TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Resenha Critica Documentario: Politicas De Saude No Brasil

Trabalho Escolar: Resenha Critica Documentario: Politicas De Saude No Brasil. Pesquise 793.000+ trabalhos acadêmicos

Por:   •  20/7/2014  •  683 Palavras (3 Páginas)  •  66.139 Visualizações

Página 1 de 3

Politicas de Saúde no Brasil – Um século de luta pelo direito à saúde.

Ficha técnica

O documentário foi dirigido por Renato Tapajós e tem duração de 1 hora. Foi realizado por iniciativa da Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa, do Ministério da Saúde, em parceria com a Organização Pan-Americana da Saúde e a Universidade Federal Fluminense. Ano de Produção: 2006. Pode ser visto em <http://videolog.uol.com.br/video.php?id=285134> e para recebê-lo, escreva para: sgep.dema@saude.gov.br ou para: Departamento de Monitoramento e Avaliação da Gestão do SUS - Edifício-sede - 4º Andar, Sala 403; CEP 70058-900; Brasília-DF.

RESUMO E CRÍTICA

O documentário retrata as políticas de saúde em nosso país, articuladas à história da política brasileira. Demonstra todas as etapas percorridas até a implantação do SUS.

O filme inicia com o surto de várias epidemias, o que desperta a preocupação dos trabalhadores do que lhes aconteceria caso caíssem doentes. Antigamente só os ricos tinham acesso à assistência médica, já os pobres dependiam das benzedeiras e da caridade.

A disseminação das epidemias preocupavam os políticos, pois prejudicavam a produção e exportação do café. Foram produzidas vacinas com o objetivo de controlar as epidemias. As pessoas eram obrigadas a se vacinar, caso contrário eram tratadas como inimigas da saúde pública.

As milhares de mortes pela gripe espanhola, a insatisfação dos operários e as primeiras greves operárias marcam a revolta dos excluídos pobres e desassistidos. Iniciam-se os acordos entre patrões e empregados. Eloi Chaves apresenta a lei que passa a regulamentar o direito a aposentadorias e pensões (Caixa de Aposentadorias e Pensões ou CAPs).

Em 1930 Getúlio Vargas unifica as Caixas de Aposentadorias e Pensões e convoca em seguida a Constituinte de 1934. Foram criados os Institutos de Aposentadorias e Pensões (IAPs), que passam a garantir assistência médica e aposentadoria aos trabalhadores. Contudo, os recursos adquiridos com o percentual dos salários dos trabalhadores, foram investidos na industrialização brasileira.

Getúlio Vargas criou o Ministério do Trabalho que passa a gerir os IAPs. Porém este dinheiro foi utilizado em projetos de risco do empresariado, como o Sesp (Serviço Especial de Escola Pública. Em 1945 Getúlio Vargas é deposto e volta em 1950 pelas eleições diretas. Mesmo ano em 1950 foi criada a TV Tupí, a nova face do processo de industrialização do país. Em 1953 foi criado o Ministério da Saúde. Com a morte de Vargas e o advento do Plano de Metas do Governo JK, no setor saúde, a idéia de ¨planejar o desenvolvimento¨ é fortalecida.

Paralelamente aos IAPs ocorre a ampliação da rede hospitalar. Eram feitos repasses de recursos da previdência para a iniciativa privada. Com a unificação do sistema previdenciário, o INPS passa a concentrar as contribuições previdenciárias, aposentadorias e pensões.

É criado o INAMPs O Iapas não consegue manter a assistência médica e aumenta as contribuições dos trabalhadores. Ocorre um alto descredenciamento dos hospitais privados do SUDSUS (Sistema Unificado e Descentralizado de Saúde). Movimentos populares, unindo o povo, profissionais de saúde, estudantes e professores fizeram

...

Baixar como (para membros premium)  txt (4.5 Kb)  
Continuar por mais 2 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com