TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

ANATOMIA HUMANA GERAL BENEFÍCIOS DA ATIVIDADE FÍSICA PARA O APARELHO LOCOMOTOR PASSIVO

Por:   •  18/8/2015  •  Trabalho acadêmico  •  2.435 Palavras (10 Páginas)  •  564 Visualizações

Página 1 de 10

CLARETIANO

CENTRO UNIVERSITÁRIO

ANATOMIA HUMANA GERAL

EVANDRO JOSÉ DA SILVA

GARANHUNS

JUNHO - 2015


EVANDRO JOSÉ DA SILVA

ANATOMIA HUMANA GERAL

BENEFÍCIOS DA ATIVIDADE FÍSICA PARA O

APARELHO LOCOMOTOR PASSIVO

TRABALHO APRESENTADO AO PROFESSOR JANDER GONCALVES ROLO DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA TURMA B1, DO CURSO DE BACHAREL EM EDUCAÇÃO FÍSICA.

CLARETIANO

CENTRO UNIVERSITÁRIO

INTRODUÇÃO

                    O presente trabalho tem como objetivos reconhecer a importância da atividade física na prevenção, manutenção e até na recuperação da saúde (diabetes mellitus). Verificar se nas academias, clubes ou mesmo nos projetos da terceira idade que existem em muitos municípios os profissionais são qualificados, se fizeram especialização na área e, portanto, se têm conhecimentos sobre o assunto. Verificar quais são os exercícios indicados por esses profissionais (caminhada, hidroginástica, musculação etc.), se os programas são específicos para o grupo, e como o grupo reage mediante os exercícios prescritos.

DIABETES MELLITUS

                    Antes de adentrarmos no tema em questão é importante que citemos alguns dados no tocante a diabetes no nosso país e como ela vem aumentando devido principalmente a fatores como alimentação e sedentarismo. A prevalência do diabetes mellitus está aumentando de forma exponencial, adquirindo características epidêmicas em vários países, particularmente os em desenvolvimento. Esta revisão analisa a tendência crescente da importância que o diabetes vem adquirindo como problema de saúde, ressaltando sua situação no Brasil. Também é destacada a contribuição representada pelas alterações da estrutura da dieta, da prática de atividades físicas e o consequente aumento da prevalência da obesidade neste processo.

O DIABETES NAS AMÉRICAS

                    Nas Américas, o número de indivíduos com diabetes foi estimado em 35 milhões para o ano 2000 e projetado para 64 milhões em 2025. Nos países desenvolvidos, o aumento ocorrerá principalmente nas faixas etárias mais avançadas, decorrente do aumento da esperança de vida e do crescimento populacional; nos países em desenvolvimento, o aumento será observado em todas as faixas etárias, principalmente no grupo de 45-64 anos onde sua prevalência deverá triplicar, duplicando nas faixas etárias de 20-44 e 65 e mais anos (King et al., 1998). Pelo fato do diabetes estar associado a maiores taxas de hospitalizações, a maiores necessidades de cuidados médicos, a maior incidência de doenças cardiovasculares e cerebrovasculares, cegueira, insuficiência renal e amputações não traumáticas de membros inferiores pode-se prever a carga que isso representará para os sistemas de saúde dos países latino-americanos, a grande maioria ainda com grandes dificuldades no controle de doenças infecciosas.

O DIABETES NO BRASIL

                    Um estudo multicêntrico de base populacional, conduzido em 1988 em nove capitais de estados brasileiros, demonstrou que a prevalência do diabetes e a tolerância à glicose diminuída em população urbana, entre 30 e 69 anos de idade, são de 7,6 e 7,8%, respectivamente. Os casos de diabetes previamente diagnosticados corresponderam a 54% dos casos identificados, ou seja, 46% dos casos existentes desconheciam o diagnóstico, que provavelmente seria feito por ocasião de manifestação de alguma complicação crônica do diabetes (Malerbi & Franco, 1992). No Brasil, as cidades das regiões Sul e Sudeste, consideradas de maior desenvolvimento econômico do país, apresentam maiores prevalências de diabetes mellitus e de tolerância à glicose diminuída. Os principais fatores associados à maior prevalência do diabetes no Brasil foram a obesidade, o envelhecimento populacional e história familiar de diabetes (Malerbi & Franco, 1992). No Brasil, tem-se observado um crescente número nas hospitalizações por diabetes, em proporções superiores às hospitalizações por todas as causas, o que de certa forma, traduz o aumento na sua prevalência. Parte da dimensão do problema pode ser evidenciada pelos dados apresentados na Tabela 2, que mostram o aumento da frequência de internações por diabetes, como causa principal ou associada, no período de 1988 a 1997, na região de Ribeirão Preto, São Paulo (Franco & Rocha, 2002). A mortalidade proporcional por diabetes mellitus também tem mostrado um importante crescimento, quando comparada a outras afecções (Lessa, 1992).

...

Baixar como (para membros premium)  txt (16.2 Kb)   pdf (110 Kb)   docx (18.7 Kb)  
Continuar por mais 9 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com