TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

A Contabilidade Gerencial

Por:   •  8/11/2017  •  Trabalho acadêmico  •  1.344 Palavras (6 Páginas)  •  17 Visualizações

Página 1 de 6

[pic 1]

Centro Universitário Senac – Santo Amaro

Curso de Bacharelado em Administração de Empresas

6º Período

ADO III - CONTABILIDADE GERENCIAL

SÃO PAULO

2017

GM CORPORATION

Nesse artigo, o elemento é avultar, discernir e averiguar a política de formação de preços de venda dos produtos, da empresa automotiva GM. Assim, é feita uma análise em relação ao retorno de seus investimentos se embasando em longo e médio prazo. Desta maneira, podem agir de forma assertiva para alcançar seus objetivos, assim como, para que os seus investimentos aconteçam respeitando o cronograma elaborado. Existem políticas estabelecidas a serem executadas, como por exemplo, a taxa de investimento em longo prazo é considerada a oficial e válida, e obtida como uma taxa média para que o seu crescimento seja de fato atingido.

Apesar de todas as análises efetuadas, é estabelecido para o retorno de capital, um índice com variações entre a linha de produção industrial, que apresentaram diferentes conjunturas, nas diversas probabilidades de situações econômicas existentes.

Dentro de uma organização poderá apresentar diferentes taxas de retorno de capital, visando à motivação e eficiência parar tipos de instalação de produção. A taxa de retorno é definida sobre uma taxa média esperada. Essa taxa leva em consideração o crescimento sadio da empresa. Temos o termo Volume-Padrão, sendo definido entre a relação entre a taxa média de retorno e a capacidade prática anual da empresa.

Segundo Brandley, foi possível considerar que,para definir a política de formação de preços do volume-padrão e do retorno econômico atingível, pode-se denominar que o valor padrão representa 80% da capacidade prática anual e que deve ser ganha uma proporção de 20% ao ano sobre o capital operacional. Logo, é possível definir um preço-padrão para determinado produto, com níveis de operação fabril operando em 80% de sua capacidade, obtendo assim um retorno estimado em 20% do investimento, totalizando em 100%, formando assim o conjuntura ideal desejado.

Nos custos unitários de produção e distribuição de produtos, podemos observar que alteram de acordo com o volume de produção, que por sua vez varia de acordo com a natureza fixa ou não variável dos itens de despesas, mas, ao falar sobre custos de materiais e da mão de obra, podemos defini-los como custos variáveis dentro dos limites cabíveis.  As oscilações tendem a variar de conforme a natureza direta das oscilações de volume, desta maneira o custo unitário ficará inalterado. Os itens selecionados como despesas de produção, possuem índices de oscilação derivada no volume com graus maiores ou menores de variação, de acordo com a sua proporção em escala.

Ao salientar os custos fixos, vale sobrelevar que estes serão contabilizados como despesas com depreciação e seus impostos poderão ser contabilizado como custo exclusivamente fixo.

As despesas-padrão de produção são definidas para cada centro de produção, levando em consideração uma média de custos a ser tolerado. As despesas alteram de acordo com a necessidade de cada departamento. Não podemos generalizar todos os processos, por isso, são definidas despesas para cada centro de produção. O preço-padrão é composto por algumas variáveis como matéria-prima necessária, investimento requerido, volume de operações, material em estoque, entre outras. Todas essas variáveis costumam ser calculadas em longo prazo. O tamanho do investimento deve ser considerado no cálculo do preço-padrão de cada produto. Há casos em que um produto deve ser vendido a um preço mais alto, em relação a um produto similar, para suprir o investimento e trazer o retorno esperado, naquele tempo determinado. O preço-padrão não pode ser utilizado em todos os produtos, o que vai dizer se é viável ou não o utilizar é a taxa de retorno esperada.

Com todas as observações referentes ao artigo, pudemos notar que a taxa decorrente a média de operação das fábricas são influenciadas pelos fatores com condições gerais no mercado, além da expansão de flutuações sazonais de venda.

Pensando na curva de produção, para nivelar a mesma, é estabelecida a política de acumulação sazonal com o intuito de manter a capacidade de produção determinada em momento emergencial.  

Analisando desta maneira, é possível compreender que cada fator deve ser estipulado cuidadosamente pelas empresas, elencando dimensões das novas fábricas a serem construídas, até mesmo analisando a possibilidade de expansão de instalações fabris existentes, e compatibilizar a média projetada nas operações de produções com a capacidade prática anual.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (9.1 Kb)   pdf (96.2 Kb)   docx (18.2 Kb)  
Continuar por mais 5 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com