TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

VIDA, OBRA, TEORIA DAS PRÁTICAS /EXPERIÊNCIAS EDUCACIONAIS DE L. S. VYGOTSKY E PAULO FREIRE

Por:   •  15/2/2016  •  Artigo  •  1.973 Palavras (8 Páginas)  •  502 Visualizações

Página 1 de 8

VIDA, OBRA, TEORIA DAS PRÁTICAS /EXPERIÊNCIAS EDUCACIONAIS DE L. S. VYGOTSKY E PAULO FREIRE

1.0 LEV SEMENOVICH VYGOTSKY (1896 – 1934)

Vygotsky é um gênio da Psicologia e para alguns um psicolínguista. Quanto a corrente existem divergências entre a behaviorista, construtivista e sócio-histórica. Foi pioneiro na Psicologia do Desenvolvimento.

Nasceu em 1896 em Biela-Rússia, de pais judeus, e em 1934, morreu de tuberculose. Foi pioneiro em sugerir os mecanismos pelos quais a cultura tornou-se parte da natureza de cada pessoa ao insistir que as funções psicológicas são um produto de atividade cerebral. Conseguiu explicar a transformação de processos psicológicos elementares em processos complexos dentro da história.

Os estudos de Vygostsky são sobre o desenvolvimento humano, ou seja, é uma psicologia geral, e isso dificulta enquadrá-lo em uma concepção epistemológica.

O grande destaque de L.V. Vygotsky na psicologia americana deve-se a partir da publicação em 1962 de sua monografia “Pensamento e Linguagem”. Outros ensaios de Vygostsky também ganharam visibilidade: “O Instrumento e o Símbolo no Desenvolvimento das Crianças”, “A História do Desenvolvimento das Funções Psicológicas Superiores”, estes ensaios ajudaram a desfazer a imagem que alguns haviam feito de Vygotsky como um neobehaviorista do desenvolvimento cognitivo. Lev. S. Vygotsky, advogado e filósofo, mas iniciou-se como psicólogo após a Revolução Russa em 1917.

Vygotsky enfatizava o processo histórico-cultural e o papel da linguagem para o desenvolvimento do indivíduo.

Pode-se citar como principais obras: “A formação social da mente”, “Psicologia e Pedagogia”, “Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem”, A construção do pensamento e Linguagem”, “Teoria e método em psicologia” e “Psicologia pedagógica”. As obras de Vygotsky permaneceu desconhecida no Ocidente até os anos 60, principalmente por razões políticas.

Vygostsky contribuiu na Educação por sugerir que a aprendizagem não ser mera aquisição de informações, não acontecia a partir de uma simples associação de ideias armazenadas na memória, mas era um processo interno, ativo e interpessoal. De certa forma é difícil enquadrar Vygotsky em alguma corrente epistemológica, pois dedicava-se ao desenvolvimento humano e não do conhecimento.

L. S. Vygotsky desenvolveu conceitos para a compreensão da origem de concepções e forma de expressão das pessoas, como por exemplo: pensamento egocêntrico, pensamento socializado, conceito espontâneo, conceito científico, discurso interior, discurso interiorizado e outros, que foram fundamentais para traçar uma teoria na Educação, já que tudo contribui e gera a aprendizagem: psicologia da educação.

Nos estudos sobre aprendizagem, Vygotsky desenvolveu a Teoria Sócio-histórica que sugeriu explicar a forma pela qual o sujeito aprende e se desenvolve, sendo um novo modelo para a educação: inatismo e empirismo.

Vygotsky visando desenvolver uma psicologia materialista, este junto de colaboradores, se empenharam a recuperar o estudo da consciência, inserindo as contribuições de Pavlov (empirista) numa perspectiva mais ampla de investigação, sendo ainda que Vygotsky discorre que o meio social é fator determinante do desenvolvimento humano e que isso acontece fundamentalmente pela aprendizagem da linguagem, que ocorre por imitação.

Pode-se dizer que Vygotsky enxergava o homem como ser histórico e produto de um conjunto de relações sociais. Para ele, os fatores sociais podem modelar a mente e construir o psiquismo na perspectiva semiológica, em que o signo, como produto social, tem função geradora e organizadora dos processos psicológicos, ou seja, entre o homem há uma relação e atividade sígnicas, pela mediação da linguagem, e assim, os signos provocam alterações internas que passam de ser biológico a ser sócio-histórico.

O pensamento Vygotskyano para a Educação tem caráter marxista que fundamenta suas investigações explicando a formação da mente. Na abordagem de Vygotsky, o homem é visto como alguém que transforma e é transformado nas relações que acontecem em toda cultura, sendo uma interação dialética entre fatores inatos e fatores adquiridos que ocorrem desde o nascimento, entre o ser humano, meio social e uma cultura no qual se insere.

Para compreender a dialética de Vygotsky, necessita-se conhecer a Zona de Desenvolvimento Proximal (ZDP). O desenvolvimento do indivíduo psicológico/mental é promovido pela convivência social, pelo processo de socialização, da maturação orgânica (biológica) e aprendizagem depende da internalização de conceitos que são promovidos pela aprendizagem social, principalmente a planejada no ambiente escolar.

Para Vygotsky não é suficiente o desenvolvimento biológico para realizar uma atividade, acreditando que a criança se desenvolva sozinha como o decorrer do tempo, é necessário instrumento para que o desenvolvimento aconteça (por meio da interação).

A criança é sujeito pensante capaz de vincular-se a uma ação e à representação do mundo que constitui, sendo a escola um espaço e um tempo onde este processo é vivenciado, o processo de ensino-aprendizagem envolve diretamente à interação de sujeitos, daí pode-se alcançar a ZDP que é a distância entre o nível de desenvolvimento real, ou seja, determinado pela auto capacidade de solucionar problemas e o nível de desenvolvimento proximal, demarcado pela capacidade de solucionar problemas com a ajuda de um parceiro experiente. Assim, na ZDP, ocorre o maior desenvolvimento infantil, e, portanto efetiva-se a aprendizagem. Por isso, na escola, o educador tende a favorecer esta aprendizagem e tornar-se um mediador entre a criança e o mundo, para que desta forma a criança passe de habilidades parciais para habilidades totais.

Desta forma, autor acredita que o homem não é um receptáculo vazio, tão pouco um ser passivo, inclusive é capaz de alterar/renovar/reconstruir a própria cultura, ou seja, seu pensamento. O sujeito é ativo e reage sobre o meio e isso o diferencia do empirismo.

A interação entre subjetividade para Vygotsky era sempre historicamente situada, balizada por ferramentas sociais, desde os objetos até os conhecimentos historicamente produzidos, acumulados e transmitidos.

Contrariando os interacionais, Vygotsky nega uma natureza humana apartada do meio, ou seja, admite que o ser é um sujeito que é social em essência, não podendo ser compreendido em separado do ambiente social.

2.0 PAULO REGLUS NEVES FREIRE (1921

...

Baixar como (para membros premium)  txt (13.4 Kb)   pdf (100.6 Kb)   docx (15.2 Kb)  
Continuar por mais 7 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com