TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

OS JESUÍTAS E A CONTRA-REFORMA: CONTRIBUIÇÕES PARA A HISTÓRIA DA LEITURA NO BRASIL-COLÔNIA

Por:   •  9/4/2013  •  4.574 Palavras (19 Páginas)  •  725 Visualizações

Página 1 de 19

OS JESUÍTAS E A CONTRA-REFORMA: CONTRIBUIÇÕES PARA A HISTÓRIA

DA LEITURA NO BRASIL-COLÔNIA

Marcos Roberto de Faria – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

(doutorando) e Universidade Federal de Alfenas (docente).

1. Introdução

“Toda leitura coincide com o tempo da enunciação do discurso”

(HANSEN)

De acordo com Michel de Certeau (1982), em história, tudo começa com o

gesto de separar, de reunir, de transformar em “documentos” certos objetos

distribuídos de outra maneira (CERTEAU, 1982, p. 81). Para ele, por conseguinte,

quando se é historiador, que fazer senão desafiar o acaso, propor razões,

compreender? Mas compreender não é fugir para a ideologia, nem dar um

pseudônimo ao que permanece oculto. É encontrar na própria informação histórica o

que a tornará pensável (CERTEAU, 1982, p. 123).

Hansen (1999), destaca, contudo, que “a história literária não é mais uma

evidência”. Nesse sentido, o autor faz alguns alertas fundamentais. Segundo ele, no

século XVII luso-brasileiro, “não funciona necessariamente a oposição de

alfabeto/analfabeto, que costumamos generalizar para todas as épocas como uma

história natural da constituição do sentido” (HANSEN, 1999, p. 169). Assim, no caso

de Portugal e sua colônia, fatores como a opção católica pela transmissão oral da

traditio canônica, a difusão dos padrões cortesãos da agudeza e da discrição, a

interpretação providencialista dos eventos históricos e das coisas da natureza etc.

“deveriam bastar para nos impedir de generalizar a concepção de alfabetismo pela

qual as representações são sempre apropriáveis segundo o modelo do texto escrito

ou do livro” (HANSEN, 1999, p. 170). Da mesma maneira, “os discursos que hoje

lemos como literatura, segundo critérios de autoria, autonomia estética,

originalidade, unidade e coesão estilística, não eram literários nem necessariamente

legíveis. É o caso da oratória sacra e da poesia satírica, produzidas para fins

utilitários e polêmicos e inicialmente dirigidos à audição” (HANSEN, 1999, p. 170 –

grifos do autor). Nesse sentido, para o autor, “toda leitura coincide com o tempo da

enunciação do discurso” (HANSEN, 1999, p. 174).

Bem, com a Contra-Reforma, a Igreja católica redireciona sua prática,

sobretudo a partir do Concílio de Trento1. Nessa ambiência, de acordo com Certeau,

1 O Concílio de Trento constituiu-se em uma das expressões mais fortes da Contra-Reforma. Por conseguinte, seus decretos

foram seguidos fielmente pela Igreja e, mais especificamente, pela Companhia de Jesus. O papado empenhou-se na

realização de suas resoluções, emprestando-lhes força e vida. Tanto que Pio IV criou, em 2 de agosto de 1564, uma

Congregação Cardinalícia para interpretação autêntica dos seus decretos. “Seu sobrinho, Carlos Borromeu, como arcebispo

de Milão, por sua atividade, tornou-se o protótipo de um pastor tridentino. Pio V, sucessor de Pio IV, enviou, para

observação, as edições oficiais dos decretos conciliares a todos os bispos; elas chegaram até à América e ao Congo...

Executando uma resolução do Concílio, mandou ele publicar o ‘Catecismo romano’, um manual de doutrina da fé, baseado

nas definições tridentinas” (JEDIN, 1961, p. 140). É relevante destacar, ademais, que os decretos do Concílio foram aceitos

1

a religião é progressivamente

...

Baixar como (para membros premium)  txt (32.6 Kb)  
Continuar por mais 18 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com