TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

ANÁLISE SOBRE TEXTO DE LAPLANTINE: APRENDER ANTROPOLOGIA

Por:   •  21/12/2016  •  Resenha  •  695 Palavras (3 Páginas)  •  730 Visualizações

Página 1 de 3

Trabalho de Antropologia I

Análise sobre o texto: Aprender Antropologia

 (Laplantine, F. 2006. Aprender Antropologia. Ed. Brasiliense,São Paulo)

Trabalho apresentado à disciplina Antropologia I, 2º. Semestre do curso de Psicologia Noturno da Unesp – Bauru 2017, como requisito de avaliação, orientado pela Profa. Larissa Pelúcio

                                                                                Curso: Psicologia – Noturno

                                                                                Discente: Ronaldo Gatti

         Docente: Prof. Larissa Pelúcio


O norteamento do modo de pensar que será encontrado no século XIX sofre especial influência do Iluminismo e do racionalismo de René Descartes “cogito, ergo sum’. Essa nova forma de conceber a realidade através da dúvida e a divisão do homem e da realidade em res cogitans (consciência) e res extensa (matéria), surge no século XVIII e terá desdobramentos importantes no cientificismo do século posterior. O século XIX viu surgir a teoria evolutiva de Charles Darwin, o positivismo de Auguste Comte dando origem à sociologia como ciência, e surgindo a Antropologia. Michel Foucault afirma que ante do século XVIII o homem não existia, pois não havia uma ciência que tivesse como objeto e o homem e o definisse através de uma metodologia. Assim, surge a Antropologia desenvolvendo um conhecimento objetivo, positivo, distanciado do homem pelo próprio homem.

A metodologia analítica para produção de um conhecimento positivo e científico, partia do método indutivo baseado na observação e análise. Dessas análises seriam extraídos princípios ou leis gerais de validade universal. A Antropologia substitui a observação típica da ciência (centralizada em elementos da natureza) por um novo objeto, o próprio homem. Esse sistema de observação exige a diferenciação entre o observador e o observado, provocando o desvio do olhar para exotismos e a definição do que seria “o outro” na relação com sociedades primitivas, acreditando estar no não-civilizado as características originárias da sociedade organizada. Através dessa análise poderíamos definir o pertencente ao natural e ao cultural dos homens.

O encontro dessas sociedades se dará fora da Europa em grupos sociais com culturas distantes do cotidiano, habitual familiar. A essa surpresa diante da diferença Lapantine dá o nome de depaysement ou “estranhamento” provocado pelas formas diversificadas de culturas que tornam a conhecida como civilização apenas mais uma e não a única.

A antropologia, demonstrando o quanto a cultura é definidora de comportamentos e simbologias, transformou valores, até então, tidos como naturais em produtos do desenvolvimento cultural, reinaugurando a visão do homem e os conceitos de normalidade. A psicologia recebe essa nova verdade e a transforma na possibilidade de olhar o outro sem preconceitos, abolindo conceitos absolutos sobre as relações, comportamentos sociais e valores. Essa nova visão amplia a necessidade de análise do indivíduo levando em consideração as condições culturais que os cercam.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (4 Kb)   pdf (191.9 Kb)   docx (98 Kb)  
Continuar por mais 2 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com