TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Resenha - A Arte Da Guerra

Por:   •  11/5/2013  •  1.179 Palavras (5 Páginas)  •  1.614 Visualizações

Página 1 de 5

Competências Profissionais

RESENHA: A Arte da Guerra.

O general-filósofo Sun Tzu que viveu aproximadamente em 500 anos a C., na China milenar de Lao-Tsé e Confúcio, escreveu os seus treze capítulos que fizeram parte de um manual de estratégia de guerra que ficou conhecido como A Arte da Guerra. Suas premissas ainda são atuais, mesmo passados 25 séculos após sua elaboração e é um dos livros mais utilizados por administradores, empresários, políticos e todos aqueles que necessitam de uma fundamentação para formular suas estratégias.

O livro de Sun Tzu tem um verdadeiro arcabouço de estratégia e de como um líder de topo deve comporta-se para influenciar seus subordinados. Para ele grandes resultados serão obtidos, se aqueles que utilizam a sua liderança e o poderio de seu exercito, para exercer espionagem e conseqüentemente dissecar os exércitos opositores. Em analogia, os ocupantes de cargos de direção nas empresas, nas organizações, devem conhecer de forma minuciosa seus concorrentes, o que evita surpresas ao ocorrer mudanças no mercado.

O primeiro passo para que a guerra a ser enfrentar seja ganha, é fazer um estudo preliminar detalhado baseado no termos dos cinco fatores fundamentais e compara-lo com os setes elementos mencionados por Sun Tzu. Os cinco fatores são: a influência moral, o clima, o terreno, o comando e a doutrina. O domínio desses fatores levará o general à vitória é o desconhecimento deles a ruína. A obtenção de subordinado bem preparados e uso concessão de prêmio e castigo de maneira correta, previsão de vitória e de derrota, uso da simulação para melhor estudar estratégia de ataque, a mostra de uma atitude concentrada e o ataque as fraquezas inimigas, aparentar inferioridade para provocar a arrogância do adversário, mantê-lo sob tensão e cansa-lo e desagregar o inimigo quando este estiver unido. Esses são os elementos essências a vitória numa guerra.

Após os estudos preliminares, devem-se deslocar as provisões financeiras, para que as despesas e custos necessários na campanha de guerra sejam cobertos, garantindo a formação de um exercito. O volume dos gastos da campanha é diretamente acrescido com o seu tempo decorrido. As reserva estatais nunca serão suficientes nessa situação, prejudicando o poderio militar, favorecendo a futura submissão com uma derrota. Os prisioneiros são fatores importantes nas negociações e força escrava para reconstrução do estado. Trata-los bem torna essas premissas favoráveis aos aprisionadores. Sendo o general o ministro do destino do povo e o arbitro do futuro da nação, a conquista da vitória deve ser a sua maior meta.

A melhor estratégia de guerra é atacar a estratégia inimiga. O cúmulo da habilidade de um exército é o domínio do inimigo sem o combater. Evita perdas de contingente e de tempo. Consequentemente evita desperdício financeiro. Não é de grande valia tomar um Estado em ruínas após a campanha. O território conquistado precisará de recursos para ser reerguido, e o tempo gasto nessa atividade poderia ser usado em outra conquista. Habilidoso é aquele general que efetua uma conquista sem perdas e através de uma ofensiva na estratégia do adversário.

A invencibilidade de um guerreiro é adquirida com o equilíbrio entre o ataque é a defesa. Dessa forma erros em batalha são evitados. Um comandante habilidoso é aquele que toma posições onde não pode ser derrotado e não perde qualquer ocasião para subjugar o inimigo. Ele é aquele equilibra os dois fatores da invencibilidade de um guerreiro. O exercito vitorioso é aquele que vence sem batalhas. Aquele que espera vencer, combate a esperança de vencer. Projetos vitoriosos são melhores formulados pelos seguidores da Tão. Sun Tzu acrescenta a necessidade de conhecer os elementos da arte da guerra: a noção do espaço, a avaliação das quantidades, os cálculos, as comparações e as possibilidades de vitória.

A autoridade de um general precisa ser exercida de forma organizada tanto na direção de muitos subordinados e a direção de poucos. Isso se torna uma questão de formações e sinais de liderança. Os movimentos de tropas especiais e normais fazem com o exército resista a ataques inimigos. As normais são necessárias para o entrechoque e as extraordinárias para a vitória. O potencial de tropas comandadas por general habilidoso é análogo a penedos redondos que rolarão desde o alto da montanha, devido a estes estar facilmente locomovendo-se.

Os

...

Baixar como (para membros premium)  txt (7.5 Kb)  
Continuar por mais 4 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com