TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Os Aspectos Filosóficos

Por:   •  12/9/2019  •  Projeto de pesquisa  •  2.344 Palavras (10 Páginas)  •  6 Visualizações

Página 1 de 10

Aspectos

Escola tradicional

Escola construtivista

Aspectos filosóficos

Este aspecto da escola tradicional é fundamentado pela pedagogia da essência e acredita na igualdade dos homens serem livres. Esta igualdade é usada como base para estruturar a pedagogia da essência e lembrar-se dos sistemas nacionais de ensino os quais são fundamentais na escolarização para todos. Este método foi criado após a revolução industrial e implantado nos sistemas nacionais de ensino. O sistema nacional de ensino surgiu após o iluminismo e até hoje persiste em uma formação social individualista. O surgimento deste sistema de educação é o resultado e a expressão dos burgueses que de certo modo tem como que apenas emprestaram a educação. Após o iluminismo os burgueses perceberam que seria necessário dar uma formação nem que fosse mínima aos trabalhadores e apartir disto a educação passou a fazer parte da formação dos cidadãos disciplinados. A igualdade que seria a dos homens livres foi de certo modo embasada pela escola tradicional. Não se sabe até quando haverá a desigualdade na educação entre ricos e pobres, pois a escola não é remetida a ser redentora da humanidade. Do jeito que as coisas estão indo e o rumo que estão tomando se seguir igual ao que está sem mudanças, à escola entrara no terceiro milênio sem ter revolução.

Os aspectos filosóficos da escola construtivista são fundamentados pelo iluminismo. O iluminista tem como filosofia que o homem é um ser humano dotado da razão ao qual tem como objetivo alcançar os patamares mais evoluídos do pensamento lógico, do julgamento e da argumentação. A filosofia de que o homem é um ser dotado de razões, ou seja, que tem um potencial elevado ao pensar sobre o mundo, reconstruir os pensamentos e também de ordenar inclusive o mundo social (FREITAG, 1993. P.28). Os sistemas nacionais de ensino de antigamente que seguem usados na escola tradicional tem a mesma inspiração filosófica da escola construtivista. Os passos da escola tradicional e construtivista são muito diferentes de acordo com os aspectos pedagógicos e metodológicos de cada escola. A faculdade de fazer uso da razão não é transmitida pela genética e sim pelo potencial que é desenvolvido ao longo da vida. Todo ser humano tem formas distintas para pensar e julgar, por isso não podemos dizer que é genética. No construtivismo existe implícito que podemos chamar de universalização cognitiva.

Aspectos epistemológicos

Neste aspecto o ensino é suposto apartir de que a inteligência é como se fosse uma faculdade capaz de tornar o homem como um armazenador de informações tanto simples como mais aprofundadas. Este aspecto na escola tradicional tem o conhecimento humano como capaz de possuir um caráter cumulativo que deve ser adquirido pelo indivíduo e realizado na escola. O indivíduo neste processo de aprendizagem deve ter um papel na elaboração e aquisição do conhecimento. Os aspectos epistemológicos possuíram diferentes estratégias para se conseguir resolver os problemas aos qual o conhecimento humano possuiu, entre eles são: O fenominismo, o essencialismo e o historicismo. O fenominismo que é uma doutrina desde a antiguidade, o essencialismo ao qual o indivíduo tinha suas propriedades e o historicismo que faz parte dos princípios da história da escola. Podemos dizer que a escola tradicional se utiliza do inatismo e do ambientalismo para poder dar suporte ao aspecto epistemológico em questão. Apartir desde modo os alunos tinham dois métodos para aprender os conteúdos escolares, ou seja: por ser muito inteligente ou se sua aprendizagem tivesse relacionada com a quantidade e qualidade das experiências na escola. O historicismo surgiu para superar as estratégias anteriores e apartir deste aspecto epistemológico que então se originou o construtivismo.

Os aspectos epistemológicos são uma ciência que tem como objetivo o estado do conhecimento ou a compreensão de como conhecemos. Em toda história da humanidade estudamos o tema conhecimento, pois isso varia de uma pessoa para outra ou seja pela sua história de vida. Não temos uma conclusão concreta de como o ser humano consegue armazenar e criar conhecimento. Na epsteme moderna temos três estratégias que são: essencialista, fenomenista e historicista. A essencialista é voltada para o modus essendi das coisas, o fenomenista voltada para o modus operandi dos fenômenos e o historicista é voltado para o modus faciendi das coisas. A estratégia historicista só superou ás estratégias essencialista e fenomenista porque alterou o programa de fundamentação do conhecimento e passou a ter uma configuração nova. A superfície composta pela realidade histórica comporta dois planos ou níveis: em cima a zona ruidosa dos acontecimentos e embaixo a região estável do devir ou do ser- advento. Para podermos compreender o que se passa nos níveis é preciso saber o que se passa em cada um, tanto em cima quanto embaixo e também reconduzir os acontecimentos ao ser-advento ou ao devir. Baseado na estratégia historicista, o construtivismo veio para superar as outras visões. Os aspectos epistemológicos também são fundamentados na ideia que o pensamento se constrói, se destrói e se reconstrói.

