARCIAL – ETAPA II

A letra dessa música faz uma crítica a quem vê o ser humano somente como um ser carente apenas de recursos materiais para sua realização. Ela deixa claro que muito mais do que comida, de ajuda humanitária, o povo brasileiro precisa de profundos investimentos em educação, trabalho, lazer e tudo aquilo que o possa completar satisfatoriamente em todas as suas necessidades, já que não somos como os animais irracionais, que basicamente se contentam em ter apenas seu "pão nosso de cada dia".

A música chama atenção também para a questão da mendicância, onde o ato de dar esmolas no fundo é um ato paliativo, pois não resolve a questão da pobreza e das desigualdades sociais, além de deixar o pedinte na qualidade de um eterno dependente da caridade alheia, haja vista que "mais importante de que dar o peixe é ensinar a pescar", sem ignorarmos também outras necessidades que todos nós como seres humanos e dotados de sensibilidade temos, como amor, respeito,

...

Baixar como (para membros premium)  txt (20.3 Kb)  
Continuar por mais 12 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com