TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

A Literatura de Cordel

Por:   •  4/7/2019  •  Artigo  •  4.484 Palavras (18 Páginas)  •  24 Visualizações

Página 1 de 18

Literatura de cordel: uma abORDAGEM INTERDISCIPLINAR PARA O ESTUDO DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA

Ana Milce Magno Cunha¹[1]

 

 

RESUMO

Dentre as diversidades de expressões da cultura popular, está a literatura. No cenário literal e popular encontra-se o Cordel. O presente artigo discute a importância do estudo de uma das mais sublimes literaturas culturais do Brasil, a Literatura de Cordel, onde apresenta à cultura do norte e nordeste brasileiro, como uma abordagem interdisciplinar em sala de aula. Para a contemplação desta temática, faz-se necessário conhecer este tipo de leitura que é tão rica de cultura, aspectos históricos, linguagens e fonte de informações. O objetivo do artigo é expor aos estudantes e educadores da área de Humanas sobre a conscientização e valorização do estudo da variação linguística interdisciplinarmente no ambiente escolar, perpassando sobre os fatores que podem contribuir para que ocorra o fenômeno linguístico, social, econômico e cultural. Esta abordagem permite ao público alvo conhecer os aspectos linguísticos adotados nas relações interpessoais a qual faz parte e, concomitante a isto, aproximar-se da cultura, neste caso, a arte cordelista. Deste modo, as descobertas da pesquisa apontam para a necessidade de se desenvolver uma pedagogia culturalmente sensível para lidar com a variação linguística.

Palavras-chave: Cordel. Linguística. Literatura. Nordeste.

INTRODUÇÃO

O presente artigo visa fornecer subsídios aos estudantes e educadores da área de humanas sobre a importância do estudo da variação linguística em sala de aula, perpassa pelos fatores que podem contribuir para que ocorra este fenômeno, como: o cultural, social e econômico.

 O artigo foi baseado na pesquisa realizada em 2012.1, tendo como público alvo duas turmas do 1º ano do Ensino Médio Regular, que comportava 61 (sessenta e um) alunos na faixa etária entre 16 (dezesseis) e 18 (dezoito) anos de idade, de uma escola estadual da rede pública localizada na zona central do município do Cantá – RR. As descobertas desta pesquisa apontam para a necessidade da escola contemplar o estudo da diversidade linguística de modo interdisciplinar.

 A arte e a interatividade em sala de aula devem ser recursos utilizados para se chegar à compreensão dos complexos processos que envolvem os diferentes falares, esta abordagem especial permite aos discentes compreender o porquê dos aspectos linguísticos adotados por eles e concomitante a isto, aproximar-se de sua cultura. Faz-se necessário assim, enriquecer o desenvolvimento cognitivo do educando, ampliando o seu léxico de forma a contribuir com a fala e questões sociais que estão inseridos.

A arte cordelista é um tipo de poesia popular que apresenta marcas do discurso oral e os textos podem ser lidos de forma cantada. O cordel originou-se em Portugal em meados do século XVIII, sendo trazido ao Brasil por volta de 1932. O apogeu artístico ocorre nas regiões do norte e nordeste brasileiro.

 Deste modo o presente artigo explana, de maneira sensível, o papel da escola na apreciação do estudo das variantes linguísticas, propondo a conscientização e a valorização deste tema de modo interdisciplinar e interacionista. Por isso, investigar a utilização da literatura de cordel como método de trabalho pedagógico, estabelece um elo entre os alunos e sua cultura.

1 UMA ABORDAGEM INTERDISCIPLINAR PARA O ESTUDO DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA 

O que diferencia o homem dos outros animais é que ele possui a habilidade da fala. “Aristóteles afirma que o homem é um animal político, isto é, social e cívico, porque somente ele é dotado de linguagem.” (Chaui, 2005, p.147). O uso da linguagem permite aos indivíduos exprimir e possuir em comuns valores o que torna possível a vida social e política e, dela, somente os homens são capazes.

Seja por meio da linguagem oral, escrita ou de sinais, o indivíduo busca expressar seus pensamentos, ideais, a moral e a ética. Existem comunidades que não são letradas, mas todas fazem uso da linguagem oral.

A escola tradicionalmente confere a importância do domínio da escrita, propondo que basta a correção ortográfica para garantir a competência comunicativa. O estudo da fala não é contemplado pelo pressuposto de que o aluno já domina esta habilidade antes de ter acesso ao ensino escolar. Deste modo, variação linguística apresentada pelos alunos perde-se no anonimato.

Populismo à parte, a educação linguística nesse sentido (a educação escolar) é um exercício de confronto em que o aluno amadurece as condições de sua própria sobrevivência como portador de uma cultura desprestigiada e como o individuo cuja experiência, por mais densa que seja, perde-se no anonimato.

Contudo, nota-se de fato que a oralidade e a escrita não estão em competição. Cada uma tem sua história e seu papel na sociedade, por isso é válido analisar todos os pontos destas abordagens para encontrar a melhor forma de se trabalhar a fala e a escrita nas escolas, sempre tendo como parâmetro não apenas a norma culta da língua, mas também mostrar um leque de possibilidades e diversidades no âmbito da leitura.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (30.2 Kb)   pdf (285.8 Kb)   docx (99.8 Kb)  
Continuar por mais 17 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com