TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

10 razões possíveis para a trsiteza do pensamento

Por:   •  28/4/2019  •  Ensaio  •  1.616 Palavras (7 Páginas)  •  84 Visualizações

Página 1 de 7

Escola Superior de Artes e Design

“Dez Razões (Possíveis) para a Tristeza do Pensamento”

George Steiner

Caldas da Rainha

2016/2017

Mariana Lopes, 1ºano de Artes Plásticas

Introdução:

Neste trabalho, vou analisar a obra “Dez Razões (Possíveis) para a Tristeza do Pensamento” de George Steiner, nomeadamente as primeiras cinco razões.

Francis George Steiner nasceu a 23 de Abril de 1929 em Paris, é um crítico literário, filósofo, romancista e professor, que escreveu extensivamente sobre a relação entre a literatura, a sociedade e a linguagem. Steiner, através deste livro, pretende debater as razões possíveis de Friedrich Wilhelm Joseph von Scheling para a tristeza do pensamento.

Com isto, no início da obra, começa por citar Scheling:“Tal é a tristeza inseparável de toda a vida finita, uma tristeza, porém, que nunca se torna realidade e serve tão-só para dar a alegria eterna de a superar. Dela vem o véu de pesar que se estende sobre toda a natureza, a melancolia profunda e indestrutível de toda a vida.”pg 9, tentando transmitir que toda a vida humana é acompanhada de uma tristeza fundamental provocada pela consciência e pelo conhecimento que todos nós, humanos, temos.

Desta forma, tanto a consciência, como o conhecimento têm como base o pensamento e, de acordo com Sheling, todo este processo mental está acompanhado de uma tristeza inexplicável: “A existência humana, a vida do intelecto, significa uma experiência desta melancolia e a capacidade vital de a superar. Nós somos, por assim dizer, criados «entristecidos»”pg11.

1ª Razão:

Relativamente à primeira razão, Steiner começa por afirmar que o pensamento é ilimitado, ou seja, que podemos pensar sobre qualquer coisa e, aquilo que fica “para além do pensamento é rigorosamente impensável.” Pg.15.

Desta forma, podemos afirmar que o pensamento não tem fim, não tem uma demarcação, um limite, podendo, assim gerar qualquer tipo de cenário, de universo, com leis próprias, como podemos visualizar em filmes de ficção científica.

O pensamento possibilita “o domínio do homem sobre a natureza e, dentro de certas limitações, tais como a enfermidade e o sofrimento mental, sobre o seu próprio ser.” Pg 17 provocando, muitas vezes o suicídio, ou seja, a interrupção voluntária do pensamento sofrido.

 A infinidade do pensamento pode ser ou não incompleta, visto que nunca poderemos saber e provar até onde este vai, ou seja, não sabemos se a tal imensidade do pensamento não passa de algo bastante pequeno e irrelevante. Com isto, Steiner afirma que as civilizações, as ciências e as artes, resultam do pensamento, deste impulso que os seres humanos têm de se questionar.

Para além disto, podemos afirmar que, ao longo da nossa vida, nunca vamos conseguir chegar a uma resposta satisfatória, conclusiva, mesmo que o processo de pensamento seja organizado, individual ou coletivo, filosófico ou científico.

Desta forma, a primeira razão trata-se da inquietude, da frustração, da insatisfação do pensamento, pois, por muito que este seja infinito, estará sempre sujeito à dúvida ou à contradição interna para a qual não há solução, criando uma espécie de infinidade incompleta do pensamento: “Experimentem escutar atentamente a torrente do pensamento e, no seu centro inviolável, irão ouvir dúvida e frustração.”. pg18

2ª Razão:

No que diz respeito à segunda razão, Steiner começa por afirmar que “O pensamento é incontrolável.” pg19, ou seja, que por muito esforço que façamos, controlar o pensamento é algo bastante raro, bastante difícil de atingir, pois, até mesmo quando estamos a dormir a “…corrente segue o seu curso.” Pg19.

Desta forma, como o pensamento é algo incontrolável, também é inexplicável, intraduzível, tornando-o confuso e quase impossível de partilhar.

Assim, Steiner afirma” A cada instante, atos do pensamento estão sujeitos a intrusões.” Pg20, pretendendo transmitir que tudo o que está à nossa volta, tudo o que nos rodeia, tudo o que sentimos, altera os nossos pensamentos, baralhando “…qualquer desenvolvimento linear do pensamento…”pg 20. Até um pequeno som ou uma experiência tátil, um sentimento de fraqueza ou de tédio, podem alterar a linha do pensamento, podendo até modificar a conclusão, o fecho deste mesmo.

Com isto, ao afirmarmos no nosso dia a dia que o pensamento nos “escapou”, estamos a tentar transmitir que a linha do nosso pensamento, naquele momento, foi quebrada, foi modificada por elementos externos ou internos.

Por conseguinte, Steiner questiona se “É realmente possível «pensar direito»?” pg20, se podemos treinar o pensamento organizado, a linha inquebrável, através da disciplina e da concentração.

Assim, após fazer esta questão, chega à conclusão de que a concentração máxima no pensamento é algo bastante raro de atingir e só algumas pessoas o conseguem, apenas por um curto espaço de tempo, como os cirurgiões, os matemáticos, os mestres da meditação, os relojoeiros, os músicos: “… o matemático parece conseguir isolar-se e abandonar o mundo (…) ou o cirurgião, enquanto opera, suspendem toda e qualquer distração (…) os mestres da meditação e seus acólitos, dão testemunho da ocorrência de períodos (…) de um recolhimento da psique…”. pg21

Steiner afirma que “… a concentração total comporta não apenas exaustão temporária como colapso mental de longa duração…” pg22, tentando transmitir que a total concentração no pensamento é de tal modo esgotante que as pessoas que, alguma vez na vida conseguiram atingir esse ponto, acabam por ficar exaustos muito cedo: “As explosões de concentração do pensamento dirigido, a coerção da focalização absoluta, poderão acarretar o risco de exaustão ou danos mentais subsequentes.”. pg22

Com isto, Steiner chega à conclusão de que o pensamento vulgar é bastante mais simples, não trazendo qualquer tipo de esgotamento, de exaustão, visto que, para este, não é necessária uma concentração total: “… o pensamento vulgar é muito mais frequentemente um empreendimento confuso e amadorístico.” pg22. Porém, na minha opinião, o pensamento vulgar não é satisfatório, tratando-se de algo do dia a dia, algo habitual, algo pelo qual não temos de “lutar”, de treinar, apenas “acontece”.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (11 Kb)   pdf (106 Kb)   docx (11.7 Kb)  
Continuar por mais 6 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com