TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Evolução histórica do trabalho; Ergonomia e antropometria

Tese: Evolução histórica do trabalho; Ergonomia e antropometria. Pesquise 788.000+ trabalhos acadêmicos

Por:   •  27/11/2013  •  Tese  •  3.180 Palavras (13 Páginas)  •  195 Visualizações

Página 1 de 13

INTRODUÇÃO

Essa atividade é importante para que possamos conhecer os acontecimentos históricos que deram origem aos estudos da Ergonomia e Antropometria.

A partir deste mesmo, será abordada uma pesquisa com fins de relatar o grau de conhecimento das pessoas a respeito da Ergonomia. Assim, será analisado se os conhecimentos apresentados são coerentes com os reais conceitos desta mesma.

.

ETAPA 1

Aula-tema: Evolução histórica do trabalho; Ergonomia e Antropometria.

PASSOS

Passo 1

Ler atentamente sobre a evolução histórica do trabalho.

Passo 2

Responder às questões a seguir.

Quais são os principais objetivos da Ergonomia?

Uma ampla definição é dada por Vidal et al. (1993), segundo a qual a "ergonomia tem como objeto teórico a atividade de trabalho, como disciplinas fundamentais a fisiologia do trabalho, a antropologia cognitiva e a psicologia dinâmica, como fundamento metodológico a análise do trabalho, como programa tecnológico a concepção dos componentes materiais, lógicos e organizacionais de situações de trabalho adequadas às pessoas e aos coletivos de trabalho. Tem ainda como meta de base a discussão e interpretação sobre as interações entre ergonomistas e os demais atores sociais envolvidos na produção e no processo de concepção, buscando entender o lugar do ergonomista nestas ações, assim como formar seus princípios deontológicos" (SANTOS, 1999).

Que aspectos caracterizam os estudos precursores da Ergonomia até a II Guerra Mundial?

De acordo com MARSHALL (2000). Alphonse Chapanis aponta que matérias históricas freqüentemente revelam que em alguns casos, como fatores humanos, a guerra era certamente um incentivo, mas que também trazia outros efeitos retrógrados (como a destruição). F. Bonjer pensa que na época da guerra, a complexidade da tecnologia tinha alcançado tal ponto, que as habilidades e as capacidades dos operadores se tornaram limitadas. Isto sugeriu a necessidade da Ergonomia.

Antes da Ergonomia se tornar uma disciplina, na Segunda Guerra Mundial, podia-se notar o trabalho do ergonomista influenciando a relação do homem com produtos, estações de trabalho, ferramentas e equipamentos, programas de produtividade, qualidade, segurança de trabalho e qualidade de mão-de-obra.

MUREEL (1978) afirma que o homem não poderia ter hoje uma existência tolerável sem máquinas, nem as máquinas existirem sem o homem. As atividades de homens e máquinas devem estar estreitamente integradas para que se obtenham ótimos resultados.

Como evoluiu o enfoque ergonômico até hoje, desde a sua origem?

A evolução da ergonomia pode ser descrita em três estágios cronológicos, coexistentes hoje em dia.

A ergonomia evoluiu dos esforços do homem em adaptar ferramentas, armas e utensílios às suas necessidades e características. Mais claramente, pode-se estabelecer primeiro estágio histórico a partir da Revolução Industrial, com o surgimento das máquinas e de seus efeitos físicos e sociais, por exemplo, a fábrica e a intensificação do trabalho. Este primeiro período pós-revolução industrial, focalizou o projeto ou a modificação da interface homem-máquina e o principal ponto de pesquisa estava centrado nas características físicas e perceptuais do ser humano e a aplicação prática deste conhecimento.

O segundo estágio evolucionário pode ser caracterizado como o da "Ergonomia Cognitiva".

Este momento representou uma mudança de foco dos aspectos físicos e perceptuais do trabalho para a sua natureza cognitiva.

Esta alteração refletiu uma presença mais intensiva de sistemas computacionais no meio de trabalho e, consequentemente, o uso e o processamento de informação tomaram-se uma preocupação central. Importantes contribuições para a melhoria e o desenvolvimento de produtos e sistemas têm sido alcançadas com este enfoque.

O terceiro estágio da ergonomia veio em resposta às importantes mudanças que estão afetando o trabalho do homem, particularmente com relação à tecnologia. Como apontado por Hendriek (1991) as novas realidades do trabalho são aquelas derivadas da rápida difusão dos computadores e dos sistemas de telecomunicação, das modificações demográficas, de novas expectativas com relação à vida no trabalho, do aumento da competitividade no mercado mundial e outras. Estes fatos requerem mais do que uma ergonomia micro-orientada e, nesse sentido, alguns autores têm ressaltado que muitos resultados de intervenções ergonômicas têm ficado aquém das expectativas devido a falhas em considerar-se a organização como um todo.

No que consiste a abordagem macroergonômica?

A macroergonomia é uma abordagem topdown e contingencial, e define a otimização organizacional em termos da otimização conjunta de seus sistemas técnicos e sociais. A adaptabilidade e flexibilidade da organização são outros importantes princípios buscados a este nível. Embora tendo muitos de seus conceitos derivados da teoria sócio-técnica, a macroergonomia difere da anterior em alguns tópicos importantes. Um dos pontos de divergência é a abordagem top-down da macroergonomia.

O ponto de vista sócio-técnico argumenta em favor de uma metodologia bottom-up, ou seja, o posto de trabalho é visto como o ponto de partida para o design organizacional.

Apresente, pelo menos, três exemplos de possíveis aplicações da Ergonomia.

Saúde no trabalho: A ergonomia se preocupa com as condições gerais de trabalho, tais como, a iluminação, os ruídos e a temperatura, que geralmente são conhecidas como agentes causadores de males na área de saúde física e mental, mas que o estudo procura traçar os caminhos para a correção. O seu objetivo é aumentar a eficiência humana, através de dados que permitam que se tomem decisões lógicas.

Caixas eletrônicos: as telas dos caixas eletrônicos, são projetadas com ícones grandes e fáceis de localizar.

Riscos de lesões por esforços repetitivos: Nos últimos anos, os estudos nessa área ganharam destaque na criação de objetos que diminuam os riscos de lesões por esforços repetitivos,

...

Baixar como (para membros premium)  txt (21.5 Kb)  
Continuar por mais 12 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com