TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas.78983776600327898377660032

Por:   •  29/8/2015  •  Projeto de pesquisa  •  1.196 Palavras (5 Páginas)  •  117 Visualizações

Página 1 de 5

NBC TG 1000 – Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas.

A NBC TG 1000 abrange em conformidade com o CFC (Conselho Federal de Contabilidade), as regras, normas básicas para as demonstrações contábeis.

Através dessa Norma, deve-se esclarecer toda a contabilização para essas Pequenas e Médias Empresas, seu uso é para facilitar o entendimento de uma demonstração contábil e também solucionar problemas.

Ela serve de posicionamento e fornecer informações para tais finalidades, como financeira, patrimonial e fluxo de caixa, com fins lucrativos, para que a empresa possa tomar decisões perante as mesmas.

O CFC preparou essa Norma para atender as PMEs fazendo com que não seja obrigada a publicação de balanços, de acordo com as Companhias Abertas que devem prestar contas publicamente. As PMEs produzem demonstrações contábeis para fins fiscais e governamentais ou até mesmo para seus sócios e administradores.

Todas as PMEs fazem a elaborações de suas contas contábeis para gerarem um entendimento interno e externo, como por exemplo, bancos e agências de crédito.

Todas as informações contidas nas demonstrações contábeis devem ser de fácil compreensão para que possam usufruir de conhecimentos econômicos e contábeis pertinentes ao conhecimento, pois muitas informações às vezes não geram entendimento compreensível. Elas têm que ser relevantes, para se poder ter uma tomada de decisão, podendo enxergar todos os momentos dos acontecimentos contábeis, seja agora ou futuramente, nunca omitir uma informação material, isso prejudica a quem for tomar tal decisão, terem confiança em cada informação fornecida, pois sempre irão influenciar cada resultado estipulado pelos seus lançamentos, ter sempre a prudência de algum julgamento excessivo, fazendo sempre com que a contabilidade não seja estimada, ou seja, não tendo valores reais.

As informações devem ser coerentes, nunca ser omissa, pois isso ocasiona uma informação falsa e enganosa. A comparabilidade de outras empresas deve existir, anualmente, pois evidencia informações financeiras e patrimoniais a fim de verificar como esta o andamento e desempenho de outra entidade.

Sempre oferecer informações dentro de seu tempo, pois pode ocasionar penalidades no qual lesionar controles administrativos que precisar de tal informação para elaboração de um determinado relatório, prejudicando o setor interno da empresa.

Todo Balanço Patrimonial da empresa deve conter seu Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido a fim de torná-la de fácil compreensão para tomadas de decisões, reconhecendo também suas Despesas e Receitas decorrentes de sua competência.

São mensuradas e reconhecidas todas as contas patrimoniais e de resultado de acordo com a sua relevância, como Ativos não Financeiros, como a mensuração do Valor Justo que são, por exemplo, as Joint Ventures. Para estar Norma não existe a compensação de Ativos e Passivos e Despesas e Receitas, a não ser permitidas por ela mesma. Deve-se permanecer a uniformidade na apresentação e demonstração da mesma, quando haver alteração, a mesma deve se fazer reclassificação e explicar a situação dessa reclassificação.

As Pequenas e Médias Empresas devem apresentar no final do período todas as demonstrações contábeis, como o Balanço Patrimonial, Demonstrações de Fluxos de Caixa, Notas Explicativas e outros mais conjuntos de demonstrações, todas as identificações devem ser claras para a compreensão.

No Balanço Patrimonial deve estar no mínimo as seguintes contas:

  • Caixa e equivalentes de caixa;
  • Contas a receber e outros recebíveis;
  • Ativos financeiros (exceto os mencionados nos itens (a), (b), (j) e (k));
  • Estoques;
  • Ativo imobilizado;
  • Propriedade para investimento, mensurada pelo valor justo por meio do resultado;
  • Ativos intangíveis;
  • Ativos biológicos, mensurados pelo custo menos depreciação acumulada e perdas por desvalorização;
  • Ativos biológicos, mensurados pelo valor justo por meio do resultado;
  • Investimentos em coligadas. No caso do balanço individual ou separado, também os investimentos em controladas;
  • Investimentos em empreendimentos controlados em conjunto;
  • Fornecedores e outras contas a pagar;
  • Passivos financeiros (exceto os mencionados nos itens (l) e (p));
  • Passivos e ativos relativos a tributos correntes;
  • Tributos diferidos ativos e passivos (devem sempre ser classificados como não circulantes); (p) provisões;
  • Participação de não controladores, apresentada no grupo do patrimônio líquido, mas separadamente do patrimônio líquido atribuído aos proprietários da entidade controladora;
  • Patrimônio líquido pertencente aos proprietários da entidade controladora.

Nela se evidencia também as contas patrimoniais circulantes e não circulantes, como caixas, bancos, que são circulantes, estão lá disponíveis e os não circulantes, como os ativos imobilizados.

E as Demonstrações do Resultado do Exercício, que são as Despesas e Receitas decorrentes do Período, mostram o Lucro ou Prejuízo da empresa, que deve ser classificada desse modo.

As análises são elaboradas de acordo com a apresentação de cada despesa, por natureza, como depreciações e compras de materiais e de função, que são agregadas nos seus custos de produtos, todos no final reconhecidos no Patrimônio Líquido.

 Os Fluxos de Caixas fornece as informações do Disponível da empresa, como Caixas equivalentes de Caixas, como os Bancos, que são de liquidez imediata e também os pagamentos aos Fornecedores, pois se esta fazendo uma retirada de seu Caixa ou Banco.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (8.5 Kb)   pdf (113.4 Kb)   docx (15.3 Kb)  
Continuar por mais 4 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com