TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NO CAMPO DA VIOLÊNCIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NEGROS

Por:   •  29/5/2016  •  Dissertação  •  1.177 Palavras (5 Páginas)  •  186 Visualizações

Página 1 de 5

[pic 2][pic 1]

CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

Bruna Gomes Lencione

Daniele Silva Tenório

Francielli Priscila Cardoso Moreira

Irismar Carvalho de Souza

Naide Miranda

Tatiana Ferreira Barbosa

Thais Barbosa

O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NO CAMPO DA VIOLÊNCIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NEGROS

Guarulhos

2015

INTRODUÇÃO

        A violência contra crianças e adolescentes no Brasil, não é fenômeno da contemporaneidade. Pois desde o período colonial elas sofriam maus-tratos praticados pelos adultos.

Em toda a história da humanidade, crianças e adolescentes foram e ainda são vítimas das mais diversas formas de violência, seja ela física, psicológica ou sexual.

É fundamental entender que a violência em suas várias configurações é fruto da interação de fatores históricos, culturais e políticos, ou seja, biopsicossociais. Segundo Azevedo e Guerra (2005), a violência doméstica intrafamiliar contra crianças e adolescentes pode ser caracterizada desta maneira: violência física, psicológica, sexual e negligência.

A violência doméstica no Brasil é um grave problema, atingindo crianças e adolescentes de todas as classes sociais. Conjuntura presente na zona rural e urbana e alcança tanto as periferias quanto o centro das cidades. A magnitude desta problemática, como um fenômeno social, é bem definida por Odália (1991, p. 10), ao afirmar que “ela se estende do centro à periferia da cidade e seus longos braços a tudo e a todos envolvem, criando o que se poderia chamar ironicamente de uma democracia na violência”.

 A presente pesquisa classifica-se como estudo exploratório, de natureza.

        Mostrar que na contemporaneidade não é diferente, pois a violência doméstica é característica de nossa época, onde os direitos básicos são constantemente ameaçados e violados.

  1. VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NEGROS

        Desde o período colonial a criança e o adolescente sofrem maus-tratos. As crianças negras como não serviam para o trabalho eram separadas de sua família, sendo que no decorrer de um ano após o  parto, trabalhavam ao seu lado, essa  atenção com a mãe e a criança negra tinha uma finalidade maior do que a defesa do direito da criança no entanto a intenção era zelar por aquela que constituiria a força de trabalho gratuito. Entre os brancos não faltavam personagens terríveis e monstruosos para lembrar as crianças seus limites. Pois ela não sofria corretivos corporais impostos por seus disciplinadores, mas o flagelo quem ensinava a ser valente.

A violência doméstica contra criança e adolescente é um fenômeno complexo, de múltiplas causas cuja definição é difícil. Conforme AZEVEDO e GUERRRA (2015), quanto a este fenômeno, o Brasil integra um grupo de países onde não há “estatísticas confiáveis acerca da infância e violência doméstica, com dados fragmentados”, e quando se refere à crianças e adolescentes negros a situação é mais delimitada ainda.

Atualmente, no Estatuto da Criança e do Adolescente, Art. 5º Das Disposições Preliminares, a violência impetrada a esta faixa etária é entendida como uma violação de seus direitos: “Nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, punido na forma da lei qualquer atentado, por ação ou omissão, aos seus direitos fundamentais”.

        Toda situação de violação de direitos da população infanto-juvenil deve
ser comunicada ao Conselho Tutelar (art. 13, ECA) que, ao receber a denúncia, deve proceder à imediata averiguação.

        O Assistente Social e o Conselho Tutelar, em conjunto, tomam suas
decisões baseados no que o Estatuto prega.  Assim sendo a família o principal foco do assistente social, aonde sua prioridade maior é a proteção da criança ou adolescente, para que sua intervenção mantenha a integridade do menor. Sua intervenção ocorre em vários âmbitos, como jurídico, médico, social, psicoterapêutico, variando de acordo com a gravidade da demanda.
        Em primeiro lugar se busca a restauração dos vínculos familiares, mas
em outros casos, isso não é possível devido a várias circunstâncias, então a criança é retirada da família e enviada para a adoção, programa de família substituta, ou quando possível ela fica com algum familiar que não seja o agressor.
        É um trabalho muito delicado, pois envolve as emoções da criança, muitas vezes mesmo sendo agredida, ela se recusa a ser levada para outro lugar, e o profissional tem que ser muito cauteloso para não prejudicar essa criança ou adolescente. Muitos casos de acordo com sua complexidade necessitam do apoio policial para que o assistente social consiga intervir. Por esse motivo são muito importantes as campanhas de capacitação aos profissionais que iram atuar com a vítima, valorizando o posicionamento crítico, metodológico, a operacionalização, incentivo dos projetos de família substituta, enfim uma prevenção para que estejam preparados para intervir de forma adequada.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (7.8 Kb)   pdf (104.6 Kb)   docx (35.4 Kb)  
Continuar por mais 4 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com