TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

RESENHA CRÍTICA LIVRO PRECONCEITO LINGUÍSTICO POR PAOLA FONSECA

Por:   •  25/1/2017  •  Resenha  •  1.604 Palavras (7 Páginas)  •  1.591 Visualizações

Página 1 de 7

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

LINGUÍSTICA II - AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM E SOCIOLINGUÍSTICA

PROFESSOR: EDUARDO KENEDY

ALUNA: PAOLA FONSECA DOS SANTOS


RESENHA CRÍTICA

PRECONCEITO LINGUÍSTICO

O autor do livro Preconceito Linguístico é Marcos Bagno, tradutor, escritor e linguista, Doutor em Filologia e Língua Portuguesa pela Universidade de São Paulo (USP), professor no Instituto de Letras da Universidade de Brasília, possui diversas obras publicadas e vários prêmios, dentre eles o Prêmio Nestlé de Literatura em 1988 e o Prêmio Carlos Drummond de Andrade de Poesia, além de traduzir História concisa da linguística, de Bárbara Weedwood (Parábola Editora, 2002) e outras obras de autores como Balzac, Voltaire, H. G. Wells, Sartre, Oscar Wilde, etc. E recentemente, se tornou membro da Universidade Federal Fluminense (UFF), atuando como professor de mestrado e doutorado.

Em 2015, decidiu fazer uma nova edição de seu livro Preconceito Linguístico, agora na Parábola Editorial, afim de comemorar os 15 anos de sua última edição, e aproveitou para acrescentar em sua obra, artigos referentes ao nosso contexto histórico atual.

O professor Bagno já inicia sua obra com duas citações: uma da Revista Nova Escola, maio de 1999; e outra do Professor Gregory Guy, professor de linguística da Universidade de York, Canadá e ambas concordam com seu ponto de vista elogiando essa grande obra que contesta e comprova certos “mitos” relacionados à fala e à gramática normativa existente no Brasil, como pode ser visto nos trechos abaixo:

Diz-se que o “brasileiro não sabe Português” e que “Português é

muito difícil”. [...]

Tudo por causa da confusão que se faz entre língua e gramática

normativa (que não é a língua, mas só uma descrição parcial

dela). Separe uma coisa da outra com este livro, que é um

achado.

Revista Nova Escola, maio de 1999.

“Eu gostaria que alguém já tivesse escrito um livro como este

sobre a língua inglesa”.

Prof. Gregory Guy, Universidade de York (Canadá).

Seu livro é dividido por capítulos e subcapítulos onde: o primeiro fala sobre a mitologia do preconceito linguístico e é constituído por 8 subcapítulos, que na verdade descreve e explica cada mito referente a língua portuguesa; o segundo fala sobre o círculo vicioso do preconceito linguístico onde ele explica o trio formado pela gramática tradicional, ensino tradicional e os livros didáticos; no terceiro capítulo, ele fala sobre como reconhecer esse preconceito, mudar de atitude, etc.; o quarto capítulo é constituído por críticas à gramática tradicional; e por último, um anexo que é uma carta à revista Veja, criticando em peso, a publicação de um texto assinado pelo João Gabriel de Lima chamado “Falar bem e Escrever bem, eis a questão” que veremos mais a frente alguns trechos.

Para falar um pouco sobre os mitos citados em seu livro, em sua palestra, o mais novo integrante da UFF, nos mostrou e explicou todo o processo de ascensão da língua portuguesa no Brasil, desde os primórdios (“descoberta” do país). Explicou que o preconceito não é somente linguístico, mas também social, em que aqueles que possuem um poder aquisitivo maior, discriminam o pobre pela sua forma de falar, de se comportar, de se vestir, entre outros.

E com isso, essa classe dominante vive numa “corrida em busca por palavras rebuscadas” (referência à “corrida do ouro” que ocorreu no século XVII no Brasil) que por muitas das vezes, não existem ou não condizem com a realidade da fala, ou seja, essa classe prefere inventar “normas” que acabam por se tornar verdade, a falar como o restante do povão (atenção para o uso correto da regência do verbo preferir). E pessoas “renomadas” como o Professor Pasquale Cipro Neto, colunista da Folha de S. Paulo, contribuem e muito para que isso ocorra.

 Em sua carta à revista Veja, Bagno retira o seguinte trecho da Gramática da Língua Portuguesa, Editora Scipione, SP, 1998, uma obra desse professor, referente a uma explicação para o uso “correto” do verbo custar:

Custar, no sentido de “ser custoso”, “ser penoso”, “ser difícil” tem como sujeito

uma oração subordinada substantiva reduzida. Observe:

Ainda me custa aceitar sua ausência.

Custou-nos encontrar sua casa.

Custou-lhe entender a regência do verbo custar.

Ao compararmos o modo de utilização do verbo atualmente com alguns trechos de autores conceituados e muito mais antigos que o próprio Professor Pasquale, veremos:

...

Baixar como (para membros premium)  txt (10.3 Kb)   pdf (171.1 Kb)   docx (15.3 Kb)  
Continuar por mais 6 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com