TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Gestão do Conhecimento nas Empresas

Por:   •  26/9/2014  •  Pesquisas Acadêmicas  •  4.300 Palavras (18 Páginas)  •  130 Visualizações

Página 1 de 18

Porque as organizações devem implantar um projeto

de Educação Corporativa aliada a Gestão do Conhecimento?

Gestão do Conhecimento nas Empresas

Há quatro décadas, Peter Drucker alertava que cada vez mais o homem caminhava para uma sociedade do conhecimento e que haveria uma forma de gerenciá-lo. Existe, então, a necessidade de empresas que aprendem, que estão em constante mudanças e adaptação ao mercado. As empresas brasileiras enfrentam muitos desafios quanto a essa gestão, pois há a necessidade de revisar conceitos e princípios dentro das mesmas.

Um dos exemplos de empresa que formulou um modelo de gestão de conhecimento foi o SERPRO – Serviço Federal de Processamento de Dados. É uma empresa vinculada ao Ministério da Fazenda, que surgiu com o objetivo de dar agilidade e modernizar os setores estratégicos da Administração Pública Brasileira, já que é uma empresa pública.

Desde 1997, a empresa implementa o modelo chamado de CGO. No Brasil, ela é considerada uma das primeiras empresas a adotar um modelo de Gestão do Conhecimento e presta serviços para a área de Tecnologia da Informação e Comunicações.

A era do conhecimento parece surgir cada vez mais rapidamente e a globalização mostra novos rumos da economia mundial. É preciso adequar sistemas de produção a nova realidade e também alinhar a competitividade para se diferenciar no mercado.

Na nova Gestão do Conhecimento, os funcionários não são somente aqueles que trabalham sem pensar, mas aqueles que pensam e trabalham. Esse foco é dado quanto ao capital humano, pois as pessoas são a parte mais importante da empresa.

http://gestao-de-conhecimento.info/mos/view/Gest%C3%A3o_do_Conhecimento_nas_Empresas/

Gestão do Conhecimento e Educação Corporativa

Observa-se nas organizações da nova economia que a revolução do conhecimento, ora em curso, tem como principal objeto o aumento de sua capacitação institucional e, em decorrência desta, que os empregados melhorem suas habilidades, atitudes e qualificações, partilhem experiências, idéias e expertises no trabalho, reavaliem e inovem suas práticas e rotinas de trabalho durante o processo de aprendizagem, integrem tecnologia como parte de suas tarefas e que simultaneamente seja desenvolvido comprometimento mútuo entre empresa e empregado, um investimento para retorno a longo prazo.

Do ponto de vista do empregado, o mercado de trabalho altamente seletivo levou a uma política institucional que transfere para o mesmo, a responsabilidade por sua educação continuada e gerenciamento da própria carreira, vinculando autodesenvolvimento, ascensão profissional e resultados empresariais. A demanda dos profissionais por programas educacionais, em conseqüência de tal política, combina-se com a consciência das organizações quanto ao valor do conhecimento como vantagem competitiva e leva à criação de estruturas e programas de educação corporativa nas organizações de maior porte, podendo-se exemplificar com as mais de 200 universidades corporativas existentes no Brasil Orientando-se pelos interesses das organizações, observa-se a convergência de propósitos das tecnologias e processos implantados pelas motivações da “era do conhecimento”, ressaltando-se os pontos de contato entre gestão do conhecimento e as formas de educação a distância (EAD) mediada por meios eletrônicos.

Assim, o volume crescente de informação a gerir em prazos cada vez mais curtos, a necessidade de partilhar tarefas e conhecimentos em organizações multinacionais e a demanda por educação continuada estão levando à combinação das tecnologias de informação, groupware, portais, multimídia e telecomunicações para trabalharem de modo contíguo — a caminho da unificação — a gestão de conhecimento e a educação a distância via Internet (aqui denominada educação online). De fato, esta tendência agregadora envolve não apenas a tecnologia (no sentido de hardware), mas também a ecologia facilitadora do fluxo de informações, da comunicação entre pessoas, da interatividade e do feedback, uma vez que tanto o conhecimento, quanto a aprendizagem se beneficiam do relacionamento em comunidades (de práticas, de aprendizagem, de interesses) , sem falar que a aprendizagem (via cursos formais, learning by watching / aprender pela observação e learning by doing / aprender fazendo) é a principal vertente para aquisição do conhecimento organizacional.

a gestão do conhecimento e a educação online são práticas colaborativas que se assentam sobre o tripé comum formado por

...

Baixar como (para membros premium)  txt (31.3 Kb)  
Continuar por mais 17 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com