TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

O trabalho do Assistente Social no campo da educação: desafios, limites e possibilidades

Por:   •  1/7/2019  •  Resenha  •  877 Palavras (4 Páginas)  •  57 Visualizações

Página 1 de 4
  • "O trabalho do Assistente Social no campo da educação: desafios, limites e possibilidades":

A educação no Brasil se fundou sob bases elitistas e classistas, com viés religioso, e o acesso a esta era bastante restrito. Nesse contexto, a educação adentra o século XX ainda sobre as mesmas bases da era imperialista, entretanto, a partir das décadas seguintes, passa a absorver diversas mudanças.

Em 1961 foi instituída a Lei de Diretrizes e Bases estabelecendo que o ensino no Brasil pudesse ser fornecido tanto pelo setor público quanto pelo setor privado em todos os níveis. Em 1996, acontece um marco na educação do Brasil com a Lei das Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) inscrita na Constituição Federal /1988, que define e regulariza o sistema educacional brasileiro, tendo como um dos seus objetivos, a colaboração nas atividades acadêmicas e profissionais dos educadores, estudantes e demais trabalhadores desta área.

Nesse sentido percebe-se que assim como outras políticas sociais a educação foi marcada por avanços e recuos. O fato do Brasil importar modelos europeus, inclusive no que se referia a atuação do Serviço Social fez com que “a profissão se realizasse como imediatista, assistencial, caritativa, missionária, clientelista e beneficente” (UNITINS, 2011).

A falta de acesso e a dificuldade de integração ao sistema educativo, o isolamento da escola em relação à comunidade, a violência cultural e o desconhecimento das características da vida cotidiana das comunidades, configuram um sistema educacional autoritário e promotor da exclusão social.

Temos então um abismo entre universos culturais diferentes: de um lado a chamada cultura oficial determinada por currículos, conteúdos e a cultura letrada dos acadêmicos e do outro, pessoas que vivem uma vida de trabalho e esforço, em sua maioria sujeitos as barreiras dos problemas sociais, mas que possuem um acumulo de experiências vivenciais, crenças e conhecimentos dados através de uma realidade diferente e que devem ser valorizados.

Vemos também que nosso sistema educacional fez com que a população relacionasse sempre a educação com a escola e que esta é a única alternativa para formação dos indivíduos e que deve ser frequentada durante o período da infância e da juventude, aos adultos e aos “desistentes” que perderam o curso normal da vida escolar, a oportunidade de educar-se passa e só há o recurso de acostumar-se com o fracasso. Em vista dessa situação, a educação comunitária, inúmeras vezes apresentou-se como mais do que uma estratégia da educação, uma ação educativa viável para promover a transformação da realidade de seu público alvo.

SIRVENT (1984) define a educação comunitária como “um campo teórico de princípios e hipóteses que pretende enfrentar a realidade da pobreza e de pobreza extrema da América Latina. Permite explorar novas estratégias da ação educativa e cultural tendentes a transformação da realidade. Essa transformação é percebida propriamente, como uma elevação da qualidade de vida dos setores populares mais carentes”.

Considerando que a escola é um lugar onde emergem vários conflitos, por se tratar de um espaço comum a seres únicos, e em fase de desenvolvimento, devem lançar olhares atentos e diferenciados. Isso significa reservar um tempo maior no sentido de possibilitar aos alunos que ele demonstre seus medos, anseios, suas habilidades e sonhos, proporcionando uma maior interação entre o meio onde vive e o espaço novo frequentado.

Com esse efeito, a necessidade de serem equacionadas e atendidas as carências apresentadas, como também os inúmeros problemas de natureza familiar que interferem em seu pleno desenvolvimento pessoal e social. Para esse processo entre aluno e a escola e entre a escola e a família, deve haver um agente facilitador que tenha habilidades e competências. Esse meio irá proporcionar a escola a entender melhor a realidade do aluno. Esse profissional através de uma relação estabelecida irá proporcionar um ambiente de confiança mutua, para que as intervenções surtem efeito.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (5.8 Kb)   pdf (67 Kb)   docx (9.8 Kb)  
Continuar por mais 3 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com