TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

REFLEXAO CRITICA A RESPEITO DA SOCIEDADE CAPITALISTA, SUAS CONTRADIÇÕES, E OS DESAFIOS POSTOS PELA DESIGUALDADE SOCIAL E DE DIREITO

Por:   •  7/5/2013  •  728 Palavras (3 Páginas)  •  2.619 Visualizações

Página 1 de 3

UNIVERSIDADE DE ENSINO A DISTÂNCIA

A sociedade Capitalista

A sociedade Capitalista

Aluna:Cláudia Damasceno

Curso:Serviço Social

Professores, Maria AngelaSantini, Paulo Aragão, Marcos Rossie Sergio de Goes Barbosa

Resumo

O artigo defende o argumento de que a lógica objetiva das relações sociais capitalistas opõe-se ao desenvolvimento da moral e da cidadania. Também argumenta que a cidadania é uma representação idealizada que não tem força para superar a alienação das relações sociais, que têm o dinheiro como mediação universal em nossa sociedade.

Introdução

O capitalismo é uma sociedade produtora de mercadorias. Marx também afirma que o dinheiro nada mais é do que uma mercadoria, em última instância, desprovida de seu valor de uso, transformada em puro valor de troca, em pura relação quantitativa entre mercadorias. Por essa razão, o dinheiro torna-se, no capitalismo, a riqueza em sua forma universal, o objetivo universal da produção, a mediação universal entre os seres humanos. Tudo no capitalismo se transforma em mercadoria, até o trabalho humano. O trabalhador é trabalhador exatamente porque não possui os meios de produção, possui apenas sua força de trabalho e a vende por uma determinada quantidade de dinheiro. O comprador desse trabalho passa a ter o direito de apropriar-se de todos os produtos gerados pela atividade do trabalhador, mesmo que esses produtos excedam, em muito, o valor que foi pago pelo trabalho. Essa é a apropriação, pelo capital, da mais-valia, do valor a mais gerado pelo trabalho vendido pelo trabalhador e comprado pelo capital. O capital, por sua vez, é indiferente à forma ou às formas assumidas por essa quantidade a mais devalor que o trabalho produza, em outras palavras, o capital é indiferente ao valor de uso da mercadoria, tanto faz produzir alimentos como produzir drogas legalizadas, produzir roupas ou armas, etc. Para reproduzir-se, o capital precisa ampliar-se constantemente, transformar-se em mais valor, o que requer a ampliação dos mercados, o crescimento do poder do capital, o surgimento de novos tipos de mercadoria, de novos processos produtivos, etc. E, para que isso ocorra, é indispensável a reprodução das relações capitalistas de produção. Não há capitalismo sem a reprodução da relação entre capital e trabalho. Aí reside a razão pela qual é um engodo a ideia tão difundida pela mídia, atualmente, de que o problema do desemprego pode ser resolvido desde que cada desempregado abra seu próprio negócio, seja seu próprio patrão. Não existe um capitalismo onde todos sejam patrões, onde não exista

...

Baixar como (para membros premium)  txt (4.7 Kb)  
Continuar por mais 2 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com