TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

"AS NEVES DO KILIMANJARO" E A FILOSOFIA ARISTOTÉLICA

Por:   •  23/5/2014  •  664 Palavras (3 Páginas)  •  718 Visualizações

Página 1 de 3

“AS NEVES DO KILIMANJARO” E A FILOSOFIA ARISTOTÉLICA

Anna Florença Anastasia

O filme “As Neves do Kilimanjaro” se passa na França e começa com um sorteio que iria demitir vinte trabalhadores de uma fábrica. Michel, o protagonista, operário e sindicalista, é quem faz o sorteio, e entre os vinte nomes o dele está incluído.

Raoul, seu amigo e colega de trabalho, questiona sua atitude, dizendo que Michel não precisava ter colocado seu nome na urna, mas ele queria ser justo.

Depois disso, familiares e amigos organizaram uma festa para a comemoração de vinte anos de casados de Michel e sua esposa, Marie-Claire. O presente, dado por todos, eram passagens para a África e um valor em dinheiro, para o casal fazer a viagem que tanto sonhavam. Michel, além disso, havia convidado todos aqueles que foram demitidos no sorteio.

O que Michel não esperava era que um dos ex-funcionários fosse, com um cúmplice, roubar suas passagens e seu dinheiro.

Michel consegue identificar o ladrão através de uma revista de história em quadrinhos e o denuncia.

Christope, o “ladrão”, cuidava dos dois irmãos, sustentava a casa e não tinha trabalho. Seria justo um ex-operário ganhar uma viagem para a África, enquanto outro ex-operário não consegue pagar seu aluguel? O que é justo para um, é justo para o outro?

A certa altura do filme, Michel pergunta à sua esposa o que eles pensariam se os vissem, no terraço, tomando um vinho e apreciando o pôr-do-sol, como burgueses. Marie-Claire responde que “eles parecem felizes. Teríamos dito... para terem esse ar feliz, jamais fizeram alguém sofrer. Jamais foram indiferentes com os outros”.

Essa afirmação, na perspectiva aristotélica, significa a preocupação de Aristóteles em demonstrar que a noção de felicidade é uma noção humana e realizável. O caminho para a felicidade é a prática ética, que constrói o comportamento virtuoso.

Christope é preso e, segundo o delegado, deveria ficar preso por oito anos, por ser réu primário, e mesmo que o assalto tenha sido consumado com uma arma de brinquedo.

A partir disso, Michel começa a se questionar se fez a coisa certa, se foi justo. Então ele retira a queixa, embora isso já não mude mais nada.

No dia da audiência, Michel vai conversar com Christope, e justifica-se dizendo que o sorteio era o que havia de mais justo.

Christope não concorda e responde que “poderiam ter examinado a situação de cada um”. Isso porque alguns tinham mulheres que trabalhavam, antigos funcionários receberiam indenização, etc. O que era justo para um, não era justo para o outro.

Os princípios éticos não se aplicam

...

Baixar como (para membros premium)  txt (4.2 Kb)  
Continuar por mais 2 páginas »