TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

O Planejamento Tributário

Por:   •  5/1/2021  •  Trabalho acadêmico  •  3.481 Palavras (14 Páginas)  •  14 Visualizações

Página 1 de 14

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: A necessidade de regulamentação e normatização

Anderson Martins Ferreira [1]

RESUMO

Trata-se de uma questão fortemente combatida pelo Fisco, que de antemão, deve ser considerada sob a ótica da arrecadação tributária, uma vez que se tem uma diminuição das receitas, noutro norte, a situação dos contribuintes, sucumbidos a alta carga tributária, que em muitas das vezes desestimula a continuidade do empreendimento frente aos fatores de ordem fiscal como também mercadológica. Mesmo não sendo tipificado como ilegal, a prática do planejamento tributário não é bem aceita pela Receita Federal, que por sua vez, frequentemente busca na interpretação de normas, barreiras para sua execução. Em sentido amplo, o Fisco comumente divulga atuações que visam coibir atos lesivos e abusivos à administração tributária, praticados por contribuintes, que de forma ilegal atuam na evasão fiscal, sonegação fiscal, bem como, na simulação de negócios jurídicos. Assim, se faz necessário a regulamentação da lei ordinária e normas que fixem os limites e critérios do planejamento tributário, além da busca por uma reforma tributária para tornar a fiscalização e arrecadação mais eficientes e desburocratizadas.

.

Palavras-chave: Planejamento tributário. Tributos. Elisão e evasão fiscal

INTRODUÇÃO

Trata-se de uma questão fortemente combatida pelo Fisco e que carece de normatização, o planejamento tributário se mostra como uma ferramenta hábil à gestão dos tributos devidos ao Fisco pelas pessoas jurídicas e físicas.

Entretanto, diversos embates jurídicos são travados nesta linha limítrofe da redução de impostos legais dos ilegais.

No julgado da lavra da Desembargadora Federal Maria do Carmo Cardoso (TRF1, AC nº 0004251-85.2016.4.01.9199) bem reflete a questão da controvérsia estabelecida dos limites ao planejamento tributário e o que o Fisco busca coibir. Nesta decisão, mencionou-se que a evasão fiscal está capitulada em norma proibitiva, entretanto, a elisão fiscal fica a mercê da interpretação da validade do negócio jurídico realizado. Vejamos:

[...] 7.a evasão fiscal (simulação) é uma das formas de fraude fiscal, é um defeito do ato jurídico e está expressamente regulada nos arts. 102 a 105 do código civil. 8.na elisão fiscal, as partes que celebram o negócio, ainda que por meio de formas jurídicas alternativas, pretendem, efetivamente, realizá-la como estipulado. não há uma falsa, aparente ou simulada declaração de vontade. a declaração é real, efetiva e verdadeira, condizente com a vontade das partes. não se pretende, por outro lado, burlar, enganar ou ocultar alguma coisa do fisco. a conduta das partes é lícita, ao contrário da simulação, em que a conduta é ilícita. 9.o ônus da prova da simulação cabe à administração pública, pois como é cediço, cabe a ela, e não ao contribuinte, constituir a prova que embasa o lançamento. de fato, é indispensável para qualquer lançamento tributário a prova dos fatos e dos atos efetivos, inclusive se pretende invalidar uma tentativa de planejamento tributário que possa ser caracterizada como evasão fiscal. 10.da análise dos documentos juntados aos autos e do laudo pericial judicial, verifica-se que o contribuinte (tavares e filhos administração e participações s/a) utilizou efetivamente o planejamento tributário com observância de todos os requisitos formais e materiais exigidos ? para realizar a alienação de sua participação na sociedade café três corações s/a. 11.o fisco em nenhum momento demonstrou a existência de situações artificiais a configurar a simulação, como prejudicar terceiros ou violar disposição legal. 12.nas causas em que não houver condenação ou vencida a fazenda pública, os honorários advocatícios deverão ser fixados mediante apreciação equitativa do juiz (art. 20, § 3º, a, b e c, e § 4º, do cpc/1973). 13.Apelação da Fazenda Nacional e remessa oficial, tida por interposta, a que se dá parcial provimento. 14.Apelação da parte autora a que se nega provimento. (AC 0004251-85.2016.4.01.9199, DESEMBARGADORA FEDERAL MARIA DO CARMO CARDOSO, TRF1 - OITAVA TURMA, e-DJF1 24/02/2017 PAG.)

Embora a inserção da norma antielisiva no Parágrafo Único do art. 116, CTN, editada pela LC 104/01, busque de fato, coibir a evasão fiscal por meio da desconsideração de atos ou negócios jurídicos ilegais, esta norma ainda depende da regulamentação.

Noutro ponto, a falta de legislação pertinente e eficaz, reflete a instabilidade jurídica quando da interpretação dada pelos agentes do Fisco ou das decisões levadas a julgamento nas esferas administrativas e judiciárias.

Assim, como hipóteses de solução do problema, a princípio, seria necessário a regulamentação da lei ordinária e normas que fixem os limites e critérios do planejamento tributário além da busca por uma reforma tributária para tornar a fiscalização e arrecadação mais eficientes e desburocratizadas.

Para tal, como objetivo central, será analisado o jugado em conjunto com os conceitos dados aos elementos que compõem a prática do planejamento tributário, de modo a compreender sua permissibilidade e a necessidade de regulamentação.

E, especificadamente, será conceituado o planejamento tributário, a diferença existente entre a elisão e a evasão fiscal e seus limites de aplicabilidade. Neste contexto, também, se abordará visão da Receita Federal e os julgados do CARF (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais) e, finalmente, a norma antielisiva em confronto com as hipóteses de solução.

A metodologia que orientou a pesquisa teve como parâmetro inicial bibliografias que explicitam os conceitos afetos a matéria tributária e, como fontes subsidiárias, o levantamento de informações de sítios da internet e trabalhos acadêmicos correlatos.

1. O PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

Trata-se de uma ferramenta de enorme valia para o alcance de melhores resultados econômicos tanto para pessoas físicas quanto jurídicas, podendo atuar como um direcionador das estratégias a serem definidas pelo gestor do negócio tendo como principal aliado a ciência contábil, vez que, por meio desta, serão mensurados os dados necessários

...

Baixar como (para membros premium)  txt (24.9 Kb)   pdf (168.3 Kb)   docx (21.1 Kb)  
Continuar por mais 13 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com