TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Avaliação On-Line 1 (AOL 1) - Desafio Colaborativo

Por:   •  10/9/2019  •  Trabalho acadêmico  •  596 Palavras (3 Páginas)  •  5 Visualizações

Página 1 de 3
  1. DOENÇA MITOCONDRIAIS

Também chamada de disfunção mitocondrial, aborda de um problema pertinente a produção de energia, pelo fato das mitocôndrias serem as responsáveis pela energia eficaz para o corpo. Essa doença pode ser relacionada com as atividades celulares, pois são pequenas organelas localizados dentro do citoplasma da célula, que produzindo seu próprio material genético, o DNA mitocondrial e assim quando os genes nesse tipo de DNA sofrem alguma alteração ocasionam diversas doenças.

 Lembrando, que as mitocôndrias, organelas celulares, não são adequadas no processamento completo da comida e do oxigênio para gerar energia, que de fato é essencial para um funcionamento celular natural.

Apresenta agravamento na doença quando trata da heteroplasmia, que referindo-se a presença de mais de um tipo de DNA mitocondrial nas células. Ou seja, quando o portador da doença expõe duas linhagens diferentes de mitocôndrias em seu organismo.

  1. DOENÇA ARTERIAL CORONARIANA – DAC

A Doença Arterial Coronariana, distinguida pela sigla DAC, é a decorrência da obstrução das artérias coronárias, onde, os vasos sanguíneos que irrigam o músculo do coração. Logo, a doença coronariana é o resultado da formação de placas de aterosclerose, que são placas de tecido fibroso e colesterol, que desenvolvem e amontoam-se na parede dos vasos a ponto de atrapalhar a passagem do sangue.

A formação de placas, se dar pela reação em cadeia: O LDL (lipoproteínas de baixa densidade) é oxidado pelas quatro principais células presentes na lesão aterosclerótica: macrófagos, linfócitos, células endoteliais e células musculares lisas. Depois de oxidado o LDL e captado avidamente pelos macrófagos. Como o LDL oxidado é tóxico para os macrófagos acaba provocando a morte das células, com perpetuação dos mecanismos inflamatórios, imunológicos e, consequentemente, progressão da lesão vascular.

  1. PELAGRA

Esta pode ser descrita com uma doença nutricional caracterizando-se pela deficiência de niacina (vitamina B3) e triptofano, tipo de aminoácido essencial.

Pautando essa doença com as atividades vitais das células, atualmente, esta doença é analisada como um déficit de nicotinamida no interior da célula. Sendo por causa primária (déficit nutricional) ou secundária (doença subjacente).

A nicotinamida é um essencial componente das coenzimas NAD (nicotinamida adenina dinucleotídeo) e NADP (nicotinamida adenina dinucleotídeo fosfato). Tais coenzimas trabalhando como transportadoras de hidrogênio, sendo subsídios básicos na técnica de oxigenação celular. As coenzimas sintetizadas a partir do ácido nicotínico desempenham papel fundamental no metabolismo dos carboidratos, aminoácidos e lipídeos, além de agirem no processo de síntese dos hormônios adrenocorticais partindo-se da acetilcoenzima-A na dehidrogenação do álcool etílico e no convertimento do ácido láctico em ácido pirúvico. Fazendo parte também no ciclo do ácido cítrico, processo este responsável pelo fornecimento de energia à célula. Alterações no processo de respiração celular afetam inicialmente órgãos de alta demanda metabólica como o cérebro e de turnover celular (pele e mucosas). Isto justifica o porquê de tais órgãos serem os principais acometidos na pelagra. (JÚNIOR JVO et. Al., 2008)

...

Baixar como (para membros premium)  txt (4.2 Kb)   pdf (62 Kb)   docx (9.2 Kb)  
Continuar por mais 2 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com