TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

RESENHA REFERENTE AO TEXTO: “A RACIONALIDADE PENAL MODERNA, O PÚBLICO E OS DIREITOS HUMANOS”

Por:   •  6/10/2019  •  Resenha  •  1.078 Palavras (5 Páginas)  •  169 Visualizações

Página 1 de 5

BACHARELADO EM DIREITO

--------

   

RESENHA REFERENTE AO TEXTO:

“A RACIONALIDADE PENAL MODERNA, O PÚBLICO E OS DIREITOS HUMANOS”

Resenha realizada com exigência de nota parcial da disciplina de Direito Penal I, sob orientação do professor ----

------

2019

“A RACIONALIDADE PENAL MODERNA, O PÚBLICO E OS DIREITOS HUMANOS”

Resenha

        O artigo intitulado “A Racionalidade Penal Moderna, o Público e os Direitos Humanos” é de autoria de Álvaro Pires; professor de Direito e presidente de pesquisa em tradições jurídicas e racionalidade penal da Universidade de Ottawa, no Canadá. Neste artigo o autor traz como se dá a dinâmica do pensamento acerca do direito penal, apesentando como a “racionalidade penal moderna” foi construída a partir da segunda metade do século XVIII e as características desta forma de pensamento; mostrando em seu posicionamento que o processo da “juridicização” da opinião pública, que surge já por volta do final do século XX, gera um paradoxo quando conjugado a forma de “racionalidade moderna”, principalmente no que diz respeito as relações entre as demandas de direitos humanos e direito penal.  

        Pelas colocações do autor no texto, é possível perceber que a forma moderna de se pensar o direito penal faz como que não se tenha uma crítica mais contunde em relação à estrutura normativa do próprio sistema. Segundo Pires, neste sistema normativo, se tem a junção de dois níveis distintos da norma, as de primeiro grau, referente ao comportamento e as de segundo grau, referente a sanção. Com a racionalidade moderna o que se observa, e o autor coloca isso de forma bem clara, é a valoração das normas de sanção, e consequentemente uma sobreposição às normas de comportamento. Essa forma de racionalizar o direito penal segue uma linha de pensamento medieval, onde a norma de sanção e principalmente a pena aflitiva, é que dita qual o valor da norma de comportamento. Isso fica bem claro ao pegarmos como referência o que Foucaut coloca em sua obra “Vigiar e Punir”, onde ele apresenta como se deu a evolução das formas de punição, desde os espetáculos do suplício na idade média, até as penas aflitivas da alma, caracterizadas pela privação da liberdade.

Esta racionalidade moderna acaba por direcionar a uma única forma de ver a pena, que é por meio da aflição, não possibilitando assim que se pense em outras possibilidades de sanção. Com este pensamento, as normas de comportamento passam a serem vistas como inseparáveis das normas de sansão. O autor vê isso como um problema, visto que se cria uma obrigatoriedade de punição e não mais uma escolha, produzindo um deslocamento do direito como faculdade para um direito como obrigação de punir. Isso de fato acabada por engessar a forma de se pensar o direito penal, não possibilitando visualizar qualquer outra sanção ou medida que possa visar a reafirmação da norma por meio de uma ação positiva, e nesse ponto não há como discordar do posicionamento que o autor apresenta, uma vez que não há uma necessidade nem teórica e nem prática de que as normas de sanção sejam obrigatórias, ou de natureza negativa.

Ao analisar as demandas dos humanistas dentro da dinâmica da racionalidade moderna, o autor afirma haver um paradoxo por parte destes. Conforme mostra Pires, mesmo os humanistas críticos não apresentam uma crítica contundente à dinâmica do pensamento do direito penal moderno, muitas vezes exigindo penas muito duras e dentro do modelo aflitivo para certas correções morais.

Diante deste cenário da racionalidade penal moderna e da situação apresentada, o autor traz o surgimento do fenômeno da “juridicização da opinião pública”, onde o público passa a ser observado como componente do sistema penal. Esta posição do autor é atual e realmente reflete o que se vive hoje por exemplo nos países do ocidente e principalmente no Brasil, onde o clamor popular, por meio da força das mídias, se faz presente tanto nas formulações das leis, quanto nas decisões do judiciário. Um exemplo claro dessa realidade em julgamentos é o caso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, onde devido o caso ter tido grande repercussão, a força da opinião pública interferiu significativamente no processo. Veja que o problema que é colocado diz respeito onde a opinião pública está interferindo e percebe-se que é no teor da pena, voltando ao problema da racionalidade moderna e da demanda do direitos humanos; neste caso concreto por exemplo, não se tem um questionamento quanto a restituição pecuniária, mas tão somente pensa-se em uma sansão pautada em uma exigência de pena aflitiva. Outro caso concreto em que se pode observar a questão do apelo da opinião pública com foco na centralização da pena é o caso de Suzane von Richthofen, condenada por assassinar seus pais, que enquanto estava pagando pelo crime teve a permissão na data comemorativa de dia das mães, para passar em liberdade; este acontecimento gerou muita discussão em torno da moralidade desta permissão, mesmo sendo legal, visto ser um direito do reeducando que apresenta bom comportamento. Neste caso é possível ver que o apelo da opinião pública se encontra voltado não ao direito do reeducando, mas sim no cumprimento da pena aflitiva.  

...

Baixar como (para membros premium)  txt (6.8 Kb)   pdf (96.3 Kb)   docx (9.9 Kb)  
Continuar por mais 4 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com