TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

A escola como agente facilitador na aprendizagem do estudante com Transtornos do Espectro Autista

Por:   •  13/11/2018  •  Trabalho acadêmico  •  2.795 Palavras (12 Páginas)  •  111 Visualizações

Página 1 de 12

 A escola como agente facilitador na aprendizagem do estudante com

Transtornos do Espectro Autista

1. INTRODUÇÃO

O Transtorno Autista é uma condição classificada no DSM-5[1]como pertencente à categoria denominada transtorno global do desenvolvimento (TGD),que juntamente com outros transtornos apresentam características que afetam o desenvolvimento cognitivo, afetivo e psicomotor. Entre os transtornos que fazem parte do (TGD) podemos citar também: síndrome de Rett, síndrome de Asperger, transtorno desintegrativo da infância, entre outros.

 O autismo está relacionado ao (TGD) e recebendo o nome de Transtornos do Espectro Autista (TEA).  Assim, o (TEA) é definido como um distúrbio do desenvolvimento neurológico, apresentando déficits nas dimensões sociocomunicativa e comportamental (NUNES,AZEVEDO; 2013).

Nessa perspectiva a escola auxilia no processo de aprendizagem e sociabilização desse estudante com autismo, pois oportuniza a interação desse aluno no contexto escolar.

No que se refere às questões educacionais, nas últimas duas décadas ficaram evidenciadas as constantes preocupações em relação à percepção do professor sobre o Autismo, e como o professor enfrenta a realidade de acolher e atender seu aluno autista junto com os demais alunos.

Para compreender o autismo é necessário que o professor esteja em constante aprendizagem sobre a síndrome sempre revisando a sua prática pedagógica.As frequentes pesquisas nessa área sempre trazem novas informações, com isso o professor tem que estar em contato com o conhecimento.

O presente artigo teve como objetivo analisar, por meio de pesquisa de campo, quais as concepções e práticas pedagógicas de professores de apoio da rede pública de ensinocom alunos autistas em classes inclusivas, do município de Fazenda Rio Grande.

Esse tema é de interesse de todos os profissionais envolvidos na prática pedagógica, pois visa indaga criticamente como vem sendo atendidos os alunos com autismo inclusos nas salas do ensino regular.

2.DESENVOLVIMENTO

2.1 AUTISMO

O autismo é uma síndrome comportamental com etiologias diferentes na qual o processo de desenvolvimento infantil encontra-se profundamente distorcido (BOSA; 2000). O autismo, também conhecido como transtorno autistico,autismo da infância, autismo infantil e autismo infantil precoce, entre os transtornos invasivos do desenvolvimento (TID) (KLIN;2006). O autismo infantil também é definido como transtorno global do desenvolvimento (TGD) e como transtorno autista pela DSM-5, (ALVES;LISBOA;LISBOA; 2010).

O aluno autista tem características de isolamento, o que empobrece suas habilidades comunicativas. Segundo a Associação de Amigos do Autista (AMA), o autismo é um transtorno de desenvolvimento e não pode ser definido como uma forma de retardo mental, palavra autismo atualmente pode ser associada a diversas síndromes. Os sintomas variam amplamente, por isso, atualmente o autismo é considerado um transtorno (FREITAS; 2009).

A educação de uma criança portadora de autismo, sem dúvidas é um processo complexo que envolve todos os profissionais do âmbito escolar, em especifico o professor.

O aluno com autismo necessita de uma atenção especial, pois a singularidade dessa síndrome abrange, segundo Goldberg (2002) vários modelos de Autismo que vão desde teorias psicogênicas até os modelos neuropsicológicos, como porexemplo o distúrbio no lobo frontal.

2.2 BREVE HISTÓRICO

Kanner, em 1943, fez um estudo com 11 crianças que tinham em comum um comportamento bastante diferente. Sugeriu que se tratava de uma inabilidade inata para estabelecer contato afetivo e interpessoal, ou seja, uma incapacidade de relacionar-se e no caso é uma síndrome bastante rara. Esse conjunto de sinais foi por ele visualizado como uma doença específica relacionada a fenômenos da linha esquizofrênica(SCHWARTZMAN;1995).

Durante os anos 50 e 60 do século passado, houve muita confusão sobre a natureza do autismo e sua etiologia, e a crença mais comum era a de que o autismo era causado por pais não emocionalmente ligados ao seu filho (KLIN;2006).

Essa teoria foi chamada de teoria psicogênica. Esta perspectiva fundamenta-se nas teorias psicanalíticas e defendem que as crianças autistas eram normais no momento do nascimento, mas que, devido a fatores familiares. O desenvolvimento afetivo das crianças era afetado provocando um quadro autista. Na maior parte do mundo, tais noções foram abandonadas (BOSA;2000) (GRAEL; 2006).

...

Baixar como (para membros premium)  txt (18.8 Kb)   pdf (251 Kb)   docx (111.6 Kb)  
Continuar por mais 11 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com