TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Psicomotricidade e o desenvolvimento infantil Contribuições para o ensino fundamental

Por:   •  9/2/2017  •  Monografia  •  2.456 Palavras (10 Páginas)  •  280 Visualizações

Página 1 de 10

Psicomotricidade e o desenvolvimento infantil

Contribuições para o ensino fundamental

Introdução

         Segundo a associação brasileira de psicomotricidade a psicomotricidade é a ciência que tem como objetivo de estudo o homem através de seu corpo em movimento e em relação ao seu mundo interno e externo.

        Está relacionada ao processo de maturação onde o corpo é a origem das aquisições cognitivas, afetivas e orgânicas. É sustentada por três conhecimentos básicos: o movimento, o interior e o afeto.

        Portanto a psicomotricidade constitui uma concepção de movimento organizado e integrado em função das experiências vividas pelo sujeito.

        Diante do pressuposto no qual o homem é observado e estudado através do corpo, queremos aprofundar o tema quanto a importância da psicomotricidade no desenvolvimento infantil, visando o equilíbrio e o desenvolvimento motor e intelectual da criança e sua contribuição para superação dos déficits nesse processo.

        A psicomotricidade está presente em todas as atividades que desenvolvem a motricidade das crianças, contribuindo para o conhecimento e o domínio de seu próprio corpo e se constitui como base fundamental para o processo de aprendizagens dos indivíduos.

        O desenvolvimento psicomotor evolui do geral para o específico. No decorrer do processo de aprendizagem, os elementos básicos da psicomotricidade: esquema corporal, estruturação espacial, lateralidade, orientação temporal e pré- escrita, sendo importantes para que a criança associe noções de tempo e espaço, conceitos e ideias, enfim adquira conhecimentos, um problema em um desses elementos poderá prejudicar a aprendizagem, criando algumas barreiras.

        A criança em que apresenta o desenvolvimento psicomotor mal constituído poderá apresentar problemas na escrita, na leitura, na direção gráfica, na distinção das letras, na ordenação de sílabas, no pensamento abstrato e lógico.

        Esse artigo tem por base compreender e explanar que a má formação psicomotora pode acarretar dificuldades no ensino fundamental, diante disso abordaremos qual o papel da escola no auxilio e prevenção.

        A escola tem o papel fundamental no desenvolvimento do sistema psicomotor da criança, principalmente quando a educação psicomotora for trabalhada na educação infantil e nas series iniciais, criando possibilidades para que o movimento se transforme em comportamento significante, dando oportunidade por meio de jogos, atividades lúdicas que conscientize-se corporalmente desenvolvendo aptidões perceptivas como meio de ajustamento do comportamento psicomotor.

Primeiro capítulo

O desenvolvimento motor da criança segundo Wallon

        Na busca de compreender a base do psique humano, para posteriormente analisar a fase motora, e então compreender a junção de ambas, passamos à analisar a concepção de Henri Wallon.

        A psicogenética Walloniana identifica a atividade infantil como distribuídas em campos da afetividade, motricidade e inteligência. No início há pouca diferença entre ambas, através do crescimento do ser, tomam independência.

        O estudioso tem suas pesquisas e análises voltadas para as crianças, pois acredita que, através delas pode-se ter acesso à gênese dos processos psíquicos.

        Seus estudos abrangem  os vários momentos de sua evolução e procura mostrar quais são as diferenças, vínculos e  envolvimentos (implicações) com a personalidade do ser, nas diferentes etapas.

        Para Wallon o ser humano é biologicamente e socialmente indissossiável, sua existência ocorre entre as exigências do organismo e da sociedade, ou seja, entre a matéria viva e a consciência. Á um diálogo constante entre as disposições internas de sentimentos e as situações exteriores.

        O estudioso analisa a criança como um todo, propondo o estudo integrado do desenvolvimento, nos vários campos funcionais da infância, afetividade, inteligência e motricidade.

        Durante seus estudos sobre síndromes psicomotoras, ficou evidente a relação entre movimento, psiquismo e também, o papel fundamental exercido pelo meio social.

        Segundo Wallon a criança, dialoga com o meio em que está inserida, instalando-se uma dinâmica recíproca entre sujeito e ambiente.

        Aspectos físicos de espaço, pessoas, linguagem, e o próprio contexto cultural, formam o desenvolvimento.  É da interação com o meio, que a criança retira os recursos para essa formação.

        Porém, o meio não é algo estátil, através de suas necessidades e de sua fase de maturação, a criança escolhe o campo à aplicar sua conduta, havendo assim o diálogo com o ambiente.

        No início da concepção do ser, o biológico predomina, mas progressivamente, o social toma espaço. Desde a aquisição de habilidades motoras básicas, até as condutas psicológicas superiores, como a inteligência, a influência  do meio e essencial.

        Em seus estudos sobre a criança, enfatiza , o comportamento emocional,  a inteligência, e o ato, centralizado na passagem da motricidade para ação.

        Wallon entende os estágios como a construção progressiva do desenvolvimento, alternando o afetivo e o cognitivo.

        Para o mesmo durante a transição de um estágio para outro não ocorre apenas a ampliação de conhecimento, mas sim, uma reformulação do mesmo.

        Entende-se que através de sua maturação, as ações relacionadas ao movimento, tornam-se cada vez mais conscientes.

        A teoria de estágios de Wallon, divide-se em 3 fases que vai de 0 a 6 anos.

        Analisemos as para compreender o processo de maturidade da criança.

  •          0 a 1 ano - Estágio impulsivo e emocional

        No primeiro estágio a afetividade é predominante impulsiva, estabelecida pelo olhar, o contato físico e gestos.

        As ações efetuadas nos bebês com até 3 meses tem necessidade fisiológicas de sobrevivência (sono, fome, desconforto ou relaxamento).

        A partir dos 6 meses iniciasse a vida psíquica da criança, os movimentos são gerados por emoções cada vez mais intencionais e voltados para pessoas específicas. Nessa fase que inicia-se a construção da pessoa.

        O bebê começa a perceber que sua fisionomia e postura corporal causa efeito imediato nas pessoas ao seu redor.

  •         1 a 3 anos  - Estágio sensório motor e projetivo

        Com a chegada do primeiro ano, a criança começa a ter maturação de seu sistema nervoso e  dá -se  início ao estágio projetivo, que vai até os 3 anos de idade. Nesse momento, ela começa a ter interesse e curiosidade pelo seu corpo e as diferenças entre o seu e dos outros.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (14.2 Kb)   pdf (119.9 Kb)   docx (17.1 Kb)  
Continuar por mais 9 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com