TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

A Arte Do Aconselhamento Psicológico - Rollo May (resenha)

Artigo: A Arte Do Aconselhamento Psicológico - Rollo May (resenha). Pesquise 793.000+ trabalhos acadêmicos

Por:   •  19/4/2013  •  4.317 Palavras (18 Páginas)  •  1.956 Visualizações

Página 1 de 18

Tema/Tese/Idéia central do autor:

A abordagem de Rollo May, tem como tema o aconselhamento psicológico. Neste trabalho ele defende alguns princípios fundamentais quanto ao desenvolvimento da personalidade. Além de apresentar os princípios elementares do trabalho de aconselhamento, Rollo May discorre sobre os elementos que acompanham sua prática e dá algumas considerações finais quanto a personalidade do aconselhador.

3.Breve resumo:

Este trabalho de Rollo May, é dividido em três partes. Sendo assim, procurarei fazer um resumo demonstrando os principais pontos enfocados em cada parte.

Primeira Parte:

1.A origem dos problemas de personalidade.

Neste primeiro capítulo, Rollo May nos mostra algumas questões concernentes à origem dos problemas da personalidade. Sua abordagem parte dos fatores que causam os colapsos nervosos. Rollo May usa o exemplo de George B., analisando seu perfil psicológico, e os sintomas que caracterizavam sua neurose. Neste exemplo, vemos como se aborda o aconselhando, como também a maneira de se identificar os conflitos de sua personalidade, o que pode dar subterfúgios importantes para o processo de "cura" de sua personalidade. Rollo May diz que os problemas da personalidade surgem pela falta de ajustamento das tensões dentro da personalidade. Em outras palavras quanto maior a falta de ajustamento mais neurótica se torna a pessoa. É um erro dizer que uma personalidade sadia não tem tensões, pelo contrário, as tensões bem direcionadas trazem crescimento, e o que se deseja é um ajustamento das tensões e não uma fuga delas.

No campo destas tensões, Rollo May nos mostra como é estruturada a personalidade. Ele dá algumas definições de termos importantes como a neurose, psicose, e esquizofrenia. Se a pessoa é capaz de identificar suas tendências neuróticas específicas, poderá mais facilmente prevenirse contra um distúrbio de personalidade definitivo, quando de uma crise emocional. Rollo May diz que a busca pelo reajustamento de tensões da personalidade é sinônimo de criatividade. Quanto mais delicado for o equilíbrio interno das tensões, maior será a criatividade.

2.Uma descrição da personalidade.

Rollo May define personalidade como aquela estrutura básica do ser humano que faz dele uma pessoa. A descrição mais vívida e persuasivamente determinística da personalidade é apresentada pela psicanálise freudiana. Segundo Rollo Mau, Freud nos mostrou o lado feio da natureza. Ele observou que os ajustamentos dentro da mente do indivíduo podem entrar numa desordem caótica devido a "repressões". Rollo May mostra que o perigo do freudianismo está em sua interpretação determínistica da personalidade como um todo. A ênfase a este determinismo, pode destruir a responsabilidade humana. Portanto, o determinismo pessoal que excusa a responsabilidade, torna-se um obstáculo à restauração da saúde mental. Neste aspecto, Rollo May, mostra o problema da maioria dos neuróticos, que procuram se esvair de sua responsabilidade transmitindoa à outros. A saúde mental significa uma restauração do senso de responsabilidade pessoal, e logo, uma restauração da liberdade. Portanto é função do aconselhador levar o aconselhando a aceitar a responsabilidade pela direção e pelos resultados de sua vida, como também aperfeiçoar e usar seu potencial de liberdade.

Um dos princípios básicos da personalidade demonstrado por Rollo May, é a "individualidade". Muitas pessoas que apresentam problemas com sua personalidade, deve-se ao fato de não se aceitarem, ou seja, não conseguem individualizar-se. Rollo May, procura mostrar, que a maioria dos erros cometidos na vida são cometidos por pessoas que tentam representar aquilo que não são. A função do aconselhador é ajudar o aconselhando a encontrar o que Aristóteles chama de "enteléquia", o elemento singular existente dentro da semente do carvalho, que a destina a crescer e tornar-se um carvalho. Ou seja, o aconselhador deve auxiliar seu aconselhando a achar seu self verdadeiro e então ajudá lo a ter a coragem de ser esse self.

Outro princípio básico da personalidade é a integração social. Rollo May, diz que se um indivíduo é bem sucedido socialmente, deve já ter resolvido seus problemas de personalidade. Um ajustamento social significativo é básico para a personalidade, pois é necessário que a pessoa aja dentro de um mundo constituído de outras pessoas. Adler observou que ninguém pode gozar boa saúde, separando-se de seu grupo social, pois a própria estrutura de sua personalidade depende da comunidade. Rollo May mostra também a questão do chamado complexo de inferioridade, como ele se caracteriza e se desenvolve na personalidade. Quando o indivíduo se reveste de coragem, livra-se da compulsão de seu sentimento de inferioridade e, consequentemente, não necessita mais lutar contra os outros. O indivíduo saudável torna-se socialmente "integrado", o que, literalmente, significa obter "totalidade". Na prática o aconselhador observará que, quanto mais integrado socialmente se tornar o aconselhando, mais ele descobrirá, no conjunto, sua individualidade própria e singular.

Finalmente Rollo May trata da tensão religiosa e mostra que o homem não é uma criatura totalmente horizontal, nem totalmente vertical. Ele vive tanto horizontal como verticalmente. A religião do homem provém dessa suprema tensão. Nesse ponto de intersecção entre o vertical e o horizontal surge no homem o senso dos imperativos morais e absolutos. Rollo May mostra aqui a questão do sentimento de culpa e como este sentimento desenvolve-se na personalidade humana. Portanto a função do aconselhador é auxiliar o aconselhando a livrar-se do sentimento de culpa doentio, ao mesmo tempo que o ajuda a aceitar e afirmar corajosamente a tensão religiosa inerente à sua vontade.

3.Empatia chave para o processo de aconselhamento.

Empatia significa um estado de identificação mais profundo das personalidades, em que uma pessoa se sente tão dentro da outra que chega a perder temporiamente a sua própria identidade. Assim, ao abordamos a empatia, estaremos levando em consideração não apenas o processo-chave no aconselhamento, mas, ao mesmo tempo, a chave para praticamente todo trabalho de pregadores, professores e outros, cuja vocação depende da influência que têm sobre as pessoas. A empatia demonstrase como um grande instrumento nas mãos do aconselhador. A empatia, manifestase no amor. É impossível conhecer outra pessoa sem que a amemos, no sentido mais amplo da palavra. O amor

...

Baixar como (para membros premium)  txt (27.8 Kb)  
Continuar por mais 17 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com