TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PRETO

Por:   •  17/8/2015  •  Artigo  •  2.391 Palavras (10 Páginas)  •  2.404 Visualizações

Página 1 de 10

[pic 1]

Sumario

  1. A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PRETO
  2. Meio Biótico
  3. Meio Abiótico
  4. Meio sócio / econômico
  5. Impactos Ambientais
  6. Medidas Mitigadoras
  7. Conclusão
  8. Referencias  

A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PRETO

A bacia hidrográfica do rio Preto, em toda a sua extensão, ocupa área de 1.045.900 hectares, abrangendo os estados de Goiás, Minas Gerais e Distrito Federal, fazendo parte da bacia hidrográfica do rio São Francisco. O rio Preto tem as suas nascentes no município de Formosa, em Goiás, e deságua no rio Paracatu, em Minas Gerais, com extensão total de aproximadamente 380 km.

[pic 2]

No Distrito Federal a bacia compreende uma área de 131.300 hectares, representando 22,5% do seu território. Na parte norte da bacia; o ribeirão Extrema e o rio Jardim, localizados na parte central; e o córrego São Bernardo, ao sul. A drenagem segue em sentido as regiões noroeste – sudeste.

[pic 3]

Meio Biótico

O rio preto possui uma grade diversidade de fauna e flora, devido pertencer a região do cerrado se encontra vários tipos de vegetações, desde plantas fornecedoras de madeira, cortiça, tanino, plantas forrageiras, eucaliptos, ate plantas medicinais. Também possui grande variedade de fauna, com espécies de sagui-estrela, jacu, veado monteiro, macaco prego, podendo citar também o lobo-guará, a perdiz, a seriema, o teiú e o tatu galinha, que são comuns de ser vistos na área citada.

[pic 4]

[pic 5]

Meio Abiótico

Bacia do rio preto possui um clima tropical com duas estações bem definidas: verão, quente e chuvoso e inverno, frio e seco. O lugar não há variações significativas de chuvas, mas as diferenças altitudes e o composto da vegetação fazem mudanças na temperatura e o surgimento de microclimas.

As maiores temperaturas médias encontradas são entre os meses de setembro a março, enquanto as menores são registradas nos meses de junho e julho onde a temperatura média é de 19,1° C.

Os parâmetros climáticos que geralmente acontecem para apresentação do comportamento hídrico da Bacia é a precipitação e a evaporações, e com relação as precipitações, entre os meses de outubro e abril, são os meses em que mais é notável a presença de chuvas, destacando o mês de dezembro onde se encontra a maior média pluviométrica.

As primeiras chuvas são de extrema importância na restauração da umidade natural do solo e abastecimento da vegetação, enquanto os demais servem de recarga dos aquíferos.

[pic 6]

Quanto aos aspectos da geologia na Bacia do Rio Preto são encontradas rochas correlacionáveis aos grupos canastra, paranoá, vazante e bambuí e embasamento cristalino.

Encontra-se em um regime de falhas de dobras e falhas de empurrão, geradas durante orogênese brasiliana, que alteram a estratigrafia original. A grande presença de rochas de embasamento reflete na alta topografia, permitindo que essas rochas sejam bem expostas, uma vez que espessuras menores de sequência rochosas forem depositadas.

O grupo da canastra é entre as quatros mais presentes na área, e a que mais sofreu com a ação intensa de deformação e metamorfismo associado, por meio de falhas de empurrão.

[pic 7]

                                                                                     Embasamento cristalino.

O tipo de solo, é associado à declividade, precipitação e ao uso/ocupação da bacia onde constituem nas principais para a recarga natural.

O cambissolos é o tipo de solo mais frequente na Bacia do Rio Preto no DF, sendo um solo jovem e pequena espessura, associado a relevos ondulados. E também mostra que não constituem bons aquíferos porosos.

Meio sócio / econômico

A bacia do rio preto no distrito federal é fundamentalmente usada para fins rurais, onde a exploração agropecuária é intensa. Sendo assim, a demanda por água na bacia é decorrente das atividades agropecuárias, especialmente irrigação, por causa disso, foram dadas leis para que os trabalhadores rurais não abusem da água do rio preto.

Como a presença da ocupação urbana quase não existe, o rio preto é o único no DF que não sofre com problemas relacionados a contaminação em função do lançamento de sistemas de esgotamento sanitário.

Como o lugar apresenta muita vegetação e um ambiente favorável, é encontrado muitas criações de animais.

[pic 8]

Impactos Ambientais

  • Irrigação por aspersão

Com o objetivo de fornecer água em quantidades adequada às plantas, a irrigação é uma prática muito comum na agricultura. Porém, com o anseio de conseguir-se melhor produtividade e resultados em colheitas, ela pode ser utilizada de uma forma prejudicial ao meio ambiente. Irrigação por aspersão é um dos modos que mais faz uso abusivo da água, exatamente por irrigar toda a área em que está localizado o plantio, sem ter um foco sobre as plantações, mas sim no todo.

Tipo

Positivo

Negativo

Modo

Direto

Indireto

Magnitude

Pequena

Média

Grande

Duração

Temporário

Permanente

Cíclico

Alcance

Local

Regional

Nacional

Global

Efeito

Imediato

Médio Prazo

Longo prazo

Reversibilidade

Reversível

Irreversível

Classificação: Médio impacto ambiental

  • Agrotóxicos

O uso inadequado de agrotóxicos é a 2ª maior causa de contaminação dos rios no Brasil. Isso ocasiona no prejuízo da fauna e flora aquática, além de, posteriormente, ter efeito sobre a saúde humana também.

Tipo

Positivo

Negativo

Modo

Direto

Indireto

Magnitude

Pequena

Média

Grande

Duração

Temporário

Permanente

Cíclico

Alcance

Local

Regional

Nacional

Global

Efeito

Imediato

Médio Prazo

Longo prazo

Reversibilidade

Reversível

Irreversível

Classificação: Médio impacto ambiental

...

Baixar como (para membros premium)  txt (19.9 Kb)   pdf (625.2 Kb)   docx (728.5 Kb)  
Continuar por mais 9 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com