TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Estudo De Caso O Ambiente Organizacional Da Petrobras

Artigos Científicos: Estudo De Caso O Ambiente Organizacional Da Petrobras. Pesquise 790.000+ trabalhos acadêmicos

Por:   •  10/3/2014  •  1.497 Palavras (6 Páginas)  •  2.570 Visualizações

Página 1 de 6

Questões para discussão:

1. De acordo com o caso, quais são os stakeholders internos e externos da

Petrobras?

Por se tratar de uma empresa governamental a Petrobras é uma importante estatal, de grande importancia no plano estrategico governamental brasileiro , sendo que seu principal stakeholder interno (grupos de interesse) é o Estado brasileiro, detentor de 32% do capital da empresa e 55,6% das ações ordinárias (com direito a voto). O ministro das Minas e Energia é membro da diretoria da organização e toma decisões sobre os investimentos e estratégia da empresa. São também stakeholders internos os demais acionistas da empresa, cujas fontes citam números que variam de duzentos mil a mais de um milhão. Tamanha discrepância deve-se ao fato da Petrobras passar por um processo de capitalização e venda maciça de ações, logo dados mais precisos precisam de constante atualização. Dentre os principais acionistas, destaca-se também o grupo de investimentos BlackRock, dono de 6,16% das ações preferenciais emitidas pela Petrobras. Ainda como stakeholders internos, podemos citar os 56 mil funcionários, o Sindipetro (sindicato dos petroleiros), e o apparatchik administrativo apontado pelo governo e pelos demais acionistas. Quanto aos principais stakeholders externos, notoriamente estão os consumidores do petróleo, gás natural e derivados. Sendo combustível e elemento básico na indústria, a produção da Petrobras acaba tendo impacto direto em todos os setores produtivos da economia. Outro stakeholder preponderante é a mídia, principal destino dos quase meio bilhão de reais gastos anualmente em propaganda pela Petrobras, dez vezes mais do que a estatal investe na cultura nacional.

2. O fato de o governo brasileiro ser o principal acionista da empresa afeta sua posição de Stakeholtder? Justifique.

Sendo a Petrobras uma empresa ainda majoritariamente estatal, a influência do governo nela se dá pelo uso político dos cargos dos dirigentes administrativos através da nomeação feita pelo presidente da República. Com isso, de quatro em quatro anos, são comuns completas reestruraçães do topo da companhia, prejudicando o planejamento de longo prazo. Desta forma a empresa torna-se assim uma extensão do governo, onde a administração da Petrobras tem de encontrar uma equação que agrade os interesses das duas partes. Não obstante, a entrada de capital privado na Petrobras tende a diminuir a posição de stakeholder do Estado/governo, que tem de dividir com os demais acionistas.

3. Por que podemos dizer que, até 1995, os concorrentes não eram um

Stakeholder da organização? Como isso afetou o crescimento organizacional?

Explique.

Até 1995, a Petrobras detinha o monopólio de prospecção, exploração e refino do petróleo no Brasil. Deste modo, a empresa não possuía concorrentes internos no país, o que a permitiu um crescimento contínuo em suas atividades e ganhos, apesar de não estimular sua produtividade e eficiência. A elevação da receita e dos lucros possibilitou que a petrobras aumentasse seus investimentos, não apenas na área produtiva, mas também em pesquisa e desenvolvimento de novas técnicas. Com isso a organização tornou-se a maior exploradora de águas profundas do mundo.

4. Como a influência governamental afeta a política de preços da empresa?

Por ser o principal acionista da empresa com mais de 55,6% das ações ordinárias com direito a voto, o governo tem total influência nos preços elevados dos combustiveis e derivados do petrólio, que mesmo por se tratar de um país auto susténtavel em reservas de petrólio, e desconsiderando-se os países europeus, onde a gasolina é naturalmente cara devido àquele continente ter de importar quase todo o petróleo que consome, o preço do combustível no Brasil é dos mais altos do mundo. Isso apesar da tão alardeada autossuficiência. A gasolina brasileira consegue ser duas vezes mais cara que nos Estados Unidos, outro país que importa petróleo bem mais que produz. A razão deste feito é por causa dos altos impostos (cerca de 50% do preço na bomba) e a docilidade do brasileiro em pagar taxas. De acordo com a reportagem da Folha de São Paulo, o governo brasileiro usa o preço da gasolina como instrumento de política monetária para combater a inflação. No Brasil, o combustível tem seu preço só parcialmente definido pelas cotações do petróleo no mercado internacional. Quando esta cotação aumenta, o governo tem a opção de diminuir certas taxas para não repassar o custo aos consumidores de uma vez.

5. Por que, desde 2001, o número de acionistas estrangeiros da empresa cresceu muito? O que esse fato representa para a empresa? Por que ele pode prejudicar a opinião pública sobre a empresa?

Porque com a criação da Petrobras Internacional S.A (Braspetro). Desde a criação dessa subsidiária, a atuação internacional da Petrobras tornou-se cada vez mais importante. A empresa está presente em 23 países e planeja investir, de 2007 a 2011, mais de 12 bilhões de dólares nas atividades internacionais. No entanto desde 2001, as ações da Petrobras passaram a ser negociadas juntamente com as ações ordinárias na Bolsa de Nova York (Nyse). Isso representou um enorme crescimento da empresa desde então. Ela também teve sua auto-identidade e imagem alteradas (houve a mudança do nome, de Petrobrás para Petrobras, embora se sugeriu até Petrobrax). Criou-se também uma nova logomarca sem o “BR verdeamarelo”, específica para as operações no exterior, de modo a evitar a associação como sendo uma empresa estatal ou mesmo para não amedrontar nossos vizinhos ante “el imperialismo brasileño”. O mais notório, no entanto, é o crescimento ímpar da empresa

...

Baixar como (para membros premium)  txt (9.4 Kb)  
Continuar por mais 5 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com