TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

RESUMO DAS VÍDEO-AULAS E CONSIDERÁÇOES SOBRE O FILME FREUD ALÉM DA ALMA

Por:   •  11/9/2016  •  Trabalho acadêmico  •  1.427 Palavras (6 Páginas)  •  364 Visualizações

Página 1 de 6

[pic 1]UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA[pic 2]

“JÚLIO DE MESQUITA FILHO”

Campos de Assis

Curso de Psicologia

PAMELA CRISTINA VINHOTO

RESUMO DAS VÍDEO-AULAS E CONSIDERÁÇOES SOBRE O FILME FREUD ALÉM DA ALMA 

PROF. HELIO REBELLO CARDOSO JÚNIOR

FUNDAMENTOS FILOSÓFICOS

ASSIS

ABRIL DE 2016

                 


[PARTE 1]

Na psicanalise, encontramos o tripé epistemológico (triangulo epistemológico). São três vértices assimétricos, pois dois deles são científicos e o outro é relativo a pesquisa.

O primeiro vértice corresponde a anatomia, a histologia do sistema nervoso (explicação sobre como era possível o surgimento das neuroses). O segundo vértice corresponde a aspectos fisiológicos (fornece elementos para que fosse possível se pensar sobre o surgimento da histeria). Já o terceiro vértice, corresponde à área clínica (relativo ao tratamento da neurose, principalmente da histeria).

Com este tripé em mente, chegamos à uma questão: Que tipo de conhecimento se pode almejar em termos de conhecimento da mente humana?

Para podermos tentar responder à esta questão, é preciso ter como base dois textos freudianos:

  • Projeto para uma psicologia cientifica, e
  • Estudos sobre a histeria.

Estes textos trazem dois aspectos, I) A reunião do conhecimento cientifico ou clínico da época (séc. XIX e XX) a respeito das neuroses, particularmente da histeria, e também II) Propõem uma teoria geral das neuroses (inovação em termos de pensamentos filosóficos, científicos e psicológicos da época, pois procura ordenar a dispersão de sintomas no amplo campo da neurose).  

Com base na teoria geral, Freud criou um modelo neurônico para poder explicar os sintomas da histeria, chegando à pergunta: Qual o grande desafio epistemológico que as histerias apresentam?

Um celeuma dessa questão, são os sintomas somáticos (visíveis) da histeria, onde temos paralisias totais (sem nenhum movimento) e paralisia dinâmica (onde o corpo ainda possui uma certa sensibilidade, ele aparenta ‘vibrar/tremer’, mas não corresponde à nenhum comando ou estímulo. Esses sintomas não possuem cargas orgânicas, ou seja, não são causados pelo corpo.

Com isso, levanta-se duas hipóteses:

  • Relações entre processos mentais e excitação neuronal (são quantitativas, Q, cargas elétricas medidas); e
  •  Os próprios neurônios, N, que são as células (aspecto estático do sistema).

Essas duas hipóteses geraram o Princípio da Lei da Inércia Neuronal (O sistema nervoso descarrega tudo o que recebe). Procura explicar mecanismos que desencadeiam os sintomas, a relação entre psíquico (processos mentais [Representações] – qualidades: sensações, sentimentos, emoções; aquilo que não pode ser mensurado) e somáticos (excitação neuronal [Afeto] – quantidades: podem ser medidas, são cargas elétricas que circulam pelo corpo)

. Uma alteração do corpo se torna neurótica quando ocorre uma dissociação de representação e afeto, ou seja, hipótese de tradutibilidade de afeto, processo mental quantitativo neurótico, rompido pela dissociação.

Com base nisso, existe três subsistemas: Fi (ɸ), Ômega (ɷ) e Psi (ψ).

  • ɸ – Formado de neurônios permeáveis (barreiras de contato), que não oferecem resistência à vazão de Q e destinados às sensações;
  • ɷ – As barreiras de contato diminuirão ao máximo a quantidade de fluência, possui uma baixa quantidade de Q, destinados à percepção/consciência; e
  • ψ – formado de neurônios impermeáveis, dotados de resistência, retém o Q e portadores de memória.

Deste modo, Freud questiona: Onde, dentre esses três subsistemas, a associação entre representação e afeto poderia estar sendo feita?

Freud responde que, por hipótese, isso acontece na memória. Esta conclusão ocorreu depois de estudos de casos clínicos, onde observavam que as associações e representações mentais e afetos, sempre têm componentes mnemônicos (que são, aparentemente, complexos, pois não envolvem associações simples, mas com muitas variáveis) importantes, que estão associados à memória.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (9.5 Kb)   pdf (249.1 Kb)   docx (28.5 Kb)  
Continuar por mais 5 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com