TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

TRABALHO FILOSOFIA E ETICA

Por:   •  15/2/2016  •  Trabalho acadêmico  •  1.813 Palavras (8 Páginas)  •  67 Visualizações

Página 1 de 8

[pic 1]

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA – MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

[pic 2]

Disciplina: Filosofia e Ética

Professor: Dr. Valter Afonso Vieira

Aluna: Aline de Sousa Ramos Conejo

TRABALHO

(fazer uma redação para cada uma das quatro questões com ao menos 20 linhas em cada questão, totalizando 4 * 20 = 80 linhas)

  1. As relações de poder estão cada vez mais em voga nas organizações, chefes perdem a mora e compostura ética para alavancar a moral. Já passou por um caso deste tipo? Faça uma redação salientando os aspectos de uso do poder por chefes, gerentes e outros exemplos que se encaixam dentro dessa estrutura? (Faça uma redação concordando ou discordando dos pontos elencados, mostrando sua opinião com argumentos; valor 1,0)

Resposta:

Poder é o que as pessoas mais desejam, mas nem todos sabem utilizar da maneira correta, muitas pessoas só pensam em comandar, ás vezes isso até atrapalha, pois fica difícil trabalhar sob pressão. Na minha opnião, acho que seria mais produtivo, o chefe ser amigo de sua equipe, pois  é muito melhor trabalhar em um ambiente harmonioso, lógico que o patrão tem que impôr regras e condições, devendo um respeitar ao outro.

Infelizmente já presenciei momentos em que minha ex-chefe perdia a compostura ética, cobrava muito de seus funcionários, humilhava o empregado na frente dos clientes, desvalorizando seu trabalho e a sua capacidade, mesmo assim exigia que o funcionário assumisse várias funções, fazendo com que este tivesse uma carga horária maior sem remuneração alguma por isso, controlava a vida dos mesmos até mesmo fora do horário de serviço, misturando vida profissional com vida pessoal, e acima de tudo os seus funcionários era vigiados com câmeras durante todo o expediente.

Particularmente, não concordo com nenhum método que minha ex-chefe adotava, jamais deveria desvalorizar o serviço de seu empregado para o cliente, se não estivesse satisfeita deveria conversar em particular com o mesmo, corrigindo-o da melhor maneira possível, fazendo com que ele não se chateasse contra isso. O patrão não deve misturar vida profissional com pessoal, o compromisso com seu subordinado é dentro da empresa, o que ele faz fora do seu trabalho não deve justificativa a ninguém, ele mesmo responde por seus atos. O patrão que não tem confiança em seu funcionário é melhor nem contratar, pois monitorá-los pode atrapalhar muito o seu rendimento.

  1. No modelo americano da crise no setor imobiliário em 2008 havia as agências de ratings (http://pt.wikipedia.org/wiki/Ag%C3%AAncia_de_classifica%C3%A7%C3%A3o_de_risco_de_cr%C3%A9dito) . Essas são agências que avaliam fundos de investimentos e dão notas (A,B,C, etc) para esses fundos. Então, um cidadão empresta dinheiro do banco Alfa, que depois vende a sua carteira de dívidas a receber para a organização Beta. A organização Beta revende para a financiadora Omega a carteira de boletos. Isto é o chamado combinação complexa de derivativos (CDO - Colateralized Debt Obligation). Imagine isto para empréstimo de carros, casas, financiamento escolar, cartão de crédito, etc. O ponto chave é vender uma expectativa de dívida, que pode não valer muito. Quando o sistema americano quebrou, as agências de ratings foram consideradas culpadas, pois deram notas triplas AAA para fundos que no outro dia não valiam nada. O senado americano tentou culpar as agências de ratings, pois quanto mais nota elas davam, mais valor tinha na carteira para fazer a transação de compra/venda. A conclusão, as agências de ratings por meio de seus advogados não foram culpadas, pois elas não “avaliam” fundos, elas apenas “dão opiniões” sobre os fundos, basta a sociedade querer aceitar ou não a sua ideia. Moralmente e filosoficamente, qual é a sua opinião sobre isto. (Faça uma redação concordando ou discordando dos pontos elencados, mostrando sua opinião com argumentos; valor 1,0)

Resposta:

As agências de ratings realmente foram culpadas quando o sistema americano quebrou, pois a principal causa disso acontecer foi a realização de empréstimos hipotecários de forma irresponsável para credores que não tinham capacidade para pagar, esse fato não teria sido tão grave se não dessem notas triplas AAA, talvez não tinha nem quebrado o mesmo, eles eram muito ambiciosos. 

No ínicio de 2000 houve aumentos de empréstimos mais arriscados, mesmo assim muitos deles ainda recebiam AAA, o credor nao tinha mais cuidado se o mutuário iria pagar, os bancos de investimento também não se importavam, pelo contrário até prefiriam pois quanto mais CDOs eles vendiam, mais altos eram seus lucros, e depois eles vendiam a dívida para outros investidores em todo o mundo, ficando os mesmos responsáveis por receber dos credores.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (11.7 Kb)   pdf (118.3 Kb)   docx (85.8 Kb)  
Continuar por mais 7 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com