TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Fichamento cap 12 historia da riqueza do homem

Por:   •  18/6/2015  •  Resenha  •  363 Palavras (2 Páginas)  •  280 Visualizações

Página 1 de 2

Colégio Anchieta

Aluno(a): Ana Luísa Mello Cariello Medeiros

Número: 03                                   Turma: 321

Professor(a): Sandra

Disciplina: História

Livro: História da Riqueza do Homem- Leo Huberman

Capítulo XII:

Neste capítulo, Léo Huberman mostra como a postura Estatal de participar ativamente da vida econômica, intervindo e regularmentando quase tudo  passa a ser contestada a partir do desejo de liberdade dos comerciantes. O discurso mercantilista de “busca da riqueza da nação” será posto em cheque, pois o que se verificava era a riqueza de uma minoria, basicamente composta pela nobreza. A Riqueza das Nações, de Smith, desmascarará a política mercantilista e a defesa do monopólio mercantil, dando maior credibilidade ao livre-comércio, na chamada escola do liberalismo econômico. David Hume, amigo de Adam Smith, descontrói o argumento metalista, provando que o preço das mercadorias é sempre proporcional à abundância de dinheiro. Os fisiocratas, fundadores da primeira escola econômica, encabeçados por François Quesnay, na França (onde houve maior regulamentação estatal), defenderão também o livre comércio, imortalizado no grito do laissez-faire, traduzido como deixai-fazer ou, para Huberman, “deixem-nos em paz”. Embora os fisiocratas sejam bastante criticados por sua teoria de que só a agricultura aumenta a riqueza, eles possuem alguma parcela de mérito, por demonstrar que a riqueza do país não é algo estático, mas antes um fluxo, desmentindo a visão econômica dos teóricos mercantilistas. A defesa da propriedade privada se torna o estandarte da época, demandando como condição de existência a liberdade para dispor de seus bens, o que inclui comercializá-los. Smith, principal teórico da escola clássica da economia, focou seus estudos nas relações entre divisão do trabalho, produtividade, liberdade econômica e riqueza, chegando à teoria de que o comércio livre é mais produtivo, pois aloca de maneira eficiente os bens através da ação da mão-invisível do mercado, que pode ter sua produtividade aumentada através de uma maior divisão e especialização do trabalho. Verifica-se, neste período, como as transformações socioeconômicas e o fortalecimento da classe burguesa fizeram existir uma nova concepção de economia, substituindo as amarras mercantilistas pela liberdade de mercado.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (2.4 Kb)   pdf (74.3 Kb)   docx (10.9 Kb)  
Continuar por mais 1 página »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com