TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Sonho de Uma Noite de Verão

Por:   •  19/9/2015  •  Artigo  •  1.643 Palavras (7 Páginas)  •  152 Visualizações

Página 1 de 7

Sonho de uma noite de verão –– W. Shakespeare

A peça teatral trata do gênero cômico-dramático, numa visão do clássico estereótipo do casal de enamorados, que do amor são proibidos, por questões sociais, financeiras e de tratos familiares, comumente firmados pelas aristocracias até o século XIX.

O primeiro ato da cena começa com o diálogo apaixonado, de linguagem rebuscada e apropriada á época, com tons exageradamente apaixonados e poéticos entre dois exemplares da alta classe social, que tem o privilégio de estarem apaixonados um pelo outro, enquanto discutem os últimos detalhes do casamento próximo. Em seguida entra a família que fará parte do tema central de personagens, onde há um triângulo amoroso inserido a ser resolvido, de maneira unilateral.

Na cena II desenrola-se o ensaio para a peça dentro da peça, ou seja, um grupo de comediantes idealiza um espetáculo para entreter o duque e sua esposa futura Hipólita, durante a festa de casamento. O diretor da cena é Quince e o pastelão é Bottom, ou seja, o mais falastrão e egocêntrico, que acha que é o melhor entre todos e se tenta mostrar que é capaz de fazer qualquer papel da cena.

O enredo dessa peça se assemelha a idéia inicial da trama principal, onde se imagina uma tragédia anunciada entre amores não correspondidos, sendo que há o foco na morte dos heróis de forma chocante ao publico que assistirá, como próprio nome propõe, A mais lamentável comédia, a mais cruel morte de Píramo e Tisbe.

O cenário inusitado gira, paralelamente, em torno do mundo de fantasia dos contos infantis, onde elfos, fadas e outros convivem com o mundo dos humanos e o influencia, além do que têm de resolver seus próprios entraves e conflitos de interesses. Eles não são meros personagens de segundo plano, deixam sua marca quando se equiparam a deuses gregos ou reis romanos, onde têm seus súditos e “fiéis escudeiros” a lhe servirem e realizarem os desejos.

Em um conto infantil, quando existem fadas, duendes e elfos, estes, geralmente são espécies de benfeitores, que ajudam os heróis a vencerem seus intentos ou batalhas, colaborando para um final feliz. No caso do enredo shakesperiano, há uma inversão de propósitos.  

A Rainha dos elfos, Titânia, esta num conflito pessoal, em que tem decidir em proteger uma criança que ficou sob seus cuidados e resistir ao pedido de seu marido, o Rei dos Elfos, Oberon, que por ciúme e egocentrismo, quer que ela ceda as suas vontades e para isso, está disposto a usar de magia para enganá-la, porém ao confiar a tarefa a seu súdito Puck, não sai como esperado.

ELEMENTOS PARADOXAIS DA TRAGI-COMÉDIA SHAKESPERIANA

 Diante dos principais atos que serão desenrolados durante a história, é preciso caracterizar em que se baseia a sua essência, bem como as características intrínsecas de cada personagem central, o que os motiva e qual agrupamento cujo significado o autor quer dar a vida aos seus personagens e como ele deseja interagir com os espectadores, seja pela tentativa de passar uma idéia, uma didática, moralidade ou simplesmente causar surpresa ou ser surpreendido pelo publico.

A temática se entretém em meio a varias facetas: amores proibidos, amores não correspondidos, casamento por conveniência paterna, o medo da tragédia iminente ou de um escândalo, ofensa a honra, traição de confiança, inveja, lealdade ao amor devotado, ciúme, gratidão, peraltices, trapalhadas, orgulho e entretenimento.

Além desses elementos, o espetáculo em si, como forma, tenta prender a atenção da platéia com efeitos visuais e sonoros, como a dicção e modo de falar de seus personagens, não meramente ao acaso.

Estabelece-se uma posição paradoxal, elemento essencial á tragédia, que é a posição do pai de Hérmia com relação a sustentar a palavra dada ao cavalheiro que prometeu sua filha em casamento e ceder ao desejo da filha com relação a um amor que ela mesma escolheu. Para se esquivar disso, pede ajuda ao duque de Atenas, se eximindo da culpa do confronto. E será que o próprio duque não se contradiz intimamente, quando decide pela lei dos costumes, em detrimento aos sentimentos dos jovens apaixonados, quando ele mesmo esta se casando por amor? Há ai o choque de moralidade: um socialmente necessário e o outro em obedecer ao que seu coração pede, uma vez que ele mesmo esta indo pelo segundo caminho, embora sem infringir o primeiro.

Eis o momento propício á aludida tragédia, pois quem infringe às leis esta sujeito a pena de morte. Para Hérmia restam duas escolhas: o cárcere de um convento ou a fuga para outras terras, uma vez que ela não deseja aceitar o casamento imposto com Demétrio.

Mas, de acordo com Heliodora (2004), em suas reflexões sobre as tragédias: “Em função do domínio universal da Igreja Católica na Europa Ocidental, não existiu tragédia na Idade Média, e a forma dramática que mais se aproxima dela é a “moralidade”, que se preocupava essencialmente com a morte e salvação da alma.”

...

Baixar como (para membros premium)  txt (10.5 Kb)   pdf (111.3 Kb)   docx (15.3 Kb)  
Continuar por mais 6 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com