TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

"O PRÍNCIPE", DE MAQUIAVEL (1513)

Por:   •  3/9/2019  •  Trabalho acadêmico  •  4.404 Palavras (18 Páginas)  •  293 Visualizações

Página 1 de 18

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ (UFPI)

CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E LETRAS (CCHL)

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS (DCJ)

DISCIPLINA: CIÊNCIA POLÍTICA

PROFESSORA: ANDRÉIA MARREIRO BARBOSA

ALUNO: JONAS CARDOSO NASCIMENTO

Teresina-PI, 3 de maio de 2016

Chevallier, Jean-Jacques. O Príncipe, de Maquiavel (1513). In:______. As grandes obras políticas de Maquiavel a nossos dias. 6 ed. Rio de Janeiro: Agir, 1993. Cap 1, p. 17-49. Tradução de Lydia Cristina.

CAPÍTULO I

"O PRÍNCIPE", DE MAQUIAVEL (1513)

O CENÁRIO E AS CIRCUNSTÂNCIAS

“O Renascimento, no sentido estrito da palavra, é um movimento intelectual que se inicia no final do século XV, florescendo no primeiro quarto do século XVI” (p. 17)

“O indivíduo, enquadrado pelas comunidades, desde a família até a profissão, às quais pertencia por decreto da Providência, conduzido pela Igreja ao reino do Céu, para sua eterna salvação, vai, pouco a pouco, libertar-se da longa disciplina católica da Idade Média, para buscar por si o caminho, em uma fecunda ou estéril solidão.” (p. 18)

“É na Itália, mais do que em qualquer outra parte, que esse indivíduo renovado... exprime a palavra italiana virtu que trairia a francesa vertu), irrompe, explode, goza agressivamente de sua emancipação.” (p. 18)

“A situação política da Itália era propícia a essa irrupção dos indivíduos plenos de virtu, a seu florescer além do bem e do mal.” (p. 19)

“Ao redor de quatro eixos fixos, Roma, Veneza, Milão e Florença, havia uma multidão de Estados, "proliferando, pululando, apodrecendo, fazendo-se, desfazendo- se, refazendo-se", freqüentemente com auxílio dos estrangeiros, franceses e espanhóis, que haviam invadido a Itália.” (p 19)

“Os condonieri, que alugavam pela melhor oferta seus bandos mercenários, batendo-se mal e traindo melhor, esforçavam-se para saquear mesmo em tempo de paz. Tal era a Itália em fins" do século .XV, devastada por dissensões e crimes, em meio a mais esplêndida floração artística que a humanidade jamais conheceu desde os tempos antigos.” (p. 19)

“A incomparável Florença, na primavera tão suave, de atmosfera seca e leve, propícia às ideias claras e aos juízos lúcidos, fora, mais do que qualquer outra cidade, devastada pelas contendas das facções, até que" os Médicis, família de ricos banqueiros, - a partir de 1434, com Cosme, - se apoderassem do Poder. Lourenço... consumara a ruína das antigas liberdades públicas, tão caras aos corações florentinos.” (p. 19)

“Lourenço morre em 1492; seu sucessor, Pedro, tem de fugir em 1494, diante do povo revoltado contra o acordo que negociara com o rei da França, Carlos VIII.” ( p. 20)

“Restabelece-se a República em Florença. Mas, para cair, durante três anos, nas mãos do· frade dominicano Jerônimo Savonarola” (p. 20)

“Ele anatematiza a' cupidez e' a luxúria da Roma papal; recusa o chapéu cardinalício e injuria o papa Alexandre VI Bórgia... Sua aventura terminará, de fato, com a morte, depois de peripécias dramáticas: processo e torturas. É enforcado e queimado, com dois de seus fiéis, a 23 de maio de 1498” (p. 20)

“Simbolicamente, poucos dias após o suplício do frade dominicano, a 15 de junho de 1498, Nicolau Maquiavel, aos vinte e nove anos de idade, entra oficialmente na vida pública, como secretário da segunda Chancelaria da República florentina... Em seguida, sem deixar a segunda Chancelaria, é colocado como secretário à disposição dos Dez de Liberdade e de Paz, magistrados eleitos, encarregados de diversos serviços públicos e, em particular, da correspondência com os representantes de Florença no estrangeiro.” (p. 20)

“Medíocre é a situação, bem mal remunerada, de Nicolau Maquiavel, e medíocre a sua vida. Vida de funcionário, de burocrata, que executa ordens, debatendo-se entre mesquinhas intrigas de colegas e preocupações financeiras.” (p. 21)

“...Maquiavel, como sucede aos funcionários superiores dos ministérios, freqüentemente se viu encarregado de missões, ora no estrangeiro, ora na própria Itália... Conheceu assim a França de Luís XII, a Alemanha do imperador Maximiliano, notável pela riqueza das cidades e pelo espírito militar dos habitantes: "Seus soldados, escreve ele, nada lhes custam, pois todos os habitantes-são armados e treinados". O problema de organizar um exército nacional preocupava constantemente Maquiavel, que obteve dos Dez o encargo de organizar uma milícia florentina, o que permitiria à República não ficar mais à' mercê dos mercenários.” (p. 21)

“Na própria Itália, uma das missões de Maquiavel aproximou- o, em 1502, de César Bórgia, duque de Valentinois, filho do papa Alexandre VI... Modelo acabado da grande fera da Renascença, mostro encantador, produziu em Maquiavel inesquecível impressão (‘Esse senhor é extraordinariamente esplêndido e magnífico ...’ ). (p. 21)

“Achava-se em bom caminho a carreira do secretário florentino, após quatorze anos de serviços inteligentes e devotados, quando de novo se alterou o regime de Florença (1512). A República, absorvida nos redemoinhos da luta entre o papa Júlio II e o rei da França, Luis XII, teve sua milícia (a obra de Maquiavel, infelizmente, em nada correspondeu à sua expectativa) dizimada pelas forças da Liga Pontifical. Os partidários dos Médicis aproveitaram-se do desastre para restabelecer "os magníficos Médicis em todas as honras e dignidades de seus ancestrais". Maquiavel, funcionário da República, foi destituído de todas as suas funções, e banido de Florença.”( p. 21, 22)

“Maquiavel, desfavorecido, vive numa modesta casa de campo que lhe pertence, perto de San Casciano, nos arredores de Florença. Passa dificuldades; tem mulher e filhos para alimentar; sente-se cheio de rancor e de tédio... Expande-se nas cartas a seu eminente amigo Vettori, embaixador de Florença em Roma... Uma dessas cartas, de 10 de dezembro de 1513, é célebre...” (p. 22)

“ Maquiavel descreve seus dias melancólicos. Prepara armadilhas aos tordos, manda cortar as árvores de seu bosque, conversando com os lenhadores.” (p. 22)

...

Baixar como (para membros premium)  txt (28.5 Kb)   pdf (172.5 Kb)   docx (24.3 Kb)  
Continuar por mais 17 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com