TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

UMA BREVE ANÁLISE PSICANALÍTICA DO LIVRO “A METAMORFOSE” DE FRANZ KAFKA

Por:   •  14/9/2018  •  Trabalho acadêmico  •  1.953 Palavras (8 Páginas)  •  124 Visualizações

Página 1 de 8

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE

História das Ciências da Saúde

RIVKA BARROS PEREIRA

UMA BREVE ANÁLISE PSICANALÍTICA DO LIVRO “A METAMORFOSE” DE FRANZ KAFKA

Porto Alegre

Junho/2017

INTRODUÇÃO

        Neste presente trabalho será apresentada uma análise feita sobre a obra de Franz Kafka, “A Metamorfose”, escrita em 1912. A abordagem teórica, as premissas e as ideias centrais usadas para a análise são embasadas na Psicanálise de Freud.

        É objetivo desse trabalho trazer os principais conceitos de Freud no que se refere ao Consciente, Pré-Consciente e Inconsciente, assim como também os conceitos de Id, Ego e Superego apresentados de uma forma prática na vida e realidade do personagem principal, Gregor Samsa.

        O trabalho não visa explicar a obra e também não tem o intuito de narrar a história. Sendo assim, para uma melhor organização, os comentários acerca da história serão feitos após os trechos que aqui também serão dispostos.

  1.  “A Metamorfose” - PARTE I

1.1        “Certa manhã, ao despertar de sonhos intranquilos, Gregor Samsa encontrou-se em sua cama metamorfoseado num inseto monstruoso…”

        Nesse primeiro trecho do livro é possível estabelecer duas conexões acerca das ideias de Freud escritas em seu ensaio Mal-Estar na Civilização. A primeira é em relação ao conceito de Sublimação, isto é, parte da ideia que o ser humano é essencialmente um sistema de energia e deve, portanto, comportar-se de acordo com o Princípio de Conservação de Energia, segundo essa lei, a energia não pode ser destruída, apenas transferida ou transformada. Nesse sentido, as pulsões instintivas - e aqui também se aplicam os instintos sexuais - que existiam em Gregor na sua forma humana, agora tiveram de ser transformadas no seu atual estado metamorfoseado. Pode-se dizer que essas energias agora estão concentradas no seu mais primitivo instinto animal, na busca pela sobrevivência, e no seu modo de vida como inseto, todavia, elas não foram destruídas, apenas transferidas.

        A segunda conexão estabelecida entre a metamorfose de Gregor e as ideias Freud está na terceira parte do seu ensaio o Mal-Estar na Civilização, no qual Freud discorre sobre as exigências da sociedade sobre os indivíduos e os impactos que elas causam neles. Freud afirma que as três exigências mais fortes da civilização é a beleza, a limpeza e a ordem, ou seja, voltando à obra de Kafka, é possível perceber justamente a contradição do estado de inseto de Gregor em relação à beleza (o inseto monstruoso não pode ser belo), à limpeza (o inseto come alimentos podres e rasteja no chão sujo), e à ordem (o inseto não segue um conceito de organização). Dessa forma, a metamorfose transforma Gregor no oposto daquilo que a sociedade espera de um indivíduo adequado.

1.2        “Estou no maior aperto, mas saberei trabalhar para sair dessa…”

        De modo geral, Gregor Samsa apresenta, durante toda a obra, um equilíbrio muito forte entre o Id, Ego e Superego. Na maior parte do tempo, seus pensamentos e reflexões sobre a vida se organizam no seu Consciente de forma que o ajuda a encarar as dificuldades do seu estado metamorfoseado.  Nesse trecho é possível perceber as convicções do personagem acerca da realidade e suas demandas.

1.3        “Senhor gerente, peço que o senhor não vá embora sem antes ter me dito uma palavra que seja que me mostre que o senhor pelo menos me dá um pingo de razão!”

        Essa exclamação é feita após uma longa reflexão de Gregor. De acordo com Freud, tudo aquilo que está no pensamento ou que é buscado do Inconsciente pelo indivíduo agora é Consciente. Na frase referida, Gregor está na tentativa de afirmar as ideias que estão no seu Consciente, ou seja, ele busca, pela comunicação, um recurso para confirmar que aquilo que está no seu pensamento, é de fato verdadeiro. Acerca disso, Freud diz “Tal qual as coisas físicas, as psíquicas não são necessariamente aquilo que parecem ser na realidade”. Esta poderia ser uma justificativa para a qual Gregor deseja conhecer o que de fato seria a realidade.

1.4        “mas Gregor temia impacientar o pai com a perda de tempo empenhada nessa operação, e a cada instante a bengala na mão do pai o ameaçava com um golpe fatal nas costas ou na cabeça.”

        Também na obra Mal-Estar na Civilização, mais precisamente na quarta parte, Freud explica que a necessidade de satisfação sexual trouxe ao homem outras formas de felicidade, e aí começa a formação das famílias, na qual cada participante exerce um papel importante para que haja vantagem nessa relação durável. O que acontece na família Samsa, é que um dos seus integrantes já não consegue mais desempenhar sua função e a partir desse momento, não é mais vantajoso mantê-lo por perto. Isso é mais instintual ao pai, uma vez que a mãe estabelece um elo (chamado de genital por Freud) fortíssimo com o filho. Por isso o sentimento de “livrar-se de Gregor” é recorrente no pai, assim como aparece no trecho acima.

2.        “A Metaformose” - PARTE II

2.1        “Ele (Gregor) deslocou-se devagar, tateando ainda sem jeito com suas antenas, às quais só agora aprendia a dar valor…”

        Nesse trecho, Gregor começa a criar uma consciência de corpo. Resgatando o conceito de Sublimação outrora citado, é possível perceber o quanto suas pulsões energéticas de humano já estão se tranferindo para outros aspectos da vida animal. Aqui, Gregor canaliza a energia para criar consciência da importância das partes do corpo e as diferentes utilidades de cada uma delas.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (11.4 Kb)   pdf (141.6 Kb)   docx (304.3 Kb)  
Continuar por mais 7 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com