TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

De Catro a Catro -Breve Introdução

Por:   •  10/3/2019  •  Resenha  •  408 Palavras (2 Páginas)  •  8 Visualizações

Página 1 de 2

Características

De catro a catro (de quatro a quatro) é o primeiro poemário integramente vanguardista, em concreto criacionista, da literatura galega. Por causa disto, De quatro a quatro converteu-se num fito literário pois achega uma poética diferente daquela outra que consagrava as formas e conteúdos tradicionais, marcando um antes e um depois na história da literatura galega.

Desde a própria perspectiva das vanguardas, vêm-se citando no livro as influências de autores como Vicente Huidobro ou Pierre Reverdy. Em boa medida, é possível sublinhar a presença de um texto fundamental nas concepções poéticas de Manuel António: trata do livro intitulado La poésie d´aujourd´hui, um nouvel état d´intelligence (1921), de Jean Epstein, que o poeta rianxeiro traduziu -ou começou a traduzir- ao galego. A procura do "novo" -para além de toda estética-, o trabalho intelectual por parte do leitor, a ruptura da lógica e a supressão da sequência espaço-temporário são elementos definidos por Epstein e que Manuel Antonio soube incorporar no seu trabalho.

De outra parte, De quatro a quatro amostra igualmente um processo de trabalho da linguagem excepcional: a capacidade por incorporar o léxico marinheiro -mesmo dialectal- a um discurso onde, ao tempo, figuram anglicismos, germanismos... a presença de uma linguagem técnica, inusual na arte poética, dão boa medida do acostumam de preocupação formal por parte de Manuel Antonio.

Estrutura

O livro consta de dezanove poemas que foram escritos nos anos 1926 e 1927 quando o rianxeiro, embarcado no paquebote Constantino Candeira, percorreu as águas do Mediterrâneo e apresenta, pelo mesmo, um fio comum experiencial que se faz patente no subtítulo Folhas sem data de um diário de abordo e na estrutura da obra, já que os poemas estão circunscritos a um âmbito que se abre mediante o primeiro texto, "Intuitos" (em que Manuel Antonio sonha com o que acontecerá nas futuras singraduras), e um último, "Adeus", em que se despede do Constantino Candeira. Esta ideia ver-se-ia reforçada por uma série de poemas que marcariam os pontos da travessia: Travessia, Recala, Navy Bar, Guarda de 12 a 4.

Não obstante, a viagem descrita nas páginas do poemário acaba por ser uma viagem para nenhures. Tal e como se se tratasse de um cosmonauta perdido, aboiando na infinidade do Cosmos, assim o navio de Manuel Antonio paira num mar sem ribeiras nem horizontes e no qual todos os sinais acabam morrendo e perdendo-se nessa própria solidão do "alto mar" (Xosé Ramón Pena) convertido, com efeito, numa "ilha de água rodeada de céu por todas partes".

...

Baixar como (para membros premium)  txt (2.6 Kb)   pdf (30.8 Kb)   docx (7.8 Kb)  
Continuar por mais 1 página »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com