TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

 Uma Introdução Ao Planejamento Estratégico

Artigos Científicos:  Uma Introdução Ao Planejamento Estratégico. Pesquise 793.000+ trabalhos acadêmicos

Por:   •  22/4/2013  •  3.800 Palavras (16 Páginas)  •  587 Visualizações

Página 1 de 16

Uma Introdução ao Planejamento Estratégico

Em face da aceleração das mudanças tecnológicas e da globalização, organizações lucrativas e não-lucrativas têm incorporado o planejamento estratégico aos seus processos de gestão. O ponto focal da estratégia ¬ a formulação da missão e da visão ¬ leva as organizações a definirem seus objetivos de longo prazo e a alcançá-los. Este trabalho trata de algumas questões centrais do conceito de plano estratégico, assim como da complexidade e da incerteza que lhe são inerentes.

Sob condições de mudanças ambientais rápidas e descontínuas, as tradições e as experiências existentes não serão mais suficientes para enfrentar as novas oportunidades e ameaças.

Sem o benefício de uma estratégia unificadora, partes diferentes da organização podem desenvolver respostas distintas, contraditórias e ineficazes. A reorientação será prolongada, turbulenta e ineficiente, podendo vir tarde demais para garantir a sobrevivência.

...Para enfrentar descontinuidades, é preciso escolher as direções certas para o crescimento futuro, dentre muitas alternativas e saber como mobilizar as energias de um grande número de pessoas na nova direção escolhida.

A resposta a essas questões representa a essência da formulação estratégica. Nessa altura, a estratégia passa a ser uma ferramenta de gestão essencial.1

Para fazer face à aceleração das mudanças externas (decorrentes em grande parte da globalização e da intensificação das mudanças tecnológicas) e às descontinuidades e complexidade delas decorrentes, uma quantidade crescente de organizações lucrativas e não-lucrativas têm incorporado o planejamento estratégico nos seus processos de gestão.

Pesquisa recente realizada pela empresa de consultoria Bain & Company2 junto a 784 executivos de diversos setores econômicos da Europa, Estados Unidos e Ásia revela que a ferramenta gerencial mais apreciada e empregada atualmente é o Planejamento Estratégico; seguindo-se a formulação da Missão/Visão (na verdade um ponto focal da estratégia) que leva a organização a definir seus objetivos, num horizonte de longo prazo, e como alcançá-los.

Este trabalho trata de algumas questões centrais na formulação de estratégias em organizações: o próprio conceito de Plano Estratégico, numa perspectiva multidimensional; a complexidade e incerteza que lhes são inerentes e o desafio da escolha estratégica.

O Plano Estratégico como um Conceito Multidimensional 3

Numa primeira aproximação, pode-se considerar um Plano Estratégico (esteja ele escrito ou não) como um conjunto coerente de grandes prioridades e de decisões que orientam o desenvolvimento e a construção do futuro de uma organização num horizonte de longo prazo. É uma ferramenta gerencial essencial para impor uma racionalidade central às decisões, estimular a convergência de esforços e focalizar a atenção dos decisores nos fatores-chave para o sucesso da organização.

Conceitualmente, o significado de Plano Estratégico é muito simples. Ele representa o caminho que a instituição escolhe para evoluir desde uma situação presente, até uma situação desejada no futuro ("ano horizonte"), num horizonte de longo prazo e sob condições de incerteza.

Numa perspectiva mais abrangente, o Plano Estratégico é um conceito multidimensional que abrange todas as atividades críticas de uma instituição, dotando-os de senso de unidade, direção e propósito, assim como facilitando as mudanças necessárias induzidas por seu ambiente.

O Plano Estratégico como um modelo de decisões coerente, unificado e integrador

É muito comum considerar o Plano Estratégico como uma importante força que integra a organização como um todo.

Sob esta perspectiva, o Plano é uma espécie de "modelo" (escrito ou não) que orienta e preside as principais decisões e ações da organização. Este modelo muitas vezes pode ser deduzido a partir do que ela realmente faz. Neste caso, podemos pesquisar a instituição, de uma perspectiva histórica, e identificar a natureza de sua tomada de decisão e o desempenho resultante.Os modelos estratégicos daí inferidos podem ser diferenciados quando são detectadas descontinuidades importantes nas direções das organizações, provenientes de mudanças na sua alta administração ou acionadas por eventos externos importantes que clamam por reposicionamentos estratégicos. As eras de uma organização geralmente estão associadas aos respectivos Planos Estratégicos.

O Plano Estratégico como um meio de estabelecer o propósito da organização em termos de seus objetivos de longo prazo, programas de ação e prioridades de alocação de recursos

Esta é uma das mais clássicas visões do conceito de Plano Estratégico: ele é um instrumento que define explicitamente a razão de ser e os objetivos de longo prazo da organização, estabelece os programas de ação necessários para alcançá-los e aloca os recursos necessários para tanto. Trata-se de uma conceituação pragmática. Primeiro, precisamos definir a razão de ser (missão) e os objetivos de longo prazo da organização, os quais devem ter um certo sentido de permanência. Exceto em casos extremos, ou em face das profundas alterações nas condições externas ou internas, a missão e estes objetivos não devem ser modificados. Nada pode ser mais destrutivo e perturbador que reorientações freqüentes dos objetivos maiores da instituição, sem fortes razões que não sejam as hesitações da gerência. Redirecionamentos estratégicos contínuos da organização confundem todos os seus acionistas, controladores, gerentes, empregados e clientes.

A estabilidade desejada dos objetivos de longo prazo não deve, contudo, impedir readaptações freqüentes nas ações concretas da instituição. E isto é feito através do reexame periódico ou eventual dos programas de ação estratégica (ou Planos Táticos), que são orientados para o curto e médio prazos, enquanto perseguem a congruência com os objetivos de longo prazo.

Finalmente, esta dimensão indica a relevância da alocação de recursos como uma das etapas mais críticas da implementação do Plano Estratégico. O alinhamento entre programas e objetivos estratégicos, de um lado, e a alocação de recursos humanos, financeiros, tecnológicos e físicos da organização, de outro, é essencial para assegurar a consistência da estratégia e sua implantação.

O Plano Estratégico como uma definição dos domínios competitivos da organização

Um dos interesses centrais do Plano Estratégico

...

Baixar como (para membros premium)  txt (27 Kb)  
Continuar por mais 15 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com