TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

A INCLUSÃO DO ALUNO PORTADOR DE NECESSIDADES ESPECIAIS NA ESCOLA REGULAR

Por:   •  18/11/2013  •  797 Palavras (4 Páginas)  •  685 Visualizações

Página 1 de 4

1 INTRODUÇÃO

O Brasil apontou um aumento significativo no número de estudantes da educação especial matriculados nas classes comuns do ensino regular.

Este avanço é resultado de uma mudança de cultura em relação a crianças e jovens que nascem com algum tipo de necessidade especial, o que tem trazido resultados positivos para toda a comunidade escolar.

A abordagem deste trabalho está direcionada a este novo cenário no ambiente escolar e em como lidar com a diversidade.

A diversidade no âmbito escolar, implica em prática pedagógica que ultrapasse os antigos padrões didáticos e metodológicos, buscando despertar a valorização e a aceitação das pessoas.

Hoje, em pleno século XXI, escolas e/ou instituições especializadas que trabalham com alunos com necessidades educacionais especiais vivem um grande desafio: como inclui-los no ensino regular. O ato de incluir, não deve significar simplesmente matricular no ensino regular tais educandos, mas assegurar ao professor e à escola o suporte necessário à sua ação pedagógica.

2 A ESCOLA REGULAR E A INCLUSÃO DE ALUNOS ESPECIAIS

Na educação especial, os métodos de ensino, o processo de aprendizagem e os objetivos são diferentes da educação regular, pois o aluno com necessidades especiais está sempre adquirindo conhecimento, mesmo que não seja o formal, também foi tradicionalmente concebida como destinada a atender o deficiente mental, visual, auditivo, físico e motor, além daqueles que apresentam condutas típicas, de síndrome e quadros psicológicos, neurológicos e psiquiátricos.

Na escola regular, a adaptação curricular deve priorizar a convivência em sociedade e a autonomia desse aluno especial.

Para a criança portadora de necessidades especiais acessar e construir conhecimento, o professor deve conhecer a sua história, reconhecer o que ele sabe, de que maneira aprende, deve estudar o tipo de deficiência, envolver a família no processo e estabelecer vínculos.

A tarefa de incluir um aluno portador de necessidade especial não pode ser solitária. A inclusão é missão para toda a comunidade escolar, que deve assumir a situação e verificar as condições que possui ou não e o que pode ou não fazer. Após a matrícula do aluno, toda equipe deve se reunir para pensar na socialização, na adaptação curricular, na participação da família, nas parcerias com postos de saúde e com escolas direcionadas a educação especial, para se criar um projeto pedagógico orientado para a inclusão.

Para o aluno que tem comprometimento mental, a assimilação da aprendizagem é mais difícil, por isso deve-se procurar transformar esse processo em atividades práticas concretas e lúdicas.

Quando a turma trabalha em conjunto, põe-se em prática um dos princípios da inclusão, ou seja, valer-se da receptividade dos demais alunos para acolher o colega que tem necessidades especiais.

Para os professores, esse processo de inclusão gera um estado de tensão, por isso é necessário envolver toda a comunidade escolar, contar com serviços de apoio, partilhar experiências com escolas especiais. Incluir é também adaptar a sala de aula, a turma e a escola para receber este aluno.

Qualquer pessoa, seja ela portadora de necessidades especiais ou não, quando rejeitada socialmente, interage com agressividade, reduzindo a probabilidade de desenvolvimento de amizades.

A escola deve se preocupar com a questão da igualdade de direitos, para isso, deve lutar e buscar criar um ambiente saudável, que favoreça a compreensão e respeito entre os

...

Baixar como (para membros premium)  txt (5.6 Kb)  
Continuar por mais 3 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com