TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Sobre a Farsa “Quem tem farelos?” de Gil vicente.

Por:   •  27/5/2019  •  Dissertação  •  1.937 Palavras (8 Páginas)  •  81 Visualizações

Página 1 de 8

USP - Universidade de São Paulo

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

FLC0280 - Língua Portuguesa I

A farsa “Quem tem farelos?” de Gil vicente é uma importante obra da Idade Medieval. Sua trama é desenvolvida a partir da busca por farelos por dois ajudantes de escudeiro, Ordonho e Apariço. Este acompanha o escudeiro Aires Rosado, um miserável apaixonado que faz trovas tão ruins quanto é sua percepção grandiloquente da própria vida. Esta obra é um importante documento histórico, em que Gil Vicente relata como eram os costumes, a sociedade e o fazer artístico do período. É, também, um instrumento de críticas contundentes aos que integram esta sociedade. Repleta de ironia e humor, a obra permite deleitar-nos com os comentários assíduos de Ordonho, Apariço e da velha e com o amor cortês que Aires presta à Isabel.

Originalmente, a expressão amor cortês foi definida por Gaston Paris em um artigo escrito em 1883, "Études sur les romans de la Table Ronde: Lancelot du Lac, II: Le conte de la charrette", um tratado onde ele analisa Lancelote, o Cavaleiro da Carreta (1177) de Chrétien de Troyes. O dito amour courtois era uma disciplina nobre e idealizadora. O amante (idealizador) aceita a independência de sua senhora e tenta fazer de si próprio merecedor dela, agindo de forma corajosa e honrada (nobre) e fazendo quaisquer feitos que ela deseje.

A teoria do amor cortês pressupõe uma concepção platônica (amor impossível, difícil ou que não é correspondido) e mística de amor. Existe nela a total submissão do enamorado à sua dama (por uma transposição do amor às relações sociais sob o feudalismo, o enamorado rende vassalagem à sua senhora) e a amada é sempre distante, admirável e um compêndio de perfeições físicas e morais.

O estado amoroso é uma espécie de estado de graça que enobrece a quem o pratica e os enamorados são sempre de condição aristocrática. Trata-se, frequentemente, de um amor adúltero, por isso, o poeta oculta o objeto de seu amor substituindo o nome da amada por uma palavra-chave ("senhal") ou pseudónimo poético.

O comportamento do Escudeiro Aires Rosado como exemplo da cortesania amorosa é controverso, já que vai na contra-mão de todo este estereótipo virtuosístico: entra então em cena o "nobre" Escudeiro, pretensioso e galante, cantando e tocando sob a janela de uma moça, suscitando a paixão de sua amada através dos seus "dotes musicais". Isabel encontra-se em um ambiente elevado, no alto de sua casa, simbolizando a idealização trovadoresca, porém, está também cercada por ruídos de cães e gatos e, logo após, pela Velha.

Aires, enquanto escudeiro, faz parte da cavalaria medieval, a instituição feudal dos cavaleiros. A coragem, a lealdade e a generosidade, bem como a noção de amor cortês eram os ideais associados (ou que foram associados pela literatura) ao código moral. Porém, as características desta personagem são quase que o oposto das prescrições dos clérigos sobre o código moral; Aires é mentiroso, pelintra, pretensioso e amador no que diz respeito à música e à poesia, além de não fazer parte da aristocracia. Sua covardia também fica evidente em trechos como:

(p. 11 - v 32 a 37)

“Air. Já vedes minha partida.

Os meus olhos já se vão;

se se parte minha vida,

cá me fica o coração.

Vai-se o Escudeiro, e fica a Velha dizendo à filha.

A farsa de Gil Vicente é carregada de um tom humorístico, tal como é de costume em suas obras que expõem as mazelas da sociedade com um olhar crítico e irônico. Em “Quem tem farelos?” podemos atribuir o efeito cômico ao vocabulário empregado pelos personagens, uso de ditos, expressões e situações corriqueiras e até mesmo banais, contraposição de ideias, as irônicas observações de Apariço, as banais interrupções dos animais à trova de Aires Rosado e sua distorcida visão da realidade.

Um importante marcador de comicidade em uma obra é o quão acessível esta é. Tal quesito pode ser percebido na farsa através do seu vocabulário. O fato de o autor optar por termos “baixos”, usados pela baixa sociedade, bem como o uso de ditos populares, faz com que este grupo social se sinta mais “próximo” do texto, podendo entregar-se mais às sensações que este venha a provocar, afinal, o uso de expressões requintadas daria ao interlocutor a sensação de estar diante de um texto “distante” e impassível de riso, considerando que rir de uma

...

Baixar como (para membros premium)  txt (9.5 Kb)   pdf (46.2 Kb)   docx (12.5 Kb)  
Continuar por mais 7 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com