TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

RESENHA CRÍTICA DO FILME POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL: UM SÉCULO DE HISTÓRIA

Por:   •  6/1/2021  •  Trabalho acadêmico  •  1.162 Palavras (5 Páginas)  •  11 Visualizações

Página 1 de 5

[pic 1]                         [pic 2]

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL – CAPES

SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA –SEAD

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA- PPGASC

ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO EM SAÚDE

ATIVIDADE FINAL – RESENHA CRÍTICA DO FILME POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL: UM SÉCULO DE HISTÓRIA

VITÓRIA

2020

ATIVIDADE FINAL – RESENHA CRÍTICA DO FILME POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL: UM SÉCULO DE HISTÓRIA

Trabalho apresentado ao Curso de Especialização Gestão em Saúde da Universidade Federal do Espírito Santo como requisito parcial para obtenção de crédito na disciplina Desenvolvimento e Mudanças no Estado Brasileiro.  

Orientador: Profª Drª Ana Claudia Pinheiro Garcia

Tutor a Distância: Profª Fernanda Moura Vargas Dias

Tutor Presencial: Profª Teresa Cristina Ferreira da Silva

VITÓRIA

2020

RESENHA CRÍTICA DO FILME POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL: UM SÉCULO DE HISTÓRIA

A procura pela melhoria da saúde ocorreu em diversos momentos da história do país, o tema do documentário expressa exatamente isso: “um século de luta pelo direitos a saúde”, onde nele apresenta a progressão da saúde desde a revolta da vacina até nosso atual momento mostrando como foi o nascimento do sistema único de saúde (SUS) e os ideais que induziram a sua implantação. O SUS representa uma verdadeira conquista, para todos aqueles que lutaram pela saúde do povo brasileiro, por uma saúde onde haja como base a universalidade, equidade e integralidade.

O documentário inicia contando sobre os surtos de múltiplas epidemias que devastavam as cidades como Rio de Janeiro e São Paulo, mostra como a população de baixa renda só dispunha de atendimento filantrópico nos hospitais de caridade mantidos pela Igreja. Com isso os portos entram em crise, gerando um problema, já que a economia do país se sustentava principalmente pela exportação do café, era de suma importância controlar as epidemias para se manter boas relações com o exterior, além de manter a política de imigração. Em 1904 ocorreu a criação de vacinas para lutar contra as diversas doenças sendo instituída a lei de vacinação obrigatória contra a varíola, que não foi aceita pela população criando a revolta da vacina. Em 1923 foi criando as Caixas de Aposentadoria e Pensão (ofereciam assistência médica ao funcionário e a família, aposentadorias e pensões) instituições essas eram mantidas pelas empresas que ofereciam esses serviços aos seus funcionários, porém quando Getúlio Vargas assume o poder é instituído o Ministério da Educação e Saúde e as caixas são substituídas pelos Institutos de Aposentadoria e Pensões (IAPs) e passam a ser geridos por institutos sindicais. Em 1960, ocorreu o pacto dos IAPs em um regime único para todos os trabalhadores regidos pela Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), excluindo os trabalhadores rurais, empregados domésticos e funcionários públicos. Aconteceu em 1967 pelas mãos dos militares a unificação de IAPs e a consequente criação do Instituto Nacional de Previdência Social (INPS). Surgiu então uma demanda muito maior que a oferta, fazendo com que o governo pague a rede privada pelos serviços prestados à população. No ano de 1974, os militares criaram o Fundo de Apoio ao Desenvolvimento Social (FAS), que auxiliou a remodelar e ampliar a rede privada de hospitais, por meio de empréstimos com juros subsidiados. Em 1978 ocorreu a criação do Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social (Inamps), que auxiliou dos repasses para iniciativa privada. A 8ª Conferência Nacional de Saúde foi um grande marco na história do SUS, pois resultou na implantação do Sistema Unificado e Descentralizado de Saúde (SUDS), um convênio entre o INAMPS e os governos estaduais. Destaca-se ainda a Constituição de 1988 que foi um marco na história da saúde pública brasileira, ao definir a saúde como "direito todos e dever do Estado".

Cumpre salientar que através da disciplina, bem como do documentário ficou evidenciado à ausência de investimento na saúde para os mais pobres, demonstrando que o governo federal buscava favorecer os planos de saúde. Outro ponto que chama atenção quanto à saúde é que faltava incentivo no governo com a população quanto a importância da vacina e que a mesma protegia vida, no entanto, ao obrigar sem informar a população quanto ao benefício da vacina ocorreu no Brasil a revolta da vacina. No decorrer da história do Brasil averigua-se a importância de ter um direito à saúde, e isso ficou evidenciado no documentário, tendo em vista as condições em que a população de mão de obra trabalhava, logo se fez necessária a realização das primeiras greves destes trabalhadores. Apesar dos investimentos do governo federal nos planos de saúde este não atendiam a classe mais pobre do Brasil, acrescenta-se que foi através de movimentos sociais que ocorreu uma mudança significativa do direito à saúde neste país.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (7.8 Kb)   pdf (110.4 Kb)   docx (31.8 Kb)  
Continuar por mais 4 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com