 Aspectos teóricos

Os aspectos não são fundamentados por teorias validadas e sim pelas práticas educativas. Os teóricos da escola tradicional surgiram apartir das práticas educacionais e concepções que deram seguimento no tempo de diversas maneiras. A escola tradicional foi marcada pelas críticas às quais tiveram logo no início onde surgiram diferentes abordagens de ensino. O ensino tradicional foi feito através de um método pedagógico o qual é também um método expositivos onde muitos já passaram por ele ou estão passando. A matriz teórica deste método  está presente nos cinco passos de Herbart que são: o passo da preparação, representação, comparação e assimilação, generalização e da aplicação os quais compreendem a um método científico indutivo. Este método também pode ser formado em três etapas: a observação, a generalização e a confirmação. O ensino tradicional pretende transmitir conhecimentos e conteúdos que são ensinados pelos professores que dominam os conteúdos para assim poder transmitir os ensinamentos aos alunos. A escola tradicional tem como papel na escola atuar na preparação moral e intelectual dos alunos e os seus conteúdos de ensino visa preparar o aluno para a vida.

O autor Piaget é o teórico mais importante do construtivismo. As obras de Piaget são tão grandes que após quinze anos que ele faleceu seus livros ainda são muito procurados e é privilégio dos estudantes apaixonados por conhecimento. O centro da teoria sobre o desenvolvimento mental é a interação entre o organismo e o meio ambiente. Após anos de experiência os autores aprenderam que não existem conhecimentos através de registros de observação e sem uma estrutura adequada ás atividades de cada um. As intenções do autor Piaget seriam superar concepções inatistas e comportamentalista sobre a forma como o homem adquire conhecimentos e suas condutas. Essas posturas são contrárias as concepções construtivistas sobre a forma como é adquirido o conhecimento. A interação é feita através de dois processos simultâneos os quais são a organização interna e adaptação do meio. Piaget define a adaptação do meio como a própria função do desenvolvimento da inteligência os quais ocorrem através de processos de assimilação e acomodação. A divisão piagetiana da evolução mental obedece os seguintes critérios: A ordem de sucessão constante, os estágios caracterizados por uma estrutura de conjunto onde as mesmas são integrativas e não se substituem umas ás outras. Também tem os quatro fatores estabelecidos para evolução mental aos quais são: o crescimento orgânico, o papel do exercício e da experiência adquirida, as interações e transmissões social e o processo  de equilibração ao qual  é um dos conceitos mais importantes. Para Piaget a educação deve possibilitar á criança um desenvolvimento amplo e dinâmico desde o período sensório motor e até o período operatório abstrato. O professor ao utilizar o construtivismo deve aceitar que não é mais o centro do ensino e da aprendizagem.

Aspectos metodológicos

Os aspectos são voltados aos métodos de Herbart aos quais são: preparação, apresentação, assimilação e comparação, generalização e aplicação. Também são voltadas aos métodos de Bacon quais são: observação, generalização e confirmação. No método tradicional os exercícios são os primeiros a serem corrigidos, pois faz parte do passo da preparação. Na forma em que os alunos completam as atividades corretamente, eles avançam para um novo passo e caso não consigam completar será preciso fazer mais exercícios até que tenham 100% de aproveitamento. O método expositivo tem como privilégio o papel do professor como o transmissor de conteúdos aos alunos. Após isso o próprio aluno poderá reproduzir os conteúdos ao quais os professores os ensinaram. O processo de ensino aprendizagem teve fatores envolvidos como a vida efetiva e emocional dos sujeitos aos quais podem comprometer negativamente o ensino. O método usado só é eficaz quando os alunos conseguem compreender o conteúdo suposto pelo professor. Este método tradicional ainda é muito usado nas escolas e o mais utilizado e também mais desejado pelos sistemas de ensino. Antigamente os ensinamentos eram mais rigorosos que hoje em dia e também podemos dizer que agora o ensino está empobrecido comparado o de antes. O suporte teórico da escola tradicional após atravessar várias décadas possibilitou muitas mudanças em sua essência original.

Este aspecto metodológico é o que mais gera controvérsias na aplicação da teoria e a realidade da sala de aula. A alfabetização na escola tradicional tem a valorização dos métodos de ensino da leitura e da escrita. Os professores da escola construtivista tem consciência de que não se podem mais usar as antigas técnicas e métodos de alfabetização. A leitura e a escrita dos outros aspectos da alfabetização também deveram seguir uma metodologia coerente com a proposta construtivista. Os métodos da escola tradicional não questionam o porquê as crianças devem aprender daquela forma e maneira. Os professores ensinam da maneira tradicional da escola e conforme eles aprendem não tem o por que  questioná-los. A leitura e escrita são percebidos como um fim em si e não como um meio, pois o importante é saber falar as sílabas, palavras e frases. Primeiro eles ensinam a ler e escrever e só nos anos seguintes são trabalhados a produção e interpretação de textos. O mais importante na alfabetização é que a criança consiga ler ou decifrar, mas devem explicar a diferença entre ambos. A não utilização de um método para alfabetização é uma crítica muito relevante sobre as práticas pedagógicas sustentadas pela teoria construtiva, pois é considerada irresponsabilidade dos professores. O que diferencia a escola tradicional da construtivista é a maneira como os conteúdos são trabalhados em sala de aula.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (15.2 Kb)   pdf (103.5 Kb)   docx (12.7 Kb)  
Continuar por mais 9 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com