TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Direito Processual Civil III

Artigos Científicos: Direito Processual Civil III. Pesquise 788.000+ trabalhos acadêmicos

Por:   •  22/2/2014  •  1.890 Palavras (8 Páginas)  •  430 Visualizações

Página 1 de 8

Direito Processual Civil III

Data: 21/02/13

Processo – atos processuais:

• Partes (P. Inicial, contestação e recurso).

• Juiz (Sentença, Decisão interlocutória, despacho e acórdão).

• Auxiliares (art. 139 CPC).

• MP (Fiscal da lei – parecer- ou parte)

• Terceiros – a partir do art 50 do CPC (Chamamento ao processo, oposição, denunciação da lide, nomeação à autoria e assistência).

Atos do Juiz – Atos Judiciais

Sentença é o ato do juiz que implica alguma das situações previstas nos arts. 267 e 269, do Código de Processo Civil, ou seja, é a decisão do juiz que extingue o processo sem exame do mérito, ou que resolve o mérito, ainda que não extinga o processo.

Acórdão é a decisão do órgão colegiado de um tribunal (câmara, turma, seção, órgão especial, plenário etc.), que se diferencia da sentença, da decisão interlocutória e do despacho, que emanam de um órgão monocrático, seja este um juiz de primeiro grau, seja um desembargador ou ministro de tribunais — estes, normalmente, na qualidade de relator, de presidente ou vice-presidente, quanto os atos de sua competência.

Decisão Interlocutória, no ordenamento jurídico brasileiro, é um dos atos processuais praticados pelo juiz no processo, que, conforme art. 162, § 2º, do Código de Processo Civil, decide uma questão incidente, sem dar uma solução final à lide proposta em juízo (característica esta da sentença). A questão incidente é uma pendência que deve ser examinada como pressuposto para o que o pedido (questão principal) seja concedido.

Sentença, acórdão e decisão interlocutória são atos considerados decisões judiciais.

Despacho, no sistema jurídico brasileiro, é o ato processual do juiz que dá andamento ao processo, sem decidir incidente algum. Difere o despacho dos outros atos praticados pelo juiz - decisão interlocutória e sentença - pelo seu caráter meramente instrumental, visando o contínuo caminhar do processo em busca de uma solução definitiva. Logo, do despacho não cabe recurso, diferentemente da decisão interlocutória e da sentença. É uma decisão meramente administrativa do juiz.

As decisões judiciais podem acarretar em algum erro:

1)Erro de Processo

2)Erro de Julgamento

3)Fato Novo

O sistema brasileiro criou instrumentos de impugnação para atacar o órgão judicial diante de algum erro ou fato novo na decisão judicial:

1) Recursos

• Natureza: Recurso não é uma nova ação, é apenas uma extensão do processo existente, ou seja, dando continuidade a uma ação que já existe.

• Momento de utilização do recurso: Usa-se o recurso apenas antes da decisão transitar em julgado. O transito em julgado acarretará em coisa julgada formal (não tem previsão na lei, não tem força de lei, produz efeitos apenas dentro do processo, tem por finalidade impedir a utilização de recursos – Sentença definitiva ou terminativa) ou material (prevista no art 467, tem força de lei, produz efeitos fora do processo, tem por finalidade impedir reproposição da ação).

• Regra da Taxatividade: Para ser um recurso o instrumento deve estar previsto em lei como tal. Esta prevista no art 496 do CPC.

Art. 496. São cabíveis os seguintes recursos:

I - apelação;

II - agravo

III - embargos infringentes;

IV - embargos de declaração;

V - recurso ordinário;

Vl - recurso especial;

Vll - recurso extraordinário;

VIII - embargos de divergência em recurso especial e em recurso extraordinário

2) Ações autônomas de impugnação:

• Natureza: Tem a natureza de uma ação. Tem a finalidade de impugnar decisões judiciais.

• Momento: Será utilizada depois do transito em julgado.

• Não existe taxatividade das ações.

• Ex: Ação rescisória, ação anulatória, mandato de segurança contra ato judicial (ler a lei 12016/09, art 5º, II e a súmula 267, STF).

3) Sucedâneos recursais: Criado pelos processualistas para abranger os institutos que não se enquadram na família dos recursos e na família das ações autônomas de impugnação.

• Natureza: Não é um recurso, mas faz às vezes de um recurso.

• Ex: Pedido de reconsideração remessa necessária (art 475 CPC), reclamação ao STF ou ao STJ, correição parcial.

Data: 25/02/2013

PRINCÍPIOS RECURSAIS

PRINCÍPIO DA TAXATIVIDADE

- Previsão – Art. 496 CPC. Para ser considerado recurso, o instituto jurídico deve estar previsto expressamente na lei. Existem 8 tipos de recurso.

- Cabimento: Para um recurso ter cabimento, deve estar previsto no art acima citado.

- CPC

Obs: outras normas jurídicas - Cada norma jurídica vai taxar seus recursos.

Obs: variação de modalidades – Outros tipos de agravo (inciso II) Ex: Agravo de instrumento, retido, interno, regimental... O que vai mudar é o procedimento.

PRINCÍPIO DA SINGULARIDADE (Principio da unirecorribilidade)

- Cabimento: Para ser cabível, o recurso deve respeitar o princípio da singularidade. Por este princípio, entende-se que, a parte só pode utilizar um único recurso para uma mesma decisão. Um recurso para uma decisão. Uma parte não pode entrar com dois

...

Baixar como (para membros premium)  txt (12.7 Kb)  
Continuar por mais 7 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com