TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

ANÁLISE Macro ambientes

Por:   •  2/11/2013  •  Seminário  •  1.223 Palavras (5 Páginas)  •  511 Visualizações

Página 1 de 5

ANÁLISE DE CENÁRIOS DO MACROAMBIENTE

2.1 Cenário político-econômico

A economia brasileira mostra sinais significativos de que a retomada esperada no início de 2013 não será vista no horizonte relevante. A produção industrial registrou queda de 2% em maio, enquanto a pesquisa mensal do comércio nesse mesmo mês veio estável, com tímido avanço de 0,03%. As sondagens de confiança de empresários e consumidores do IBRE-FGV em relação à economia brasileira se mostram negativas em junho. Desse modo, a expectativa do Grupo de Estudos sobre Conjuntura Econômica (GECE-UFF) para o crescimento da economia brasileira no segundo trimestre permanece em 0,6% na margem.

Uma das principais características da economia brasileira nos últimos anos, o hiato entre varejo e indústria, mostra sinais de menor ímpeto. Isto porque, o comércio varejista restrito parece sentir os efeitos do maior endividamento das famílias, recuo no crescimento dos salários reais e piora das expectativas em relação ao cenário futuro. Em outros termos, se a oferta não vinha contribuindo de forma significativa para o crescimento do produto, com a produção industrial, por exemplo, praticamente estagnada desde meados de 2010, a demanda já agora mostra sinais de cansaço.

Nesse contexto, o crescimento da economia brasileira passa por um período delicado. O consumo das famílias, componente que representa cerca de 60% do PIB, registrou crescimento de 2,9% nos últimos cinco trimestres, contra média de 5,8% nos cinco trimestres anteriores, no acumulado em 12 meses. Ainda que a formação bruta de capital fixo tenha avançado nos últimos dois trimestres, diante das perspectivas negativas para o cenário relevante, é difícil esperar uma retomada persistente desse componente ao longo de 2013.

Pelo lado da oferta, os serviços também são uma incógnita. Nos últimos cinco trimestres, o crescimento médio desse componente, que representa quase 70% do valor adicionado, ficou em 1,7%, contra 4,2% nos cinco trimestres anteriores, também no acumulado em 12 meses. Consumo e serviços, grandes beneficiários da política econômica expansionista dos últimos anos, mostram sinais de acomodação em um nível de crescimento menor.

Ademais, outra contradição do cenário doméstico, o baixo crescimento somado a baixo desemprego, mostra sinais de reversão. Os dados da pesquisa mensal do emprego do IBGE e do cadastro geral do emprego e desemprego do Ministério do Trabalho mostram que, paulatinamente, a taxa de desocupação tem aumentado e o ritmo de contratações formais diminuído. A série com dados dessazonalizados mostra que a taxa de desemprego ficou em 5,6% em junho, ante 5,5% em maio. O ritmo de contratações no ano, terminado em junho, é o menor desde 2009.

Ampliando a análise com a inclusão do cenário externo, a perspectiva se torna ainda mais cautelosa. A Europa ainda respira por meio de aparelhos, refazendo o complicado tecido social e político que dá base à união monetária. A China, diante da redução do mercado potencial para suas exportações, tem no aumento do consumo interno o objetivo maior de seu último plano quinquenal. Isso, entretanto, depende de mudanças profundas no modelo chinês de desenvolvimento, como, por exemplo, a manutenção de salários baixos, visando praticar custos reduzidos frente a maior parte dos países. Já os EUA estão atentos às melhorias no mercado de trabalho, para que seja possível reduzir as compras mensais de títulos públicos e privados, hoje na casa de US$ 80 bilhões.

A perspectiva negativa no ambiente doméstico e a expectativa de redução dos incentivos de quantitative easing promovidos pelo FED geraram nas últimas semanas um fluxo negativo no mercado de divisas. A saída de capitais externos reduziu a oferta de dólar, fazendo com que a moeda brasileira se desvalorizasse mais de 10% frente à moeda norte-americana. O quadro externo, composto por redução de importação de commodities da China e menor crescimento mundial, tem gerado déficit na balança comercial brasileira ao longo de 2013, o que se soma no lado do comércio ao menor fluxo financeiro, registrando um quadro de contínua desvalorização da taxa de câmbio.

Nesse sentido, como esperar a inflação ao longo de 2013? O cenário doméstico é composto por redução do crescimento, por menores pressões vindas do grupo de transporte (por conta das reduções de tarifa feitas em junho) e também por uma safra agrícola recorde. De outro lado, temos um setor de serviços que tem índices de preços crescendo a dois dígitos já há alguns anos, mas que com o menor ritmo de contratação registrado

...

Baixar como (para membros premium)  txt (7.7 Kb)  
Continuar por mais 4 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com