TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Biografia De Eva Perón

Dissertações: Biografia De Eva Perón. Pesquise 787.000+ trabalhos acadêmicos

Por:   •  29/11/2012  •  1.262 Palavras (6 Páginas)  •  669 Visualizações

Página 1 de 6

BIOGRAFIA DE EVA PERÓN

BIOGRAFIA DE EVA PERÓN

Trabalho apresentado como requisito parcial de critério avaliativo da disciplina de Espanhol.

SUMÁRIO

INTRODUÇÃO 4

BIOGRAFIA 5

CONCLUSÃO 7

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 8

INTRODUÇÃO

Maria Eva Duarte, mais tarde chamada de Eva Perón foi uma figura que rompeu todos os precedentes históricos e definiu uma modalidade política nunca vista até então. Durante o breve período de sua atuação, ao lado de Perón ficou conhecida como Evita, foi o centro de um crescente poder e se tornou a alma do movimento peronista, em sua essência e em sua voz.

BIOGRAFIA

Eva Perón nasceu em 7 de maio de 1919, em Los Toldos, província de Buenos Aires, resultado do envolvimento entre Juana Ibarguren e Juan Duarte, um fazendeiro casado que literalmente desposou sua mãe por meio de uma troca comercial. Durante a infância, Eva teve que enfrentar o preconceito sofrido pelo fato de ser filha de um casamento ilegítimo. Quando tinha onze anos de idade mudou-se para Junín, um vilarejo próximo à província de Buenos Aires, onde viveu parte de sua adolescência.

Quando tinha apenas 15 anos de idade, resolveu se aventurar na capital argentina à procura de alguma oportunidade no cenário artístico de uma empobrecida Buenos Aires. Enquanto sua família insistia para que voltasse ao seu lar em Junín, a jovem obstinada tinha inexplicável certeza que deveria lutar pelo seu sonho. Em 1939, conseguiu firmar-se como estrela de radionovela encarnando as mesmas heroínas melodramáticas que inspiraram seus primeiros sonhos com o estrelato.

Em 1943, um golpe de Estado promoveu a instalação de uma ditadura militar de extrema-direita que provocou uma nova etapa na vida política da Argentina. Nesse período teve um relacionamento amoroso com Aníbal Imbert, um militar que encabeçou o golpe político que controlava todo o país. No ano seguinte, um terrível terremoto arruinou a cidade de San Juan, que teve de contar com a ajuda das autoridades para que pudesse se recuperar do desastre.

Para ajudar na tragédia de San Juan, um grupo de artistas foi enviado para a região com a meta de organizar um evento beneficente para arrecadar fundos para as vítimas do desastre. Na ocasião, conheceu Juan Domingo Perón, secretário do Ministério do Trabalho incumbido de auxiliar as vítimas do terremoto. Em um evento noturno, Juan e Evita passaram uma longa noite conversando e trocando galanteios. A jovem vedete do rádio atraiu o ambicioso secretário que almejava planos mais ambiciosos.

Ocupando o ministério do Trabalho, Juan Perón projetava de forma meteórica sua carreira política e, ao mesmo tempo, desfilava com orgulho ao lado de sua vedete radiofônica. Sua aproximação das classes trabalhadoras tornou o estadista tão famoso como sua mulher. Uma prova desse prestígio alcançado aconteceu em 1945, quando os trabalhadores foram às ruas exigindo a libertação de Juan Perón, que havia sido preso por opositores do Exército.

A libertação por pressão popular foi o evento que culminou na breve e futura ascensão de Juan Perón à presidência da Argentina. Para que pudesse viver as mesmas glórias que as massas dirigiam a seu amante, Eva decidiu falsificar seus documentos para que pudesse casar com o futuro presidente da Argentina. Dessa maneira, Evita tinha em Juan Perón um baluarte que resolveu tirar a filha de um enlace ilegítimo da pobreza que marcou toda sua infância.

Com isso, o discurso populista do peronismo tinha uma articulada representante capaz de reforçar o tom paternalista com o qual o novo presidente marcou a vida política da Argentina. Para representar essa nova etapa em sua vida, Eva pintou os cabelos de loiro em um gesto que representava a transformação de uma jovem sonhadora, em uma defensora apaixonada do discurso anti-oligárquico encabeçado pelo homem que lançou sua vida para a história dos argentinos.

Em 1947, passou uma temporada na Europa que transformou seus gestos e vestimentas dignas de uma primeira-dama. Nesse período, tinha grande preocupação em praticar a caridade e retribuir o carinho do povo que simplesmente venerava os favores e a beleza de uma mulher do poder. A amada “mãe dos pobres” organizou um escritório na residência presidencial onde recebia milhares de doações para serem distribuídas aos mais necessitados.

O sucesso da empreitada possibilitou a criação da Fundação Eva Perón, instituto a partir do qual realizava inúmeras doações e atendia pessoalmente uma fila extensa de necessitados que lhe dirigia os mais diversos pedidos de ajuda. A rotina da heroína dos necessitados durava 18 horas ininterruptas, trabalhando com ações de caridade que começavam às 7 horas da manhã e só terminava nas primeiras horas da madrugada. Em pouco tempo,

...

Baixar como (para membros premium)  txt (8.2 Kb)  
Continuar por mais 5 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com