TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Resenha Tempos Modernos de Chaplin

Por:   •  12/6/2018  •  Resenha  •  1.471 Palavras (6 Páginas)  •  167 Visualizações

Página 1 de 6

          Tempos Modernos é um dos mais conhecidos filmes. O filme é estrelado por Chaplin como Tramp que interpreta um trabalhador em um meio industrializado, de uma linha de montagem de fábrica. No percurso do filme ele se envolve em lutas dos trabalhadores, tem alguns desentendimentos com a lei, se apaixona, é confundido com um comunista, em suma, ele é um membro do proletariado no início do século 20. O filme está cheio de crítica política e social. De alguns dos conceitos mais importantes da obra Capital, de Karl Marx, existem dois pontos que eu gostaria de considerar, são: (1) a importância do controle do tempo do trabalhador e (2) a relação do trabalhador com a máquina do capitalista.

          A título de explicação breve e simplista, Marx mostra em sua obra que a única maneira para o capitalista para criar lucros ou mais-valia é através do uso e controle da força de trabalho. O trabalhador trabalha para reproduzir o seu próprio valor, ou seja, para ganhar dinheiro suficiente para comprar as coisas que ele precisa para viver, e assim todo o tempo trabalhado além do necessário que é mais-valia foi ganho para o capitalista. Portanto, quanto menos o capitalista pode pagar o trabalhador, mais tempo ele pode forçar o trabalhador a trabalhar, mais eficiente ele pode fazê-lo funcionar, e o grau em que ele pode maximizar a quantidade de tempo que ele trabalha é maior, dando vantagem para o capitalista. Em outras palavras, a quantidade de lucro obtido pelo capitalista depende de seu controle ao longo do tempo do trabalhador.

          A destreza com que este conceito é representado em Tempos Modernos é notável. Aproximadamente os primeiros 20 minutos do filme se passa em uma enorme fábrica industrial, "Electro Steel Corp.", onde Tramp trabalha como um apertador de parafusos. O presidente da empresa preside a fábrica a partir de um grande escritório equipado com um amplo sistema de vigilância. Com um simples movimento das mãos, ele pode ver o que está acontecendo em cada parte de sua fábrica em todos os tempos em uma tela gigante atrás de sua mesa. Desta forma, os trabalhadores podem ser repreendidos no primeiro sinal da ociosidade ou queda na produtividade. "Momentos” escreve Marx, são "os elementos do lucro", e este sistema garante que nem um único momento seja desperdiçado. Além disso, se o presidente determinar que uma determinada seção não esteja operando a plena capacidade, ele sinaliza um subordinado para aumentar a velocidade de uma linha de montagem, aumentando assim a quantidade de trabalho extraído dos trabalhadores. Isto coincide perfeitamente com a noção de Marx de que o trabalho deve "ser gasto com a quantidade média de esforço e o grau usual de intensidade; e o capitalista é tão cuidadoso para ver se isso é feito, como ele é para garantir que seus trabalhadores não estejam ociosos por um único momento”.

          Chaplin descreve este conceito em um momento belo e hilariante alguns minutos no filme. Outro trabalhador ocupa sua função com isso, e ele é capaz de deixar a linha de montagem por alguns momentos, ele anda por um corredor, bate o ponto um relógio de tempo, e entra em um banheiro onde, acende um cigarro, e senta-se sobre a pia para fazer uma pequena pausa. De repente, o rosto do presidente aparece em uma tela atrás dele, que grita dizendo para ele voltar ao trabalho.  

          Uma das sequências mais engraçadas do filme sublinha mais uma vez este conceito de controle do tempo do trabalhador do capitalista. Um grupo de vendedores visita o presidente a fim de lançar um dispositivo prático que alimenta automaticamente os seus homens, enquanto trabalham. Não parando para o almoço estará à frente de seus concorrentes. A máquina de alimentação irá eliminar a hora do almoço, aumentar a produção e diminuir suas despesas gerais. "Eles testam a máquina em Tramp, o equipamento é bastante violento e tem mau funcionamento, resultando em uma das sequências mais conhecidas da obra de Chaplin. No final da demonstração, o funcionário é nocauteado, e o presidente rejeita a máquina por não ser prático. Afinal, a produtividade obtida pela eliminação da hora do almoço é inútil se o trabalhador está incapacitado depois. Mas o importante aqui é que o presidente e não o Tramp, que decide pela praticidade da máquina almoço. Como Marx diz: "A partir do instante em que ele entra na empresa, o valor de uso de sua força de trabalho e, portanto, também a sua utilização, que é o trabalho, pertence ao capitalista."

          O que impressiona ainda mais do que a representação de controle do tempo do trabalhador na fábrica do capitalista é a maneira que Chaplin demonstra o domínio do tempo sobre a sociedade capitalista em geral. 

           Além disso, nesta sociedade capitalista, quando você não estiver empregado, você tem que gastar todo o seu tempo tentando encontrar trabalho. Desta forma, mesmo quando você está fora do controle de um capitalista específico, você ainda está nas garras do sistema. Perto do final do filme, Tramp está comendo um pequeno almoço em uma casa improvisada com uma moça, chamada Gamin, uma órfã. É o primeiro bom café da manhã entre eles dura pouco tempo quando ele se senta, ele vê uma manchete no jornal dizendo: "Fábricas Reabrem! Homens estão sendo colocados para trabalhar.” Imediatamente, ele pula e sai correndo para a fábrica, onde ele faz parte de uma multidão de outros homens tentando obter trabalho.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (8.3 Kb)   pdf (82.4 Kb)   docx (13.5 Kb)  
Continuar por mais 5 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com