TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

A LICENCIATURA EM HISTÓRIA

Por:   •  12/8/2019  •  Trabalho acadêmico  •  479 Palavras (2 Páginas)  •  7 Visualizações

Página 1 de 2

UFRPE- LICENCIATURA EM HISTÓRIA

ALUNA: RENATA RAISSA DA SILVA CERQUEIRA

1ª VA PCC III

Questão 1

Após a leitura do texto de José Walter Júnior e Jaqueline Zarbato, aponte que possibilidades metodológicas se evidenciam no Ensino de História Medieval, em contraposição a estratégias tradicionais utilizadas em sala de aula.

 No texto supracitado nota-se alguns argumentos e alertamos para a utilização dos jogos no ensino de História, pois oferecem uma enorme possibilidade de fugir do tradicionalismo – aulas expositivas, filmes e vídeos expostos sem problematizações (ou seja, o filme pelo filme), cópias de livros didáticos, contrapondo, assim, a lógica que o ensino deve seguir esta metodologia. Desta forma, o jogo proporciona um bom ambiente para o conhecimento histórico se desenvolver e tecer a aprendizagem dos sujeitos, ligando a brincadeira ao saber, pois quando jogam, os alunos estão na fonte dos conceitos, e ali, na fonte, os conceitos se geram e assumem formas e modos de vida.

Porém, em contraposição temos um ensino onde utiliza a estratégia de em uma história acabada, isto é, uma história de verdades absolutas e incontestáveis, isso faz com que o aluno deixa de exercitar e, por consequência, de desenvolver sua cognição histórica, seu senso crítico de analisar o passado e, ao mesmo tempo, de buscar nele entendimentos à luz do próprio passado, ou seja, compreender as entrelinhas dos acontecimentos.

Questão 2

Álvaro Ribeiro e Sônia Siquelli elaboraram críticas à Prática do Ensino de História Medieval  realizada sob um conjunto de “atitudes tradicionais”. Quais são elas e como podemos as superar, avançando conceitualmente e metodologicamente, tanto do ponto de vista da História, quanto da Educação?

Atualmente há grandes conflitos na educação para que os docentes formem seres críticos. Porém o artigo demonstra que as fontes históricas não aparecem como recursos destinados a promover um novo ensino de História, que desperte no aluno esse espírito questionador frente às realidades já consolidadas. As fontes são tratadas apenas como metodologias que tendem a reproduzir o caráter alienante em que se encontra o ensino.

Contudo, nota-se a percepção de pequenas resistências na atuação docente que, mesmo reproduzindo ideais e discursos em suas opiniões, tende a divergir delas em sua prática. Ao ensinar a Idade Média, mesmo quando os documentos pedem para não fazêlo, e levando para a sala de aula as fontes históricas e as possibilidades de entrarem em contato com as novas abordagens tendem a possibilitar outros questionamentos, que podem partir dos próprios estudantes sobre as versões dadas aos temas em estudo, e assim, desconstruí-los.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (3.1 Kb)   pdf (76.5 Kb)   docx (8.2 Kb)  
Continuar por mais 1 página »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com